Sociólogo dos infernos

Num dia de trevas, passeando pela Terra, me deparo com um terrível artigo, quase do meu nível, no site da Unisinos. Como fiquei feliz com tais acusações feitas aos católicos da Arquidiocese do Rio de Janeiro, cujo trabalho atrapalha bastante meus planos malefícios.

Confesso que certas afirmações me surpreenderam, já que o pretencioso artigo dispara diversas acusações falsas contra a Igreja do Rio. Quanta astúcia em tais acusações! Porém, o acusador, discípulo meu, é quem as pratica. Como me agrada ver tal comparação dos católicos da arquidiocese com os talibãs. Esses cristãos exterminadores impiedosos das nossas ideologias devem ser associados falaciosamente com os terroristas assassinos de cristãos, estupradores, genocidas etc. Vamos acabar com essa moral judaico-cristã revelada pelo Criador e oferecer a nossa falsa liberdade. O artigo debocha também do conservadorismo carioca, cuja acusação está embasada nas práticas a devoção ao santo terço e adoração ao Santíssimo Sacramento.

Eu peço por Aquele lá de cima!!! Parem de rezar o terço!!! Eu tenho medo da Mulher Pura, dAquela que não consegui pôr minhas patas imundas e por isso Imaculada, sem mancha. É perda de tempo quando Ela pede em todas as aparições para rezarem o terço todos os dias. Sejam desobedientes aos Papas pós-conciliares que escreveram diversas encíclicas sobre a importância dessa oração. Naturalmente esse professor não leu tais documentos… que feio… eu li e conheço todos!

Também vos peço!!! Não adorem o Santíssimo Sacramento! Essa prática fará um bem enorme a vossas almas e isso não me agrada. Não adorem a Deus! Que coisa antiga, medieval e ultrapassada. Adorem a si mesmos, os seus bens materiais e suas conquistas. Vocês precisam da libertação desse Deus controlador e eu vos ofereço uma nova teologia, mais moderna e da moda. Só não garanto a felicidade eterna com ela. Até minha existência está ultrapassada. Não acreditem em mim! O inferno não existe, pois o inferno são os outros. Deus morreu! A existência precede a essência! Sejam o que quiserem! Superem-se e tornam-se o super-homem. Façam a vossa vontade como e somente na terra.

Avante filhos meus! Critiquem essa Arquidiocese ultrapassada que faz o bem! Critiquem o pastor dessa Arquidiocese que doa a própria vida para a santificação de seu rebanho! Precisamos nos mover porque estamos perdendo. Agora é preciso trabalhar com nomes. Quero nomes! Avante! Nós que pregamos a liberdade de expressão e não acusamos ninguém. Agora querem nos minar. É preciso perseguir para silenciar esses católicos adoradores do Altíssimo e devotos da Santíssima Virgem. Avante! Quero nomes!

É necessário que nossos planos ideológicos sigam em frente. Vamos destruir as famílias que nos oprimem com seus matrimônios monogâmico e tradicional. Vamos matar as crianças nos ventres das mães e já que vocês conseguiram nascer não permitam que elas nascem. Não é o direito à vida que é inviolável e sim as vossas vontades. Aquelas que nasceram vamos ensinar a ideologia de gênero e tirar a educação e guarda dos pais opressores para passar ao estado. É ele quem deve controlar todos os poderes. Nada pode ficar acima do estado! Nada!

Agora preciso ir embora satisfeitíssimo com tal artigo. Não quero que as outras dioceses imitem a Igreja do Rio, ela está muito católica e obediente ao papa. Mintam! Mintam! Mintam contra ela até que acreditem em vossas mentiras! Isso eu sei fazer muito bem, pois sou o pai da mentira e pelo jeito vosso pai também. Antes de ir embora preciso vos alertar! Cuidado com o padroeiro daquela Arquidiocese, cujos dardos inflamados não são eficazes contra aquele que levou muitas flechadas por amor a Deus e não desistiu de servi-Lo. O poder das trevas deve causar muito estrago, porém limitado por causa da presença do Altíssimo naquela Arquidiocese. Mas não desanimem, eis que estou convosco todos os dias até nossa destruição final.

Coisa Rúim Chefe

1 comment for “Sociólogo dos infernos

  1. Capetalisson
    14 de abril de 2018 at 15:37

    Tamo Junto, Chefe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *