1 comment for “Arthur Schopenhauer – Liberdade

  1. Marcelomrg.
    19 de Janeiro de 2015 at 16:42

    Considerando exatamente, o conceito de liberdade é negativo. Com isso não fazemos mais do que formular a ausência de qualquer impedimento e de qualquer obstáculo, dado que o obstáculo, sendo manifestação da força, deve indicar uma noção positiva. O conceito de liberdade pode ser considerado sob três aspectos bem diferentes, dos quais provém três gêneros diversos de liberdade correspondente a três diferentes maneiras com que pode apresentar-se o obstáculo, ou seja: a liberdade física, a liberdade intelectual e a liberdade moral. A liberdade física consiste na ausência de qualquer obstáculo de natureza material, é precisamente nesse sentido que costuma se dizer: um Céu é livre( desanuviado), a liberdade intelectual aquela que Aristóteles entende significar com as palavras: o voluntário e o involuntário reflexos, a liberdade moral que constitui exprimindo-nos com uma propriedade rigorosa, o livre-arbítrio tema pela qual versa a Academia Real. Em contrapartida o conceito empírico de liberdade autoriza-nos a dizer: ” Eu sou livre, desde de que posso fazer tudo que quero”, mas essas palavras ”o que quero”, pressupõe já a existência da liberdade moral, ora é, precisamente a liberdade de querer que agora está em questão, devendo pois, o problema apresentar-se da seguinte forma: ” E podes também querer o que queres?”, o que faria presumir que todo ato de volição dependesse ainda de um ato de volição precedente. Admitamos que se respondesse em em sentido afirmativo a essa pergunta; logo porém se nos depararia outra: ”E podes também querer aquilo que queres?”, e assim indefinitivamente, iríamos escalando a série de volições, considerando cada uma delas como dependente de volição anterior de ordem mais elevada…
    Seja como for o vocábulo ”livre”, significa ”o que não é necessário sob relação alguma”, o que independe de toda razão suficiente. Por conseguinte, a base do pensamento de Kant quando definia a liberdade como: ”o poder de começar por si mesmo uma série de modificações ”, essas palavras ”por si mesmo”, conduzidas a sua verdadeira significação querem dizer: ”sem causa antecedente”, o que é idêntico a ”sem necessidade”, de forma que essa definição, não obstante, apresenta aparentemente o conceito de liberdade como positivo, em última análise, permite um exame mais atento com o fito de pôr novamente em evidência a natureza negativa, para designar essa tão obscura e de concepção difícil: designamo-la como liberdade de indiferença( liberum arbitrium indifferentiae)…

    O Livre- Arbitrio; Cap. primeiro, Arthur Schopenhauer

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *