Não é “cura gay”, é liberdade de escolha

De fato, não se trata apenas de 20 centavos. E mais: não se trata de baixar o preço das passagens! Trata-se do recrudescimento da agenda comunista, que quer patrulhar, achacar, limitar a opinião pública. Não aceitamos! Sim à liberdade!

O assunto é liberdade! Os jornais de hoje trazem um manchete tendenciosa em suas capas. Quem acompanha o assunto apenas pelo que diz a mídia oficial tende a tomar posição para o lado da ideologia que domina todos (sim, todos!) os editoriais dos grandes jornais nacionais. A capa de um jornal orientado ao povo, o Extra (RJ), traz a seguinte informação em sua manchete: Marco Feliciano aprova projeto para Cura Gay. Quem lê, tem a impressão que o Projeto de Lei foi inventado pelo parlamentar e que trata de uma ação compulsória contra a vontade expressa desses cidadãos, o que não é absolutamente o caso. Pois vamos ver!

Você sabia que se um cidadão, que sente atração por pessoas do mesmo sexo, mas está intimamente incomodado com esse sentimento, se ele desejar ajuda para conviver melhor com esse sentimento sem aceitá-lo como determinante em sua vida, esse cidadão não poderá buscar um psicólogo para ajudar-lhe? Perceba: não se trata de alguém que é achacado por qualquer indivíduo na rua, por qualquer doutrina filosófica, científica ou religiosa, ou que é forçado a tomar decisões contra sua própria vontade. Estamos falando de alguém insatisfeito com sua própria vida, seja por qual razão for! Se essa pessoa busca a ajuda de um profissional para ajudá-lo a ver viver melhor sem esses anseios, o profissional pode perder a licença para trabalhar no Brasil e ficar sem sua fonte de sustento, que tanto tempo e dinheiro demandou para conseguir. Essa decisão é francamente contra a Constituição Federal do Brasil, que garante o direito de cada um exercer a sua profissão e manter-se com ela. Contudo, o órgão representativo da classe tem usado uma determinação interna para atropelar a Carta Magna. Diga-me: quem pode achar essa decisão do Conselho Federal de Psicologia razoável?

O Projeto de Lei, aprovado pela Comissão de Direitos Humanos recentemente, apelidado maldosamente de Cura Gay pela mídia comprada, não trata a pessoa com tendências homossexuais como doente. Não se trata de cura! Pelo contrário, o PL trata-o como homem, isto é, como alguém que não é determinado por suas paixões ou educação, alguém que pode escolher se quer ou não quer conviver com tendências que não lhe agradam e lhe atrapalham a vida. O que querem os lobbys homossexuais é justamente fazer dos cidadãos massa de manobra, sem liberdade, como se a tendência homossexual fosse compulsória para certas pessoas. O homem é livre para tomar suas decisões, mesmo quando suas opções são evidentemente descabidas. Ao Estado importa apenas mediar a vida civil, fazendo com que os indivíduos respondam por suas escolhas, quando estas tratam de bens inalienáveis de outras pessoas.

 

O jornal tenta colar a ideia de preconceito ao PL, dizendo que as manifestações que assolam o país não tratam apenas de 20 centavos, mas de algo mais fundamental: na interpretação do jornal, o abuso de Marco Feliciano. De fato, não se trata apenas de 20 centavos. E mais: não se trata de baixar o preço das passagens! Trata-se do recrudescimento da agenda comunista, que quer patrulhar, achacar, limitar a opinião pública. Não aceitamos! Sim à liberdade! O Congresso não deve ser patrulhado por ONG’s ou partidos políticos, os quais não representam absolutamente os cidadãos. Menos ainda quando a base do patrulhamento são informações maquiadas ou mentirosas, como é o caso recente.

Os verdadeiros defensores do cidadão são aqueles que valorizam a liberdade. E um grupo de burocratas profissionais não tem legitimidade de decidir o que cada indivíduo pode ou não pode desejar no seu divã, diante de seu psicólogo.

16 comments for “Não é “cura gay”, é liberdade de escolha

  1. Amaro Helio
    27 de junho de 2013 at 10:34

    Não se trata de proibir, acho que é apenas atender de igual para igual.Concordo plenamente com Robson no seu comentário postado no dia 19 de junho de 2013.

  2. Luan
    19 de junho de 2013 at 22:50

    Que lixo cara.

    • 19 de junho de 2013 at 23:01

      Boa argumentação! Também acho que proibir um profissional de ajudar a alguém, insatisfeito consigo mesmo, a se sentir melhor é um absurdo, um abuso, enfim, um lixo.

      Inté!

      • André Mello
        20 de junho de 2013 at 21:58

        Concordo com o Luan, esse seu texto não passa de um lixo. Robson Oliveira, você tem um pensamento retrógrado e perigoso!
        Você só usa FALÁCIAS em seus textos. Não entendo porque você se encomoda tanto com quem as pessoas estão dormindo, se é gay ou hetero?? E mais, não sei porque você quer influenciar pessoas nesse seu sitezinho, para voltarem sua moral à idade da pedra.
        Cadê os argumentos, provas etc que comprovem que cura gay existe??? NÃO EXISTE CURA GAY NÃO É MESMO?
        A bancada evangélica é um lixo político, ainda bem que estão tendo protestos em todo o Brasil, que entre uma das reivindicações, é a saída de marco feliciano.
        Aproveite e já aprove meus outros comentários no tópico: “Globo e Neomalthusianismo”, já que os leitores deste site precisam ver todos os comentarios, não é mesmo? Ou você vai proclamar mais uma ditadura nesse seu mundinho?

        • 20 de junho de 2013 at 22:47

          1. Quem disse que o Luan quis dizer que o texto é um lixo? O senhor conhece o Luan? O texto dele não argumenta nada, só expressa uma insatisfação, que pode muito bem ser a nossa, contra o absurdo que é a limitação da liberdade do homossexual insatisfeito com suas emoções.

          2. Se tenho um pensamento retrógrado? Sim, tenho. Qual é o mal nisso? Se ele é perigoso? Não sei. O senhor tem medo de quem pensa diferente do senhor??? rsrsrs… Típico de quem gosta do pensamento único.

          3. E voltaram as letras maiúsculas… que medinho…

          4. Uai! Incomodo-me com injustiças. O senhor não? Eu hein…

          5. Meu sitezinho está aqui, quietinho. Começou com 60 visitas/mês; hoje está com 6000/mês. Gente educada, que tem opinião, professores, estudantes universitários, gente que pensa. É pouco, eu sei, mas a batalha vale a pena.

          6. A bancada evangélica é lixo político por que mesmo? Ah, por que você disse, né?

          7. Marco Feliciano foi posto lá por voto, só sairá de lá por voto. Se você não sabe, o nome disso é democracia!

          8. Comentários mal-educados e imorais são peremptoriamente descartados, como pode se ler na política de comentários, no site.

          Inté!

          6.

          • Larissa
            22 de junho de 2013 at 10:04

            ADOREI!!!!

  3. Herbert Burns
    19 de junho de 2013 at 14:09

    O lobby gay tenta influenciar até na política internacional brasileira, porque é da classificação internacional de doenças( Cód, F64) os TRANSTORNOS CAUSADOS PELA PREFERENCIA SEXUAL! O que há muito considerado doentio, independentemente de imoral.

  4. Poliana
    19 de junho de 2013 at 13:40

    Para mim depois disso só falta agora colocar HOMOSSEXUALISMO no DSM IV ou CID 10.4.
    A questão é pq um homossexual é levado a pedir ajuda ? pq ele acha q está doente, pq está fazendo algo errado, pq não é aceito pelos seus pares, pq sua mãe e pai dizem que ele deve gostar do sexo oposto pq a natureza ou Deus o fez assim…para isso, ele é capaz de passar por cima dos seus desejos.
    Nunca vi um heterossexual na clinica pedindo para deixar de gostar do sexo oposto. E pq o faria? ele está dentro da norma social, cultural e religiosa. Não se sente anormal.
    Para mim o Brasil está retrocedendo! Enquanto há um movimento mundial de deixar as pessoas viverem livremente o que desejam (não estou falando de opção, pq não se opta, marcando um X e sim de desejo no sentido freudiano), nós temos líderes políticos evangélicos que querem impedir a liberdade.e os direitos dos cidadãos homossexuais.

    • 19 de junho de 2013 at 14:29

      Discordamos, Poliana. Você é tolerante? Você consegue viver com essa discordância?

      Pois bem, de onde se segue, onde estão as provas, cadê os experimentos que demonstram que 100% dos indivíduos que pedem ajuda a psicólogos o fazem por razões externas? É impossível que alguém, por razões filosóficas, pretenda ser casto e não desejar relação com qualquer pessoa (como os monges budistas, por exemplo)? Ou é impossível que alguém, por razões científicas (já que até agora só há XX e XY), decida adequar suas emoções à biologia? Cadê os dados experimentais?

      Bem, você diz que um homossexual não pode buscar ajuda porque quer fazer a vontade dos pais. Tudo bem. Mas ele pode buscar ajuda para não fazer a vontade dos pais, não é? Qual o critério? Você diz que o homossexual não pode pedir ajuda por achar que está doente. Mas se o paciente acha que é alcoolatra, ele pode pedir ajuda? Qual é o critério? Você diz que o homossexual não pode definir suas ações por Deus ou natureza. Mas porque poderia definir por causa da mídia, do meio ou do politicamente correto? Qual, afinal, é o critério? Parece que é a fé homossexual!!!

      Nunca viu um heterossexual pedindo ajuda? E o fato de você nunca ter visto é prova do que mesmo?

      Não, novamente discordamos! Os religiosos não pretendem impedir a liberdade dos homossexuais. Antes, quer permitir que os insatisfeitos tenham ajuda. Sinceramente, não vejo razões para discordância, Poliana.

      Até mais!

      • Poliana
        19 de junho de 2013 at 21:59

        Robson, sou psicóloga, não atuo na área clinica mas posso te garantir que nenhum psicólogo eh proibido de acolher sofrimento, tratar doenças de quem quer q seja, o que ele não pode eh misturar crença ou filosofia pessoal com psicologia. Ou seja, não pode utilizar seu consultório para fazer coisas q não aprendeu na faculdade! Não tive e nem conheço nenhum colega q tenha tido alguma matéria q ensine a mudar a orientação sexual de alguém! Que coloque homossexualidade como algo a ser tratado. Mas não se preocupe, pois se o homossexual estiver se sentindo ansioso, depressivo ou tenha qq transtorno ele pode ir a um psicólogo e não será negado a ele esse direito e essa liberdade, assim como não eh negado a nós heterossexuais.

        • 19 de junho de 2013 at 22:32

          Desculpe, Poliana, mas não estou entendendo. Não é verdade que se um paciente manifestar ao profissional o desejo de ser ajudado a abandonar a prática homossexual, por livre vontade, o profissional que o ajudar pode perder sua habilitação profissional? Não é essa a orientação expressa do Conselho Federal de Psicologia? Ha processos Brasil afora contra profissionais que se condoeram de pacientes e desobedeceram essa determinação autocrática do Conselho, doutora. Estou enganado?

          • Poliana
            20 de junho de 2013 at 09:20

            Robson, não sou doutora, nunca fiz doutorado 🙂
            A resolução do CFP não proíbe o psicólogo de acolher o sofrimento de quem quer q seja. Não há nada que impeça o atendimento, nao se trata de negar a escuta psicológica a alguém que queira mudar a sua orientação sexual, mas sim, de não admitir ações em carater de tratamento ou utilizacao de terapias para reverter a homossexualidade . Nao ha linhas de estudo em Psicologia moderna e respeitada que o profissional possa se basear para reverter orientacao sexual. A homossexualidade nao eh uma perversao, doenca, disturbio ou transtorno para carecer de tratamento.
            Psicologos sao seres humanos como quaisquer outros, eles podem ser catolicos, espiritas, budistas, evangelicos. O que nao podem eh influenciar seu paciente em relacao a sua crenca dentro da clinica…ele pode exercer livremente FORA do seu espaco profissional e sem utilizar seu carimbo para isso, que ali’as, tem um numero e registro em conselho regional de psicologia.
            Existe muitos psicologos sem etica que prometem cura atraves de florais de bach, regressao a vidas passadas, atraves de meditacao tibetana etc. Se usam seu consultorio e carimbo para isso, estao errados e podem ser cassados.
            Nada disso eh Psicologia. E certamente quem promete reverter a sexualidade de alguem nao esta se apoiando em linhas da Psicologia aprendidas em faculdade ou pos graduacao reconhecida.
            Essa eh a ultima vez que escrevo aqui pq nenhum de nos aqui eh ingenuo e todos nos sabemos que essa nao eh uma questao de direitos humanos e sim de religiao.
            Mas fico muito tranquila pq sei q todas as faculdades de Psicologia serias tem aulas de etica e os 99% dos psicologos nao vao praticar na clinica tecnicas que estao alem da sua alcada como reverter a sexualidade de alguem.

            • 20 de junho de 2013 at 16:31

              Poliana, você é muito inteligente é foi um prazer conversar com você nesses posts. Tenho certeza que ambos ganhamos alguma coisa com isso.

              Bem, a resolução do CFP proíbe o psicólogo de prestar tratar o homossexual como doente, mas também de fazer com que o paciente procure mudar de orientação, caso queira. Entenda, Poliana. Não posso ser a favor, nem consigo compreender como algum democrata possa ser, que algum indivíduo adulto, com plenas funções mentais estabelecidas, peça ajuda por não conseguir ter uma vida normal e feliz, aos seus próprios olhos, e uma burguesia burocrata proibir que um psicólogo ajude o indivíduo. Olha, Poliana, basta uma busca simples no Google para ter nome e cpf de psicólogos que foram e estão sendo punidos pelo CFP baseados nessa resolução.

              E não se trata de cura, não. Eu e você concordamos nesse ponto. Não é cura, pois não é doença. Eu e você concordamos que o indivíduo é livre. Mas aqui, eu não sei porquê, começamos a discordar. Explico meu ponto de vista de novo: se o indivíduo é livre, por que não poderia pedir auxílio para livrar-se dessas tendências? Você diz que a irreversibilidade do caso impõe limites. Ora, o depende químico também está em uma situação irreversível, do ponto de vista biológico, mas algum psicólogo nega ajuda?

              Bem, você diz que está tranquila porque as aulas de ética das faculdades irão fazer com que os profissionais desprezem uma determinação legal. É isso mesmo? De qualquer forma, eu dou aula de ética e não estou nada tranquilo. Vejo professores de medicina e de direito, quase nunca profissionais de ética, dando aula do que não sabem, e dizendo que, sim, pode-se matar um bebê no seio materno; sim, pode-se criar uma vida humana para tornar outra mais agradável; sim, pode-se questionar princípios democráticos com ações anti-democráticas; sim, pode-se praticar crimes contra a lei, contanto que depois se mude a lei. Bem, eu estou preocupado. No seu lugar, Poliana, eu também ficaria.

              A questão, doutora, desculpe a mania, não é religiosa, não. Pois um homossexual pode querer mudar de vida não apenas por razões espirituais, mas também políticas. Não sei se sabe, mas para participar da Revolução Russa não era possível ser gay, pois Marx diterminou a homossexualidade como burguesa; ou pode-se querer livrar-se desses sentimentos em razão da ciência, que não reconhece cromossomicamente nada além de XX e XY na humanidade.

              Cara Poliana, é uma pena mesmo não querer voltar. Fico triste quando diz que não se trata de direitos humanos. Por que? Por que não é um direito alguém pedir ajuda quando não está satisfeito com sua sexualidade e ser atendido. Queria que respondesse a essa última pergunta (afinal, nas últimas você não me deu muita bola, né?): se e lícito ajudar a alguém, insatisfeito com sua heterossexualidade, a procurar sentir-se melhor, inclusive agindo contra suas emoções, por que o contrário é proibido?

              Até mais!

    • Herbert Burns
      19 de junho de 2013 at 15:41

      Ainda bem que voce pode escolher suas preferencias, pois eu lhe sugeriria a vaga deixada por Chico Anysio, seu texto está ótimo!

  5. Poliana
    19 de junho de 2013 at 13:02

    Falácia…estão passando por cima do conselho federal de Psicologia…e buscando votos de evangélicos!

    • 19 de junho de 2013 at 13:07

      Discordo, Poliana. Estão resgatando a Constituição Federal. E respeitando os interesses das pessoas e não das ONG’s. Afinal, quem vale mais: uma decisão burocrática de profissionais cheios de preconceitos e interesses ou a decisão de um indivíduo adulto, que quer ajuda?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *