Eleições na Cidade Maravilhosa: Marcelo Freixo, não!!!

Como confiar em alguém que, sem meias palavras, defende o assassinato de uma pessoa inocente, um bebê, e que o faz com tamanha vilania e crueldade? 

É ano de eleições… Sim, é hora de saber a que Senhor servimos. Em 2010 a batalha foi dura, muita perseguição, tentativa de demissão de asseclas do PT e filo-petistas. Mas o que podemos fazer? Ai de mim se não evangelizar, não é? Pois bem, esse ano a luta continua… Comecemos pela Cidade Maravilhosa.

É sabido que não existe partido de direita no Brasil. De fato, o exercício da democracia no país se faz tapando o nariz… Mas não se pode fugir a essa tarefa! Não se pode anular o voto de modo algum! Não participar do processo democrático é entregar o poder de bandeja para os comunistas e socialistas. Mas então, em quem votar? Sempre em pessoas e partidos que não se opõem à vida, sempre em quem não milita em favor do assassinato. Ora, em nossos tempos, o aborto é a maior ameaça à vida. Portanto, votar em quem trabalha pelo aborto é imoral, é sim pecaminoso. A disputa pela prefeitura do Rio de Janeiro tem um candidato que é o exemplo de defensor da cultura da morte: Marcelo Freixo.

Quem é favorável ao aborto não é confiável… Marcelo Freixo, não!!!

O candidato Marcelo Freixo, em 2007, agiu concretamente para revogar a criação do Dia do Nascituro, no Rio de Janeiro. O candidato a prefeito da Cidade Maravilhosa, membro do PSOL, partido abortista, diz com todas as letras que é preciso “descriminalizar e legalizar o aborto” (leia a íntegra do projeto de lei do candidato aqui). Ora, como confiar em alguém que, sem meias palavras, defende o assassinato de uma pessoa inocente, um bebê, e que o faz com tamanha vilania e crueldade? E mais: como uma sociedade que permite a uma mãe matar seu filho poderá lutar contra outros crimes menos graves, como roubos, tráfico de drogas, corrupção, envolvimento com terrorismo internacional, etc.? A sociedade abortista é permissiva até o limite, solapando os critérios de moralidade mais básicos.

Não Vote Freixo!!!

Além do mais, o candidato do PSOL é também defensor da descriminalização das drogas. Quem tem filhos, irmãos, sobrinhos, enfim parentes envolvidos com drogas sabe como a vida familiar se torna infernal: roubos quase cotidianos, violência, mentiras, sofrimento e dor. Esse candidato acha que tudo isso melhoraria com a legalização das drogas. Quem acredita nele??? Por acaso, a normatização da venda de armas no Brasil tornou o tráfico de armas menos forte e perigoso? Por acaso o endurecimento do combate à venda ilegal de mídias digitais  tornou impossível a pirataria e a venda ilegal de mídias digitais no territórino nacional? Não! O mesmo acontecerá com a legalização das drogas. Pelo contrário, onde a legalização das drogas aconteceu, houve um aumento significativo da prostituição, do tráfico de crianças, da violência e outros delitos que acompanham esse tipo de crime. Tanto assim que a Holanda, exemplo da tolerância com o uso de certos tipos de drogas, já revê sua política sobre o assunto, muito motivada pelos moradores dos bairros onde esses crimes têm acontecido.

Poi é, senhores, é ano de eleições… É o Humanitatis, agora no blog Caesaris, não foge à luta.  Continuaremos a denunciar os falsos pastores, os falsos ministros, os falsos amigos de Nosso Senhor, que se aproximam do redil para enganar as ovelhas. E combateremos também as ovelhas, que tornando amigo dos lobos, são verdadeiros traidores, pois abrem a porta do redil ao inimigo.

Em favor da Vida para Todos! Freixo, não!!!

Robson Oliveira

36 comments for “Eleições na Cidade Maravilhosa: Marcelo Freixo, não!!!

  1. bel
    13 de setembro de 2012 at 21:25

    Prezados.
    é fato: há um Projeto de Lei Estadual, de autoria do candidato a prefeitura do Rio, Marcelo Freixo. Mostra sua posicão favorável ao aborto, além de demonstrar uma boa dose de discriminação religiosa. Trata-se da velha tentativa de relegar a defesa da vida aos religiosos.

    Basta acessar o link abaixo. Quem apoia propostas abortistas já está contribuindo para que este mal se perpetue no meio de nós.

    http://alerjln1.alerj.rj.gov.br/scpro0711.nsf/e00a7c3c8652b69a83256cca00646ee5/92fb936b290baf39832572ae003821f5?OpenDocument

  2. David Gravatá (estudante)
    13 de setembro de 2012 at 08:08

    É isso aí. Belíssimo debate, bons argumentos de todos os lados. Creio que seja essa a essência deste blog.
    Li e gostei muito do “post” do articulista Claudio Santos, argumentou em todas as áreas, é excelente aprender aqui.
    Aos namorados Priscila e Sérgio: achei muito bacana como se comportaram em seus comentarios, fico feliz que se reafirmaram como anti-abortistas, e que são católicos.
    A posição dos argumentos não tem a pretensão de fuzilar, ou de debochar do outro, ao contrário, é um compromisso com a verdade, e exercício do embate das idéias e posicionamentos.
    Lembro que o post acima, é referido ao candidato Marcelo Freixo, do PSOL em campanha na cidade do Rio de Janeiro, que conforme argumentação de Priscila: ” O Marcelo Freixo demonstra ser um excelente candidato, uma pessoa de caráter, corajoso (e não Frouxo como se enganou seu aluno David), e que consegue reconhecer seus erros.”, mas em nosso ponto de vista ético, moral, religioso, ele afrouxa no seu discurso em favor do debate para legalização, descriminilização das drogas ou do aborto, uma vez que esses assuntos já foram em vários momentos discutidos pela Igreja, pelas entidades de saúde, pelos códigos de lei. Mas como vivemos em um Estado democrático, estaremos sempre debatendo várias questões. Importa lembrar que as posições da Igreja continua a mesma. O afrouxamento do candidato, se dá na falta da ética cristã (que é provável que não tenha, por defender um Estado Laico, e ser de um partido de orientação Comunista materialista).
    Sobre o articulista professor Robson, eu apenas quis autenticar que ele é real, e argumentei como eu o conheço: mestre em Filosofia, pai de família, religioso, etc. etc. Rsrs, não era intenção de dar o currículo dele, mas foi questionado e posto em dúvida que ele sendo “uma reprodução do governo SUJO que temos atualmente” coisa que não é, então eu me esforcei em esclarecer o que verdadeiramente é.
    Agradeço a colaboração de todos, e continuemos comentando nos demais posts do humanitatis.net. Abraços a todos.

  3. Patricia
    13 de setembro de 2012 at 02:35

    Padre Claudio Santos,

    Agradeço muito a sua colocação. Foi a postagem que me incentivou a responder sem agressões. Mas depois que vi seu apoio político desisti!

    Bom, deixa eu me despedir. Padres, alunos e afins… eu realmente achava que era um blog apartidário, por isso quis vir questionar o ataque direto ao meu candidato. Mas como vi que há sim posição política… estou fora! Facebook é uma desgraça viu??? Boa sorte aí na campanha do Otário Leite! ops! Otávio Leite.

    Grande abraço e orações… Patricia, graduanda de Serviço Social da PUC Rio

    • 13 de setembro de 2012 at 15:59

      Entendi, só estão certos se concordam comigo. Quem não concorda está errado e é otário, ops, Otávio.

      E se despede com outro erro: aqui ninguém defende o Otávio Leite. Só combatemos o Freixo.

  4. Patricia
    13 de setembro de 2012 at 02:17

    Robson Oliveira,

    Esse povo não aprende, porque não tem o que aprender!!!

    1- Não preciso responder a sua impressão.

    2- Tudo bem, me equivoquei ao generalizar que TODOS são a favor do aborto sem ter feito uma pesquisa mais detalhada. Mas o atual governador e aliado do atual prefeito, além de ser a favor, ironizou a gravidez indesejada NO NAMORO. O link postado pelo Sérgio e denunciado no seu blog não quer dizer mais nada? http://fimdostempos.net/sergio-cabral-aborto.html

    3- Minha prova não é essa, e concordo em tudo o que você disse… se vivemos numa democracia, a posição da maioria seria o suficiente para a definição da legalização ou não. Pena que as pessoas que elegemos para nos representar não pensam assim. O Marcelo Freixo demonstra ser um excelente candidato, uma pessoa de caráter, corajoso (e não Frouxo como se enganou seu aluno David), e que consegue reconhecer seus erros. Mas se os católicos querem se posicionar ao fato, porque não acreditar na conversão ou na escuta para que o candidato mude de opinião??? Não seria mais justo que apontar???

    4- Eu me recuso ir a um ginecologista homem, pois não tenho psicológico para lhe dar com a situação, diferente de outras mulheres. Parabenizo que vai numa boa e desejo que respeitem meu incômodo quanto a um ginecologista homem. Você pode sim ser contra a escravidão, pois mesmo não sendo escravo é negro e, provavelmente, já sofreu algum tipo de descriminalização por conta do histórico étnico. Também pode opinar sobre as drogas sem ter sido drogado, ou então opinar sobre o trânsito sem ter carro. Mas jamais poderá saber como solucionar esses problemas sem um estudo detalhado e entendimento de todas as pessoas que estão vulneráveis as drogas ou ao trânsito caótico.

    5- Em momento nenhum eu disse ser favorável ao aborto!!!! De novo a história dos escravos por ser negro… essa não quero responder.

    6- Não, não, não… de novo afirmando coisas que se quer citei. Não acho o aborto normal, em hipótese alguma!!! Essa não vou debater pois foi respondida na número 3.

    7- Concordo novamente com minha errada colocação, realmente não deveria me referir como direito que essa mãe tem… mas que elas precisam ser ouvidas, isso precisam.

    8- Caríssimo, errei no meu princípio e como Padre, o Sr. sabe muito bem que não existe tal citação. Viu? reconheço sem problemas meus erros.

    9- Agora eu sei quem você é.

    10- Não preciso de argumentos, pois repito, não há argumentos para defender o ato do aborto, E repito mais uma vez, sou contra!

    11- kkkkkkkkkkkkk

    12- Rezarei. Reze por mim também Padre. Sua bênção!

    13- Não voltarei, pois já vi em qual posição política estão os membros dessa página.

    • 13 de setembro de 2012 at 15:49

      Eles voltaram, mas não para argumentar, mas para simular respostas. Assim, 1) A não, não disse isso; 2) Não disse isso, não vou argumentar; 3) Não argumentarei porque não disse isso…”, etc. Quer dizer, vieram mas sem nada para compartilhar. Fazer o quê? Essa é a “elite” PUC?

      Patrícia,

      O povo não aprende por vários motivos, um deles é porque não quer aprender. Prefere ficar na ignorância. Mas “escolher” ignorar já não é ignorar. É “mauvaise foi”.

      1 – É verdade que não precisa responder a minha impressão. Mas é uma boa pista, não é? E digo mais: minhas impressões são maiores que essa, mas não partilharei com vocês.

      2 – Aqui você precisa responder ao meu argumento, mas não fez. De fato, não está em jogo o apoio dos candidatos, mas os candidatos mesmos. Por isso, de nada importa saber quem apoio o candidato da situação. Ou já esqueceu do “apoio” que o Wagner Montes deu ao Freixo?? Responda, por favor,porque ter o apoio de gente ruim, como segundo você é o caso do Sérgio Cabral, não pode; mas ter o apoio do Wagner Montes, indiretamente citado no filme mais famoso jamais estrelado pelo Freixo pode?

      3 – Novamente, fugiu da questão e fez uma apologia ao Freixo sem ter lé com cré. Não se trata da bondade e candura (duvidosas,diga-se de passagem) do Freixo. A questão é que você argumentou pró-aborto pela laicidade do estado. E não adianta dizer que não fez. A prova está aqui, no seu texto: “Todos os candidatos são a favor da descriminalização do aborto SIM, por um causa simples… o Estado é laico”. Você disse isso aqui. Ora, Cadê os argumentos, Patrícia??? Sua palavra pode bastar para o Sérgio, mas para o resto do mundo é necessário argumentar. E não venha com mais elogios ao candidato abortista do PSOL.

      4 – Finalmente, um argumento. Fraco, mas não foi um elogio ao Freixo… Bem, noves fora sua lógica peculiar, em que um “provavelmente” vale como prova, você admite que questões de gênero não interferem na ginecologia, no estudo sobre engenharia de trânsito ou drogadição. A pergunta imediata é: então, por que mesmo um homem não pode defender quem está no seio materno e está para ser assassinado? Afinal, foi essa sua argumentação no post que deu início ao debate. Lembra? Vou relembrá-la: “É muito fácil quando não se é mulher, bater no peito pra dizer que não faria um aborto…”. Até agora, seu melhor argumento foi mudar sua posição original. Parabéns!

      5 – Ah, o maior argumento e você não quer responder. Pois é… por que será? Bem, você disse sim que era “contra”, mas era a favor de quem quisesse fazer. Enfim, você acha que pessoalmente é ruim, mas “respeita” (foi esse o verbo) quem escolhe abortar. Pois é, tem gente que não tem escravo, mas “respeita” quem tem. Afinal, o sinhô quer uma “peça” e o negro “precisa” comer. Então, que eles entrem em acordo. Eu não faria isso, mas quem quiser… Ora, isso é o que você disse. Esperneie, diga que não, grite, mas foi isso que disse. Por isso não quer argumentar. Não tem argumentos.

      6- De novo, não argumentou… Você chama um bebê de “resultado” e quer que tudo fique bem??? Por favor! Trata-se de uma pessoa e sua decidida posição de não dialogar não melhora sua situação.

      7 – Pois é, o “sou contra” mas “respeito”. Se você estivesse no julgamento do Mengheli também diria isso? “Olha só, sou contra o nazismo, mas temos que ouvir as razões dos assassinos…”. Não! A parte mais fraca do aborto é o bebê e a sociedade tem de defender a parte mais fraca, sem desamparar os problemas outros que existirem.

      8 – Ótimo! Agora usa um erro crasso para posar de boazinha. Não, errou porque não conhece o que diz que conhece. E esse assunto é totalmente periférico! Errar um citação bíblica não tem nada a ver com o tema: o Freixo é abortista e os cristãos não devem votar nele. Que os não cristãos votem em quem quiser. Os cristãos, pelo contrário, têm o dever moral de não eleger pessoas que desejam matar outras pessoas, como é o caso dele.

      9 – Duvido que saiba quem sou eu. Como dizia vovó, tem que comer um quilo de sal. Isso não vai acontecer, parece.

      10 – Veio aqui, sim, relativizar a doutrina do aborto. Esse papinho de “sou contra pessoalmente, mas…” não cola. Alguém que é contra a corrupção, mas faz concessões não é contra. Só não está do lado certo da mesa ainda. O aborto é o que é: assassinato de um inocente. O Freixo é a favor disso. Logo, não se pode votar nele!

      11 – Também achei curiosa sua colocação anterior.

      12 – Para ajudá-la no que prometeu, seguem alguns bizus. Se precisar de mais, nós temos:

      a) Pai nosso, que estais no céu
      Santificado seja o Vosso nome,
      Venha a nós o Vosso reino,
      Seja feita a Vossa vontade,
      Assim na terra como no céu.
      O pão nosso de cada dia nos dai hoje.
      Perdoai as nossas ofensas,
      Assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido.
      E não nos deixeis cair em tentação,
      Mas livrai-nos do mal,
      Amém.

      b) Ave Maria, cheia de graça,
      o Senhor é convosco.
      Bendita sois vós entre as mulheres,
      e bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus.
      Santa Maria, Mãe de Deus,
      rogai por nós, pecadores, agora e na hora da nossa morte.
      Amém.

      c) São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate, sede o nosso refúgio contra as maldades e ciladas do demônio. Ordene-lhe Deus, instantemente o pedimos, e vós, príncipe da milícia celeste, pela virtude divina, precipitai no inferno a satanás e aos outros espíritos malignos, que andam pelo mundo para perder as almas. Amém.

      13 – Que pena que sua posição política seja tão opressiva. Eu, que creio em dogmas, não me recuso conversar com comunistas; no entanto, os comunistas, que dizem não ter dogmas, separam as outras por posições políticas. Diga-nos, Patrícia, quem é o obscurantista nessa relação?? Sugiro fortemente a leitura: http://humanitatis.net/?p=532

  5. Patricia
    13 de setembro de 2012 at 00:40

    David Gravatá,

    O que fiz foi apenas uma resposta à provocação de seu professor. Ele duvidou da possibilidade de duas pessoas diferentes publicarem uma resposta do mesmo computador, então eu posso fazer o mesmo, ou não?

    Eu não questionei em momento nenhum sua formação acadêmica, sua vida profissional ou vivência Cristã. Na verdade isso pra mim pouco importa… o que vale é a consciência de cada um.

    Eu entendo perfeitamente o discurso do Robson, só não entendo o ataque isolado em época de eleição. E na verdade, isso foi o questionado por nós nas primeiras postagens e não passagens bíblicas.

    O exemplo que dei de uma mulher violentada, foi apenas para que pensassem como pessoas que pudessem ser vulnerável a tal violência. Concordo em gênero, número e grau que o aborto em qualquer uma das circunstâncias seja crime, não só por questões legais mas, principalmente, por questões religiosas. Por isso afirmei que sou CONTRA o aborto. Mas independente dos meus princípios, respeito – veja bem, RESPEITO o que é diferente de ser favorável – que há pessoas que não são religiosas, que não tem condições físicas e emocionais para lhe dar e aceitar tal situação. O resultado disso são os abortos clandestinos, em que parte das mães perdem suas vidas ou jogam os bebês no lixo.

  6. Sérgio
    12 de setembro de 2012 at 23:31

    Boa noite, é, realmente são muitos argumentos e não responderei a todos… vocês me convenceram de não debater mais… Sou católico e a ideia do aborto me causa repulsa. Porém, não sei como agiria se minha namorada engravidasse depois de um estupro, eu não criaria uma criança gerada de uma violência a pessoa que eu amo, “ah doa a criança”, mas ainda assim, tem toda a gestação. É, é um debate muito bom e difícil. Mas falando de política, só quem tá no Rio é que sabe quanto crápulas são estes que hoje estão no poder, e o quanto eles prejudicam a minha cidade com suas obras mascaradas para desviar o nosso dinheiro,a corrupção é tão grave quanto o aborto. Hoje a única chance clara de mudança e até onde sei, é o melhor candidato que já vi, é Marcelo Freixo. Até agora é o único defeito que encontrei nele, sim, é um defeito grave, mas quem sabe orando por ele, ele possa mudar seu pensamento? Isso já aconteceu com Paulo, não? Aliás, se todos nós tivermos fé e orarmos por quem comanda nosso país, ele há de melhorar. Não estou aqui para atacá-los só para ter um debate saudável, espero não ser atacado também. Abraços

    • 13 de setembro de 2012 at 16:06

      Sérgio, então a posição “humanitária” no caso de estupro é matar o bebê?? O único realmente indefeso é o bebê e é ele quem paga com a vida?? Isso é o que você chama de humanismo? Fale-nos sobre o nazismo, sobre o castrismo e regimes que matavam seus inimigos por eram incômodos…

      Outra coisa, não adianta rezar pelo Freixo, pois o aborto é posição partidária. Ainda que ele mude radicalmente, o que é raríssimo, ele estará obrigado pelo partido, como confessou uma das fundadoras do partido essa semana: http://humanitatis.net/?p=7299. Aliás, esse é o problema de fato. É projeto do PSOL avançar a agenda comunista e isto inclui o aborto.

      Ele não é uma opção para o cristão fiel ao Evangelho.

      • Sérgio
        13 de setembro de 2012 at 22:45

        Pois é, a solução para o estupro não é matar o bêbê. E concertando uma colocação minha, digo que os partidos nem deveriam entra no mérito da discussão com tema aborto. Tem que ser pesquisado todos o fatos em que se envolvem o assunto e criar soluções. Porém volto a dizer que saberia como agir se acontecesse com a Patrícia dela engravidar por conta de um estupro. Beleza, estou convencido de defender uma vida inocente mas após o parto mandaria a criança para a sua residência?

        Quanto a você me dizer para não rezar pois não adianta é contraditório, não? Rezar não adianta? Ter fé não adianta? Ser católico não adianta? Toda essa luta não adianta? Sim adianta…

        Obrigado pelo debate, embora ache que seu tom radical e agressivo não seja acolhedor, como o do Cládio e do David foram para mim, e que não tenha gostado de como suas palavras soaram ofensivas para mim e para minha namorada, também peço desculpas se aconteceu o mesmo com você. Vou rezar por vocês,e sim, pelo Freixo além de votar nele e levar todo esse debate anti-aborto para que repense seu conceito sobre o assunto. Acredito na conversão, e na humildade que Deus gera nas pessoas.

        Reze também por nós. Boa noite

        • David Gravatá (estudante)
          14 de setembro de 2012 at 07:14

          Caro Sérgio, estamos sempre errando, mas sempre buscando a perfeição, é essa a nossa caminhada aqui, na terra dos viventes.
          Sobre o que fazer, em caso de uma violência sexual e de uma gravidez não desejada, e indo contra qualquer alternativa pró aborto (assassinato), pode-se encaminhar a criança a uma instituição (http://www.orfanatosantaritadecassia.com.br/)
          Ou… pode optar pelo amor de a si mesmo adotar a criança como pai (como São José, que adotou, criou, e educou Jesus, ensinando-lhe um ofício). Sempre o mais difícil é convencer o parceiro, é algo realmente complicado, necessitando muita oração, paciência, e sabedoria…
          Sobre rezar, ora devemos sempre rezar, levar uma vida orante.
          Você acha o professor Robson radical e agressivo aqui? É porque não teve a oportunidade de vê-lo e escutá-lo em sala de aula. Discursos veementes como se estivessem dando aulas de Oratória, travando verdadeiras batalhas de idéias, ao mesmo tempo com profunda riqueza na troca de conhecimentos, rsrsrsrs.
          Abraços, continuem lendo o site, e fazendo os comentarios.

        • 14 de setembro de 2012 at 07:41

          Agora foi na mosca! De fato, Cláudio e David são mais caridosos que eu.

          Mas para variar, errou de novo. Disse que não vale a pena rezar pelo Freixo no que concerne à sua mudança quanto ao aborto. De nada adianta ele mudar, o partido o obrigará, como aconteceu com Heloisa Helena.

          Reze mesmo por mim.

  7. Patricia
    12 de setembro de 2012 at 00:47

    As questões levantadas pelo Sérgio (que é meu namorado), eu vou deixar para o mesmo responder… Todos os candidatos são a favor da descriminalização do aborto SIM, por um causa simples… o Estado é laico e nele não devemos pensar favorecendo uma religião ou outra. É muito fácil quando não se é mulher, bater no peito pra dizer que não faria um aborto se fosse estuprada, ou então ser mulher, nunca ter sido estuprada e sem pensar na possibilidade dizer também dizer que não faria. Eu sou contra o aborto, nunca sofri tamanha violência e RESPEITO quem sofreu, decidir o que fazer legalmente com o “resultado” é um DIREITO de quem o sofre. Antes de julgarmos (Princípio que a Igreja Católica tanto preza: NÃO JULGARÁS), temos que ouvir, refletir, participar, NÃO JULGAR.

    Não estou aqui para questionar a atitude de vocês diante do fato, mas como você mesmo disse acima “Robson”, “nenhum candidato a favor do aborto vai ter vida fácil aqui no blog”. Então pergunto a você… Porque estão atacando APENAS o Marcelo Freixo??? Sem a balela de que está comprovado no texto acima, porque esse texto não comprova NADA! Quem me garante que você é quem diz ser??? Quem garante que você não é uma reprodução do governo SUJO que temos atualmente??? Já foi época em que o Estado era dominado pela Igreja Católica, hoje não mais… se é que você é realmente católico não é???

    Não me digo Católica para alcançar simpatia de ninguém, não preciso disso… assim como não preciso atacar ninguém para seguir o que a minha religião prega. Se eu acho que algo está errado, eu corro atrás… não tacando pedras, não apontando… mas sim evangelizando… assim como Jesus o fez! Eu sou muito capaz de dizer quem eu sou e não é sendo julgada por você (que não tem nem o direito de fazer isso), que terei vergonha de falar minhas origens e quais ensinamentos eu sigo… Nem eu PATRICIA e nem meu namorado SÉRGIO viemos aqui para ofender vocês.. viemos democratizar, afinal, a página é pública não é????

    Não consigo parar de ter sua última estrofe… Católicos como você me envergonham!!!! Católicos que vivem de fofocas, vivem de falar mal dos outros, tentando denegrir e difamar as pessoas (ASSIM COMO TENTOU FAZER CONOSCO NAS SUAS INSINUAÇÕES). Vergonha!

    • David Gravatá (estudante)
      12 de setembro de 2012 at 09:06

      Aos namorados Ségio e Patrícia:
      Autentico que o professor Robson Oliveira é real, sou seu aluno e garanto isso. O professor Robson é católico, conhecedor e obediente a doutrina da Igreja católica. É também Filósofo e leciona em Instituições religiosas e de ensino superior. Além de escritor, atuante em pastorais e comunidades religiosas a favor da vida e do matrimônio.
      Ele, (como autenticos católicos) é contra o a prática do aborto (ou a descriminilização, pois é a mesma coisa com mesmo efeito, morte do feto/nascituro/vida/ser humano) por que a Igreja é.
      O professor Robson é apolítico, assim como o blog é.
      O discurso do Robson não é contra a pessoa do Frouxo, ops, Freixo, mas a sua postura: “O candidato a prefeito da Cidade Maravilhosa, membro do PSOL, partido abortista, diz com todas as letras que é preciso “descriminalizar e legalizar o aborto”.
      A Karina bem lembrou que com base a interpretação jurídica, o aborto é inconstitucional ( Artigo 5º), mas candidatos insistem em debater este assunto, então nossa resposta é contra, não somente por base de lei, mas sim por sermos a favor da vida.
      Sou homem, nunca irei gestar uma criança em mim por força da natureza, mas isso não quer dizer que também sou favor a violência, seja pela agressão de um estupro a uma mulher, como ao assassinato de um ser humano (por isso sou contra ao aborto, a eutanásia, e a pena de morte), por ser lógico, que o mesmo princípio de inviolabilidade da vida para um deva ser para todos os casos.
      Os valores éticos e morais deve estar presente na pessoa, fazendo uso de sua consciência, mesmo ela estando a beira da morte, ainda mais sendo a vítima inocente. Exemplo do caso de um estupro, a vítima é a mulher que teve o corpo violado, agredido, e que vai passar nove meses gestando uma criança não planejada, e teria toda a vida estigmatizada que nasceria de um crime, mas mesmo assim, condenar esta criança a morte, não faz sentido quando vemos o ponto de vista dela (a criança não tem culpa). Condenando e assassinando o feto, vemos que se transfere o crime, a mãe e os médicos envolvidos no aborto são culpabilizados (pela lei, pela fé, pela consciência).
      O Blog postou um artigo a respeito de um candidato a prefeitura do Rio de Janeiro, não importa se é da capital ou de outra cidade qualquer, ou qual for o partido, ou organização, há de ser contra o aborto e os abortistas em qualquer lugar.
      Importante reafirmar aqui, nem eu, nem o professor Robson residimos e votamos na cidade do Rio de Janeiro, mas não é isso que vai calar a boca de um homem.
      Vergonha é ficar passível e não denunciar em favor da verdade, do perigo daqueles que defende uma cultura de morte. Se é uma opção de querer ser “católicos” com suas próprias opniões, acho que estão lendo o blog errado.

      Meu nome é David Gravatá, sou estudante no Instituto de Formação Estrela da Evangelização, no Seminário São José de Niterói.

    • 12 de setembro de 2012 at 16:27

      Lá vou eu de novo… esse povo não aprende…

      1. Se o Sérgio é seu namorado, melhor assim. Pior é postarem com nomes diferentes no mesmo computador. Dá a impressão (só impressão, tá?) de que desejam parecer ser mais do que são… meia dúzia.

      2. Que todos os candidatos sejam a favor do aborto eu duvido. Tem prova disso? Eu tenho de que o Freixo é a favor e tem discurso nesse sentido. Quando tiver as provas de sua afirmação, poste; as minhas estão no artigo, que já nem sei se leu de verdade. Mas sua explicação – se é que posso chamar assim – é que é mais hilária.

      3. A prova que você apresenta de que todos os candidatos são a favor do aborto é de que “o Estado é laico e nele não devemos pensar favorecendo uma religião ou outra”. Viu porque é difícil acreditar que você e seu namorado, o Sérgio, são católicos??? Qualquer criança na catequese aprende que a defesa da vida não é ponto de fé. Não é que para ser cristão é preciso batizar-se, receber a crisma, comungar de Nosso Senhor e… ser contra o aborto. Não é isso, caríssima. Ser contra o aborto é ponto pacífico para ser “humanista”. Sabe o que é isso? Pois é, ser contra o aborto é apartar-se da longa trilha de sanguinários autocratas, déspotas assassinos como Mao-Tsé Tung, Pol Pot, Stálin, Fidel e Che Guevara. Esse povo assassino, que nada tem de cristão. O aborto deve ser banido do país não porque os cidadãos em sua maioria são contra – o que já deveria ser alguma coisa em uma democracia, né? – mas porque o país quer ser mais humano, não condenando à morte pessoas inocentes.

      4. Agora vem o argumento de gênero… Ai, ai… “É muito fácil quando não se é mulher, bater no peito pra dizer que não faria um aborto…”. Quer dizer que só pode defender a vida do bebê se for mulher?? Quer dizer que só as mulheres podem tratar de assuntos de mulher?? É isso?? Bom, então diga-nos, como é para você ir a um ginecologista homem? Você acha que eles deveriam abandonar a profissão porque não sabem o que é ficar menstruada??? Nossa, esses argumentozinhos estão cada vez piores, né não?? Bem, contrariamente a você, sabemos que eu posso ser contra a escravidão, mesmo jamais tendo sido escravo; posso opinar sobre drogas em jamais ter me drogado; posso dizer minha opinião sobre o trânsito, sem ter carro. É assim no mundo acadêmico e na democracia.

      5. Quanto a você ser “contra o aborto” mas favorável ao aborto, eu acho incoerente. É como alguém dizer que é contra a escravidão mas entender a posição de quem mantém escravos em sua fazenda. É ilógico. Mas o pior está por vir.

      6. Você chama de “resultado” o bebê que nasce de um estupro. Esse é mais um motivo para duvidar da sua autoproclamada catolicidade. Um ser humano não é um “resultado”, é uma pessoa, amada por Deus desde sempre. O bebê não tem culpa alguma de ser fruto de uma violência e, no caso do aborto, quem paga com a vida por essa violência é ele. Que você ache isso normal é muita frieza, absolutamente incompatível com o catolicismo.

      7. Não, caríssima, ninguém tem “DIREITO” de matar ninguém, a não ser em legítima defesa. Foi nesse de “direito” a matar que chegou até nós o nazismo. Os alemães acharam-se no “direito” de purificar a raça dos doentes, dos fracos, enfim dos eugenicamente piores. Os cristãos não têm direito a matar, muito menos os mais fracos.

      8. Opa, quem está julgando?? Outra derrapada. Ninguém fez juízo sobre a situação moral do Freixo, caríssima. Fez-se, sim, um juízo ético sobre suas escolhas e sobre o aborto em si mesmo. Aliás, que princípio é esse?? Onde está na Bíblia?? “NÃO JULGARÁS”?? Parece com “NÃO MATARÁS”, mas é diferente. Pode colocar aqui a citação??

      9. Bem, eu sou eu, você eu não sei.

      10. Vieram “democratizar”… Sei, mais um jargão esquerdista. Então, “democratize” com argumentos melhores, você e seu namorado.

      11. “Não consigo parar de ter sua última estrofe”. Que bom, a ideia é essa. Que Deus permita que eu continue continue fiel a Ele, para que a doutrina católica não saia de seu olhos.

      12. Bom, nisso você acertou. Eu causo “vergonha” aos cristãos. Não sou como gostaria. Por isso mesmo sou mais duro comigo quanto a concessões que não são aceitáveis. Reze por mim, Patrícia, para que eu a envergonhe menos. E a seu namorado.

      13. E volte com mais argumentos e menos acusações.

    • 12 de setembro de 2012 at 16:39

      Prezada Patrícia, muito me felicita a sua presença no nosso blog. Este realmente é um ambiente democrático. Me permita repassar seus argumentos ponto-a-ponto? Não sou especialista, mas gosto de ler um pouquinho sobre o assunto e gostara de contribuir. Tá um pouco grande, quase um post.

      Patrícia: Todos os candidatos são a favor da descriminalização do aborto SIM, por um causa simples… o Estado é laico e nele não devemos pensar favorecendo uma religião ou outra.

      QUESTÃO: Já de início sua explanação me deixa perplexo, pois me diz com uma “lógica simples” que: TODOS os candidatos são a favor do aborto, pelo simples fato do estado ser laico? Dar a oportunidade de uma pessoa continuar a viver é questão religiosa? O fato do estado defender a vida é igual a dizer que ele não é laico? Realmente não entendi. 🙁

      Patrícia: É muito fácil quando não se é mulher, bater no peito pra dizer que não faria um aborto se fosse estuprada, ou então ser mulher, nunca ter sido estuprada e sem pensar na possibilidade dizer também dizer que não faria.

      QUESTÃO: Da mesma forma, é muito fácil quando já nasceu, e bater no peito pra dizer que não tem risco de que alguém entre no ventre da sua mãe, com materiais cortantes para te destroçar por inteiro, até estraçalhar seu crânio com um alicate e te sugar pra fora com uma bomba a vácuo, ou injetar fluido com sal para que morra desidratado, ou estimulem sua mãe via medicamentos que induzem a contração uterina para te expulsar pra fora, e te estrangularem ou te ensacarem e jogarem no lixo, um desprezado sem crime algum. Vejo mesmo que não conhece a situação, nem do bebê, nem da mãe, se conhece ou conheceu não agiram com amor, por isso pensa assim. Não pense que estamos longe destes acontecimentos, conhecemos pessoas que atuam diretamente com mulheres que foram estupradas, ou estão com bebês em má formação, inclusive já estivemos com adolescentes grávidas estupradas, que antes de culpar o bebê e tentar matá-lo, buscam consolo e amor nas pessoas ao redor. Quando recebem este amor e carinho, a maioria segue com a gravidez, muitas continuam com a criança após nascida, e outras registram mas entregam suas crianças para que sejam criadas com carinho por outros casais.

      Patrícia: Eu sou contra o aborto, nunca sofri tamanha violência e RESPEITO quem sofreu, decidir o que fazer legalmente com o “resultado” é um DIREITO de quem o sofre.

      QUESTÃO: Também RESPEITO, mas está errado o que disse, e é um erro grave. Primeiro: Cometer o aborto não é um DIREITO. Pelo Código Penal: “Art. 124 – Provocar Aborto em si mesma ou consentir que outrem lho provoque: Pena – detenção, de 1 (um) a 3 (três) anos.” Porém, o artigo 128, diz que: “Não se pune o Aborto praticado por médico”, se I – se não há outro meio de salvar a vida da gestante; ou II – se a gravidez resulta de estupro e o Aborto é precedido de consentimento da gestante ou, quando incapaz, de seu representante legal. Ou seja, cometer aborto em qualquer caso “É CRIME”, porém em dois casos “NÃO SE PUNE”. Segundo: Tenho o direito de não sofrer, desde que não se desrespeite o direito de outro viver, é claro! Minha satisfação, ou amenização de um sofrimento, não pode ser mais importante do que a vida de outra pessoa. Correto?

      Patrícia: Antes de julgarmos (Princípio que a Igreja Católica tanto preza: NÃO JULGARÁS), temos que ouvir, refletir, participar, NÃO JULGAR.

      QUESTÃO: Tudo bem não irei julgar. Vou apenas apresentar um pouquinho do que ouvimos, refletimos, e participamos. Como disse acima, vou apresentar somente o que diz o Catecismo da Igreja Católica, tá bom?
      § 2272 A cooperação formal para um aborto constitui uma falta grave. A Igreja sanciona com uma pena canônica de excomunhão este delito contra a vida humana (…)
      § 2270 A vida humana deve ser respeitada e protegida de maneira absoluta a partir do momento da concepção. Desde o primeiro momento de sua existência, o ser humano deve ver reconhecidos os seus direitos de pessoa, entre os quais o direito inviolável de todo ser inocente à vida (…)
      § 2271 Desde o século I, a Igreja afirmou a maldade moral de todo aborto provocado. Este ensinamento não mudou. Continua invariável. O aborto direto, quer dizer, querido como um fim ou como um meio, é gravemente contrário à lei moral: Não matarás o embrião por aborto e não farás perecer o recém-nascido. (…) O aborto e o infanticídio são crimes nefandos.
      § 2274. O diagnóstico pré-natal (…) Está gravemente em oposição com a lei moral quando prevê, em função dos resultados, a eventualidade de provocar um aborto. Um diagnóstico não deve ser o equivalente de uma sentença de morte”.

      Patrícia: Não estou aqui para questionar a atitude de vocês diante do fato, mas como você mesmo disse acima “Robson”, “nenhum candidato a favor do aborto vai ter vida fácil aqui no blog”. Então pergunto a você… Porque estão atacando APENAS o Marcelo Freixo??? Sem a balela de que está comprovado no texto acima, porque esse texto não comprova NADA! Quem me garante que você é quem diz ser??? Quem garante que você não é uma reprodução do governo SUJO que temos atualmente??? Já foi época em que o Estado era dominado pela Igreja Católica, hoje não mais… se é que você é realmente católico não é???

      QUESTÃO: Essa realmente é boa. Este link onde Sérgio mostra o Cabral é antigo, e já denunciamos em diversos lugares, inclusive no nosso blog (veja aqui, o slide 97: http://humanitatis.net/?p=1290 – recomendo até ver ele todo). Denunciamos todos, mas nosso estado além de laico, tem uma política partidária. O mandato é do partido, conforme dispõe art. 1º. § 1º, II da Resolução TSE n. 22.610/2007. Estabelece: Artigo 1º ” O partido político interessado pode pedir, perante Justiça Eleitoral a decretação da perda de cargo eletivo em decorrência de desfiliação sem justa causa.
      § 1º ” Considera-se justa causa: I) Incorporação ou fusão do partido;
      II) Criação de novo partido; III) Mudança substancial ou desvio reiterado do programa partidário; IV) Grave discriminação pessoal.” Junte o Programa do Partido, mais a ideologia do candidato quanto ao aborto, eutanásia, drogas etc.? Outra coisa, sobre o estado ser laico, isso não impede os argumentos religiosos, afinal os religiosos também não são cidadãos? Mas tudo bem, sem argumento religioso: No VII Conclave da Federação Brasileira das Academias de Medicina, a medicina confirmou que a vida começa já na concepção. Sendo assim, fazer apologia ao aborto é uma apologia ao assassinato, correto? Não estou passando nada religioso, logo: se, o artigo 5º da Constituição garante “aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida”, e nossa federação médica diz que a vida começa desde a concepção, o que dizer? É religioso? Além disso, através da Lei 11.804 conhecida também como: “Lei de alimentos gravídicos”, o pai tem o dever de ajudar a alimentar e prover sustento e apoio à mãe e ao filho no período da gravidez, por que isso Patrícia? Por que o legislador sabe que há vida no útero. Mais, lembro, ou esclareço, que de acordo com o decreto 678 de 1992, “A Convenção Americana sobre Direitos Humanos (…) celebrada em São José da Costa Rica, (…) deverá ser cumprida tão inteiramente como nela se contém”, e que no Artigo 4º desta convenção: “Toda pessoa tem o direito de que se respeite sua vida. Esse direito deve ser protegido pela lei e, em geral, desde o momento da concepção. Ninguém pode ser privado da vida arbitrariamente”. Quer mais? Lembro do Estatuto da Criança e do Adolescente, com especial atenção ao seu Art. 7º: “A criança e o adolescente têm direito a proteção à vida e à saúde, mediante a efetivação de políticas sociais públicas que permitam o nascimento (…)” Não há nada de religioso, só o juridiquês!

      Patrícia: Não me digo Católica para alcançar simpatia de ninguém, não preciso disso… assim como não preciso atacar ninguém para seguir o que a minha religião prega. Se eu acho que algo está errado, eu corro atrás… não tacando pedras, não apontando… mas sim evangelizando… assim como Jesus o fez! Eu sou muito capaz de dizer quem eu sou e não é sendo julgada por você (que não tem nem o direito de fazer isso), que terei vergonha de falar minhas origens e quais ensinamentos eu sigo… Nem eu PATRICIA e nem meu namorado SÉRGIO viemos aqui para ofender vocês.. viemos democratizar, afinal, a página é pública não é????

      QUESTÃO: Mas uma vez então voltemos a evangelizar. Quando Jesus replicou os Sumo Sacerdotes, um soldado o bateu, então Jesus disse: “Se falei mal, mostra onde está o mal; mas, se falei bem, porque me bates?” Da mesma forma, digo onde o Prof. Robson os ofendeu, só porque denunciou algo que é a verdade? Do jeito que fala parece até que Jesus era do jeito daquela figura tosca dele com os dois dedinho pra cima: Paz e Amor. Na verdade, Jesus já dizia que não seria fácil, por isso falou aos discípulos que: “Felizes vocês, se forem insultados e perseguidos, e se disserem todo tipo de calúnia contra vocês, por causa de Mim”. Veja abaixo se Jesus falou bonitinho, quando denunciava o erro?
      Mt 10, 34-39: “Não pensem que vim trazer paz à terra; não vim trazer paz, mas espada. Pois vim causar divisão entre o homem e seu pai; entre a filha e sua mãe e entre a nora e sua sogra. Assim, os inimigos do homem serão os da sua própria casa. Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim não é digno de mim; quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim não é digno de mim; e quem não toma a sua cruz e vem após mim não é digno de mim. Quem acha a sua vida a perderá; quem, todavia, perde a vida por minha causa a achará.”
      MT 15,7-9: Hipócritas! Bem profetizou Isaías a vosso respeito, dizendo: Este povo honra-me com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. E em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens.
      Mt 23, 27-28: “Ai de vocês, escribas e fariseus, hipócritas, porque vocês são semelhantes aos sepulcros caiados, que, por fora, se mostram belos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda imundície! Assim também vocês exteriormente parecem parecem justos aos homens, mas, por dentro, estão cheios de hipocrisia e iniquidade.”
      MT 23,1-3: Então, falou Jesus às multidões e aos seus discípulos: Na cadeira de Moisés, se assentaram os escribas e os fariseus. Fazei e guardai, pois, tudo quanto eles vos disserem, porém não os imiteis nas suas obras; porque dizem e não fazem.
      Mt 23, 33: Serpentes, raça de víboras! como escapareis da condenação do inferno?
      Mt 23, 17: Insensatos e cegos! Pois qual é maior: o ouro, ou o templo, que santifica o ouro?

      Patrícia: Não consigo parar de ter sua última estrofe… Católicos como você me envergonham!!!! Católicos que vivem de fofocas, vivem de falar mal dos outros, tentando denegrir e difamar as pessoas (ASSIM COMO TENTOU FAZER CONOSCO NAS SUAS INSINUAÇÕES). Vergonha!

      QUESTÃO: Este discurso é difícil mesmo de entender: querem me dizer que está tudo bem que matem alguém que não se vê, e que não contribue diretamente para a sociedade, desde que dêem comidinha e emprego pros vivos. Errado! O certo é dizer sim à vida, e que se preservem a vida no início, durante e no fim da vida, pois não há como lutar pela vida se não se tem vida. Ser Católico é ser radical, afinal “o aborto é um crime nefando”. Prefiro me posicionar claramente. O “Politicamente Correto” não tem espaço quando se ataca a vida, principalmente daquele que não tem voz. Utilizo-me então do Apocalípse de São João (Ap. 3,16) “Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente. Quem dera fosses frio ou quente! Assim, porque és morno e nem és quente nem frio, estou a ponto de vomitar-te da minha boca.”

      • 12 de setembro de 2012 at 19:16

        Primeiro, excelente!!! Segundo, acho difícil que leiam tudo. Terceiro, impossível que rebatam ponto por ponto, como você fez com os argumentos deles. Quarto, merece um post mesmo… Parabéns!!! Por isso me orgulho de ser católico! Aqui não tem meia-boca, aqui não tem preguiçoso. Quer vir para o debate democrático? Tudo bem, mas traga argumentos. Xingamentos e beicinhos não contam.

  8. Patricia
    7 de setembro de 2012 at 02:46

    Então rejeitem a todos os candidatos a prefeitura, pois TODOS são a favor da legalização!!!

    • 7 de setembro de 2012 at 08:23

      Do aborto??? Não, não são não. Em contrapartida, o Freixo e o seu partido têm como norma de ação descriminalizar o aborto e o uso de drogas. Ele não dá.

      • Sérgio
        7 de setembro de 2012 at 20:27

        São sim, tá aqui uma amostra de quem apoia o atual prefeito e candidato Paes, Sérgio Cabral: http://fimdostempos.net/sergio-cabral-aborto.html e apoia em sua forma mais banal que é para sair de uma situação de adultério… Bem o estado é laico, e esse assunto deve mais do que ser debatido. É isso que Marcelo Freixo vem dizendo em sua campanha… fazer uma política com participação da sociedade … Tem milhares de temas em volta do aborto que deve ser discutido pela sociedade: a cidadania na concepção ou no nascimento, estupro, saúde pública… Acho que antes de atacarem um candidato que tem a chance de mudar a forma de governar para melhor, deveriam avaliar todos os outros candidatos. Também não é justo que políticos decidam sobre vidas antes de ter um amplo debate com a sociedade, e é isso que Freixo defende, uma sociedade participativa; diferente de outros candidatos que pregam a venda da cidade de forma a encher seus bolsos e assim matam muito mais, e deixam a sociedade muito mais propensa a optar pelo aborto do que Freixo. Sou católico e vou votar no Freixo, tenho certeza de que votarei bem, pois ele demonstra que irá mudar para melhor a história do Rio de Janeiro.

        • 9 de setembro de 2012 at 23:07

          Ah é, vale julgar o candidato pelo apoio que ele tem? Então me diga: como é pra você ver o Maluf de braços dados com o Lula??? Ou, quem sabe, que tal o Freixo receber apoio do Wagner Montes??

          Entenda o seguinte, Sérgio, Patrícia (http://humanitatis.net/?p=7134#comment-19748), ou sem lá quem você é: nenhum candidato a favor do aborto vai ter vida fácil aqui no blog. O Freixo é a favor da morte de bebês, como está provado no texto acima. Esse negócio de “debate” é papinho pra boi dormir e aqui não cola. E o motivo é simples: dignidade humana não se debate, se respeita. Não tem essa de “amplo debate” para matar inocente. Quem faz isso é fascista e comunista, como são os membros do partido dele.

          E esse negócio de se dizer católico para alcançar a simpatia do leitor, já tá manjado. Se você nem é capaz de dizer se é homem ou mulher, como pode exigir que acreditemos que é católico mesmo. Quem mente no pouco, mente no muito. Tá lembrado dessa referência, Sérgio (ou será Patrícia)??

  9. elcio quintanilha
    1 de setembro de 2012 at 19:32

    Só por ser favorável ao aborto nós católicos deveríamos rejeitá-lo nas urnas.

  10. Karina
    29 de agosto de 2012 at 10:33

    “Ele Respeita as convicções religiosas, porém defende que o poder público não pode assumir uma posição religosa para tratar de um assunto que diz respeito a toda uma população.”

    Religiosa? Vamos lá, artigo V da CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA (alguém ainda sabe o que é isso?)

    Art. 5º TODOS são iguais perante a lei, SEM DISTINÇÃO de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a INVIOLABILIDADE DO DIREITO À VIDA, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes.

    Art. 226. A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado.
    § 8º – O Estado assegurará a assistência à família na pessoa de cada um dos que a integram, criando mecanismos para coibir a violência no âmbito de suas relações.

    Art. 227. É DEVER da família, da sociedade e DO ESTADO ASSEGURAR À CRIANÇA, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, O DIREITO À VIDA, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.

  11. Tiago
    28 de agosto de 2012 at 18:00

    Antes de comentar, gostaria de deixar declarado que sou católico e contra o aborto. Porém o que ele defende não é o aborto como forma de remediar uma situação, como estupro por exemplo. O que ele defende é a descriminalização para que as mulheres que decidirem abortar pelo motivo que for, tenham amparo legal, e não precisem recorrer a açougues humanos.

    Ele Respeita as convicções religiosas, porém defende que o poder público não pode assumir uma posição religosa para tratar de um assunto que diz respeito a toda uma população. Repito… EU NÃO SOU A FAVOR DO ABORTO! Mas entendo o ponto de vista dele.

    Tenho certeza que esse não é o foco do programa dele e tenho mais certeza ainda, que quando ele mexer nisso, vai haver um profundo debate ouvindo todas as partes. Deu pra ver, pela justificativa da lei que ele não defende um aborto sem critérios “a la Bangú”. Estou certo de que ele vai colocar tudo na balança e ouvir todos. Não acho que ele esteja querendo ferir o direito à vida, e sim garantir o direito democrático de decidir o que fazer.

    “Mas, segundo a tua dureza e teu coração impenitente, entesouras ira para ti no dia da ira e da manifestação do juízo de Deus;
    O qual recompensará cada um segundo as suas obras”
    Romanos 2:5-6

    Cada um responderá, aqui na terra e perante a Deus pelos próprios atos. A mulher que se presta a arrumar um dinheiro que normalmente ela não tem, que põe em risco a própria vida para ir a um açougue e praticar um aborto, já está decidida. Com lei ou sem lei, ela vai fazer. Então, no fim das contas, não há diferença.

    São tantas coisas a serem colocadas na mesa sobre isso… Os médicos por exemplo… Vejo que os médicos também tem o direito de escolher se querem ou não realizar o aborto… Tá vendo… São muitos detalhes…

    • 28 de agosto de 2012 at 19:38

      Então, o que define o católico não é sua autoimagem, mas sua prática. Então, quem defende a morte de um bebê pode dizer o que quiser, mas católico não é. Afirmar-se cristão católico e vir defender o candidato não torna seu discurso mais confiável, caríssimo.
      O que o candidato defende é que o assassinato de um bebê no colo materno não seja crime, isto é, que a morte não seja criminalizada. É isso. Afirmar que as mulheres fazem aborto clandestino não justifica descriminalizar essa prática. Pois se a prática exige a descriminalização, também devemos descriminalizar a corrupção. Afinal, cometem-se atos de corrupção no Brasil (e como, sob a batuta do PT!!!). Logo, segundo sua lógica, o Freixo também deveria fazer um projeto de lei para descriminalizar essa prática, antes que algum político ladrão sofresse as consequências de sua ação. O mesmo com as drogas, com a escravidão, etc. Enfim, a disseminação de um mal não tem na sua descriminalização a sua solução, mas na seu combate. Combater o aborto é a solução, prisão para os médicos, enfermeiros e mães que matam essas crianças.

      Falando do Freixo, eu também sou religioso e NÃO ENTENDO O PONTO DE VISTA DELE. A população é quem decide esses assuntos e não uma minoria ideológica e perseguidora de cristãos. Aliás, a população brasileira é esmagadoramente CONTRA O ABORTO (87%). O retorno desse assunto pelos políticos comunistas não é uma vontade de deixar o povo decidir, mas a tentativa de IMPOR À POPULAÇÃO UMA POLÍTICA CONTRA A VIDA e favorável AO COMUNISMO.

      Há diferença, sim, entre matar um bebê e ir presa e matar um bebê e não ir presa. Assim como há diferença entre roubar e ir preso e roubar e não ir preso. Como disse, não é porque pessoas cometem crimes que se deve descriminalizar as práticas.

      NÃO AO FREIXO!!! NÃO AO COMUNISMO!!! NÃO AO ASSASSINATO DE INOCENTES!!!

      VIVA À VIDA DESDE A CONCEPÇÃO!!! VIVA AO AMOR INCONDICIONAL!!!

    • 28 de agosto de 2012 at 19:40

      Tiago, seu catolicismo está meia-boca. Aprenda a citar a Bíblia de modo correto. Alguém pode pensar que esse papo de “Católico tolerante com aborto” é só mais um fake, só mais uma estratégia para enganar desavisados.

      Aqui não, meu caro!

    • David Gravatá (estudante)
      28 de agosto de 2012 at 20:42

      Que bom Tiago, que somos contra o aborto. Somos contra o aborto e os abortistas por sermos a favor da vida. É sem sombra de dúvida uma verdadeira mostruosidade o ato abortivo, em especial para o feto a ser literalmente assassinado inocentemente sem qualquer tipo de culpa. É horrível qualquer que seja a forma, tanto clandestinamente como em postos de saúde pública ou particular, matar e causar efeitos (transtornos) psicológicos em quem estiver envolvido. Mas mesmo assim quem mas irá sofrer será aquele que nem sequer nasceu ainda. Se tiver estômago veja: https://grupodeoracaoagape.wordpress.com/tag/metodos-de-aborto/
      De qualquer forma, o aborto em qualquer situação é um problema grave de falta de ética (os que defendem o aborto já nasceram e estão vivos).
      Em caso de um estupro, não se pode penalisar as vítimas (a criança/feto/nacituro, é a que não tem culpa alguma do crime, e será a que vai pagar com a sua própria vida.
      Em caso de risco de saúde da gestante, onde se encontra a certeza de morte?
      E por aí vai.
      As vezes penso, se o pior lugar do mundo para uma criança poderá um dia ser o ventre de sua própria mãe, onde esta deveria protegê-la mais do que tudo. O verdadeiro amor de mãe daria a vida pelo seus filhos, acho eu.
      A problemática em nossa política está centrada na moralidade, nos interesses econômicos, e nas ideologias desvirtuadas de certos partidos políticos, que insistem em levantar uma bandeira de falsa liberdade humana para mulheres terem o direito sobre o seu próprio corpo, mas e a liberdade da criança??? A política anti-ética, seja lá de quem for, deve ser sim, rechaçada, desde seu início por qualquer que seja a favor da vida.
      Talvez seja este o nosso discurso, vivemos a nossa época.
      Que Deus nos proteja.

      • Karina
        29 de agosto de 2012 at 10:21

        Eu sou cristã e NÃO ENTENDO o ponto de vista do candidato em questão. Dinheiro suado meu NÃO PODE e NÃO DEVE ser aplicado para matar crianças, sejam filhas de quem for, sejam geradas do modo que for, sejam formadas da forma que forem.

  12. André
    28 de agosto de 2012 at 11:09

    Robson e aqui em Niterói para não anular o voto, quem seria uma opção realmente católica, para vereador e prefeito?

  13. David Gravatá (estudante)
    27 de agosto de 2012 at 21:25

    Vamos divulgar a verdade pelas midias sociais.

  14. Karina
    27 de agosto de 2012 at 10:33

    Olha, é aquela história. Ser contra o aborto não torna o cara automaticamente santo, há quem seja contra o aborto e a favor da legalização das drogas, ou seja corrupto.

    Porém que é a favor do aborto torna-se capaz de qualquer sordidez. Quem luta pela legalização do assassinato de inocentes acostuma-se a mentir a tal ponto que qualquer aberração torna-se algo normal. É para isso que os católicos, e cristãos em geral, temos que atentar!

    • Eunice
      4 de outubro de 2012 at 02:17

      Olha, temos que deixar essas questões de religiosidade pra lá. é um direito da mulher querer ou não ter um filho. Todo ato de proteção pode ser falho, e o que o mundo menos precisa é de mais gente. Naum sou Freixo, mas tem que ser permitido o aborto SIM, é minha escolha ter filho ou não. Livre arbítrio, amiga “católica”, livre arbítrio é a palavra de ordem. Igreja não domina política, igreja é a sua crença e tem que ficar fora dos objetivos daqueles que não são.

      • Cristina
        7 de outubro de 2012 at 12:01

        Eunice, você não tem o direito sobre a vida de ninguém a não ser a sua…o seu ” livre arbitrio” nao deve interferir no do outro, ou seja, você seria uma assassina caso praticasse o aborto. O feminismo levou a mulher atual a ser fria e calculista, pois prefere amar os seus ” ideais” e não se importar com o proximo, nem que seja de sua propria carne. Não é questao de religiao e sim de moralidade e amor. Seu motivo é futil e um tanto frio.

      • bia
        7 de outubro de 2012 at 14:05

        Concordo Eunice. Grande chucro aquele que acha que uma pessoa se torna ruim por defender o aborto. Falta educação e compreenção.

        • 8 de outubro de 2012 at 00:34

          Não, uma pessoa não se torna ruim por defender o aborto; se torna cúmplice de assassinato. E se católica, está excomungada, se sabia e desejou o aborto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *