1 comment for “Arthur Schopenhauer – Liberdade

  1. Marcelo\MRG
    23 de maio de 2014 at 18:59

    …Considerando que, nunca é demais repetir a máxima de Aristóteles:Felicitas sibi sufficientium est [ A felicidade pertence àqueles que bastam a si mesmos.] No fundo este também é um pensamento expresso na sentença de Chamfort, que serve de morte para este ensaio. Pois, por um lado a única pessoa que podemos contar com segurança somos nós mesmos, e por outro, os incômodos e as desvantagens, os perigos e os desgostos que a sociedade traz consigo são inevitáveis.Nenhum caminho é mais errado para a felicidade do que a vida no grande mundo. As farras e festanças pois quando tentamos transformar nossa existência miserável numa sucessão de alegrias, gozos e prazeres, não conseguimos evitar a desilusão…
    Em contrapartida, o Salmo, 55, 8. diz segundo a Sagrada Escritura:Tratai-vos segundo suas iniquidades. ou seja: …[ Vede, fugi para longe e permaneci na solidão], Pois a ocupação com coisas divinas os torna mortos para a multidão]…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *