Posso votar no PT? – Pe. Luiz Carlos Lodi

Comentário: O Pe. Luiz Carlos Lodi, defensor corajoso da vida no Brasil, faz um resumo sobre um dos assuntos mais importantes nas eleições, na ótica dos cristãos: é lícito moralmente dar seu voto aos candidatos – em qualquer nível – do PT? De modo claro, o Pe. Lodi demonstra a imoralidade da ação, deixando à consciência de cada cristão o dever de obedecer ou negar os princípios morais. Fica claro que o raciocínio vale para todos os partidos que têm as mesmas metas do PT: PSOL, PSTU, PCO et caterva.

Não se trata apenas da defesa da vida. Trata-se de elegermos representantes que não são minimamente formados em humanismo, minimamente capazes de perceber valores sutis e que, portanto, são uma ameaça não apenas aos bebês – o que já é muito -, mas também ameaçam a liberdade, as consciências, a República e a Democracia, afinal (links aqui, aqui, aqui, aqui e aqui). Essas ameaças não devem preocupara apenas os cristãos, mas todos os brasileiros.


Posso votar no PT?[1]

(uma questão moral)

 

1. Existe algum partido da Igreja Católica?

A Igreja, justamente por ser católica, isto é, universal, não pode estar confinada a um partido político. Ela “não se confunde de modo algum com a comunidade política”[2] e admite que os cidadãos tenham “opiniões legítimas, mas discordantes entre si, sobre a organização da realidade temporal”[3].


2. Então os fiéis católicos podem-se filiar a qualquer partido?

Não. Há partidos que abusam da pluralidade de opinião para defender atentados contra a lei moral, como o aborto e o casamento de pessoas do mesmo sexo. “Faz parte da missão da Igreja emitir juízo moral também sobre as realidades que dizem respeito à ordem política, quando o exijam os direitos fundamentais da pessoa ou a salvação das almas”[4].


3. O Partido dos Trabalhadores (PT) defende algum atentado contra a lei moral?

Sim. No 3º Congresso do PT, ocorrido entre agosto e setembro de 2007, foi aprovada a resolução “Por um Brasil de mulheres e homens livres e iguais”, que inclui a “defesa da autodeterminação das mulheres, da descriminalização do aborto e regulamentação do atendimento a todos os casos no serviço público[5].


4. Todo político filiado ao PT é obrigado a acatar essa resolução?

Sim. Para ser candidato pelo PT é obrigatória a assinatura do Compromisso Partidário do Candidato ou Candidata Petista, que “indicará que o candidato ou candidata está previamente de acordo com as normas e resoluções do Partido, em relação tanto à campanha como ao exercício do mandato” (Estatuto do PT, art. 140, §1º[6]).


5. Que ocorre se o político contrariar uma resolução do Partido como essa, que apoia o aborto?

Em tal caso, ele “será passível de punição, que poderá ir da simples advertência até o desligamento do Partido com renúncia obrigatória ao mandato” (Estatuto do PT, art. 140, §2º). Em 17 de setembro de 2009, dois deputados foram punidos pelo Diretório Nacional. O motivo alegado é que eles “infringiram a ética-partidária ao ‘militarem’ contra resolução do 3º Congresso Nacional do PT a respeito da descriminalização do aborto[7].


6. O PT agiu mal ao punir esses dois deputados?

Agiu mal, mas agiu coerentemente. Sendo um partido abortista, o PT é coerente ao não tolerar defensores da vida em seu meio. A mesma coerência devem ter os cristãos não votando no PT.


7. Mas eu conheço abortistas que pertencem a outros partidos, como o PSDB, o PMDB, o DEM…

Os políticos que pertencem a esses partidos podem ser abortistas por opção própria, mas não por obrigação partidária. Ao contrário, todo político filiado ao PT está comprometido com o aborto.


8. Talvez haja algum político que se tenha filiado ao PT sem prestar atenção ao compromisso pró-aborto que estava assinando…

Nesse caso, é dever do político pró-vida desfiliar-se do PT, após ter verificado o engano cometido.


9. Que falta comete um cristão que vota em um candidato de um partido abortista, como o PT?

Se o cristão vota no PT consciente de tudo quanto foi dito acima, comete pecado grave, porque coopera conscientemente com um pecado grave. O Catecismo da Igreja Católica ensina sobre a cooperação com o pecado de outra pessoa: “O pecado é um ato pessoal. Além disso, temos responsabilidade nos pecados cometidos por outros, quandoneles cooperamos: participando neles direta e voluntariamente; mandando, aconselhando, louvando ou aprovando esses pecados; não os revelando ou não os impedindo, quando a isso somos obrigados; protegendo os que fazem o mal”[8]. Ora, quem vota no PT, de fato aprova, ou seja, contribui com seu voto para que possa ser praticado o que constitui um pecado grave.

 

Em síntese:

Um cristão não pode apoiar com seu voto um candidato comprometido com o aborto:

– ou pela pertença a um partido que obriga o candidato a esse compromisso (é o caso do PT)

– ou por opção pessoal.

 


www.providaanapolis.org.br

Divulgue este documento. Instrua os eleitores cristãos.

 


[1] Extraído da edição n. 133 do boletim “Aborto. Faça alguma coisa pela vida”, do Pró-Vida de Anápolis, publicada em 12 de junho de 2010. Foram atualizadas as citações, de acordo com o novo Estatuto do PT, assim como os endereços da Internet.

 

[2] Concílio Vaticano II, Constituição Pastoral “Gaudium et Spes”, n. 76.
[3] Concílio Vaticano II, Constituição Pastoral “Gaudium et Spes”, n. 75.
[4] Catecismo da Igreja Católica, n. 2246, citando “Gaudium et Spes, n. 76.
[5] Resoluções do 3º Congresso do PT, p. 80. in: http://www.pt.org.br/arquivos/Resolucoesdo3oCongressoPT.pdf
[6] Estatuto do Partido dos Trabalhadores, Redação final aprovada pelo Diretório Nacional em 09/02/2012, in:http://www.pt.org.br/arquivos/ESTATUTO_PT_2012_-_VERSAO_FINAL.pdf
[7] DN suspende direitos partidários de Luiz Bassuma e Henrique Afonso, 17 set. 2009, in: http://pt.jusbrasil.com.br/politica/3686701/dn-suspende-direitos-partidarios-de-luiz-bassuma-e-henrique-afonso
[8] Catecismo da Igreja Católica, n. 1868.
-- 
Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz
Presidente do Pró-Vida de Anápolis
Telefax: 55+62+3321-0900
Caixa Postal 456
75024-970 Anápolis GO
http://www.providaanapolis.org.br
"Coração Imaculado de Maria, livrai-nos da maldição do aborto"

10 comments for “Posso votar no PT? – Pe. Luiz Carlos Lodi

  1. 1 de setembro de 2014 at 17:11

    Bem, Rodrigo, antes de tudo, quero lhe dizer que você é bem-vindo aqui. Muito diferente de outros sites e credos, que não recebem e não dão voz aos crentes, que quero dizer pagam impostos como todos os cidadãos e devem ter seus direitos respeitados como todos. De nossa parte, somos tolerantes. O ocidente nasceu e cresceu à sombra do cristianismo. Quer saber como seria o mundo sem o cristianismo? Dê uma olhada nas nações islâmicas.

    Quanto à sua crítica de que o tema do aborto é um certo reducionismo, discordamos plenamente. De nossa parte, e acho que você há de concordar conosco, o tema do aborto é um termômetro. Se matar um indefeso é algo possível e se inventa mil e uma desculpas psicológicas, sociológicas e legais para tornar um ato abjeto como esse algo palatável, que se fará com práticas muito menos graves, como roubos e corrupções. Sobre isso, escrevemos aqui e gostaria que você lesse mais sobre esses argumentos: http://humanitatis.net/blogs/nonnisete/infiel-no-muito

    De fato, e a década perdida do PT provou isso ao Brasil, quem é capaz de matar crianças no seio materno, é capaz de criar quadrilhas para atacar o erário público, é capaz de posar de herói depois de roubar dinheiro da merenda infantil, é capaz de simular indignação depois de matar inimigos políticos e sujar reputações.

    Quanto a dizer que a morte por aborto assemelha-se à morte por rubéola, e que os políticos que defendem a vida são maus gestores, é preciso dizer que é outra falácia. O Brasil continua tendo os piores índices de saúde no mundo, apesar de sofrer 12 anos com o governo petista. Isso quer dizer que, na prática, morre-se de rubéola tanto quanto antes, e ainda se pode matar por aborto, nos casos em que o PT conseguiu mudar a prática nos postos de saúde. Se puder, leia o seguinte texto: http://humanitatis.net/blogs/nonnisete/aborto-e-o-saneamento-basico

    Quanto a votar em partidos conservadores, para mim não há problema. Não sou preconceituoso. Estou cada vez mais à direita na política pois entendo que os candidatos de esquerda não me representam nem nos seus ideais, nem nas suas práticas, tão corruptas, tão escancaradamente desumanas, tão antidemocráticas como qualquer outras.

    Por isso, meu caro, não votamos de modo algum em partidos pró-aborto. Espero que tenha entendido a argumentação.

    Cordialmente.

  2. Rodrigo
    1 de setembro de 2014 at 09:48

    Bem, parei aqui por acaso e não sou católico, mas não vou entrar aqui no mérito da questão em si (também sou contra, mas minha fé é outra). Mas me preocupou a perspectiva de reduzir toda a eleição e o processo político a uma mera discussão sobre o aborto, que já é proibido em lei salvo dois casos (estupro e risco de vida para a mãe).

    Isso me preocupa porque é muito fácil para um político dizer que é contra o aborto, ainda mais sabendo do lobby que católicos fazem nesse campo. Mas isso não o torna um bom candidato. Ele simplesmente pode ignorar a questão, pois o status quo é a proibição geral. O cara enche a boca para dizer que é contra o aborto ou o “casamento” gay, que é “defensor da família” (como se dependesse de políticos fazer isso) e pronto. Ao passo que, pelo que o blog está sugerindo, toda uma agremiação, se menciona o favorecimento da liberação do aborto, deve ser execrada, não importam os quadros individuais ou as plataformas específicas. Como se todo candidato desses partidos fizessem do aborto uma prioridade, e qualquer pressão popular após a eleição não existisse.

    Na prática, em sendo assim, vamos todos votar em partidos conservadores por default. Como se um Estado mal gerenciado não matasse, sejam vidas como um todo ou os potenciais delas (condenando crianças a uma péssima educação, por exemplo). Em sendo assim, todo o processo político ficará refém de uma ou duas questões, sendo, ainda, que são controversas para grande parte da população.

    Desculpe, mas me parece que isso é uma simplificação rasteira. Seria mais sincero pedir votos para o PR’s e PSC’s da vida, cujos quadros mais notórios não são conhecidos como exemplos de probidade.

    Combater o aborto não passa só por lobby político. Também tem a ver com o combate às condições que fazem esse ato parecer atraente para tantas pessoas. E isso, lamento dizer, não se faz só com boicote generalizante a partidos de esquerda.

  3. 29 de setembro de 2012 at 17:54

    Cada dia que passa fico pasmo com essa coisa de Partido politico. Enfim como nao acredito em nenhum politico mais. Meu foto vai ser nulo. Pois nao vejo nenhuma melhor e quando se tem um representante do povo que tem projetos que realmente podem ajudar um pouco o povo ja sofrido, esses projetos caem na malha da burocracia. Que Deus nos ajude a fazer a escolha certa.

  4. Ph
    25 de setembro de 2012 at 00:24

    Vejamos o exemplo do Rio:

    É mais cristão votar em um político corrupto, aliados à organizações criminosas, que expulsa famílias de suas casas para construir grandes centros esportivos para as Olimpíadas, e que se alia a mais de 20 partidos e construtoras para governar, como é o Eduardo Paes; do que votar num candidato cuja fama seja por combater milícias, defender a educação e os direitos humanos como saneamento, saúde, e que não recebe dinheiro de grandes empresas porque não quer ficar com o rabo preso, como é o Marcelo Freixo, apenas porque este último, mesmo que seja contra o aborto, faz parte de um partido que defende este ato?

    A atitude política de um cristão se limita a analisar se um partido defende o aborto ou não? Ou será que um católico de verdade não tem que escolher um político que se norteie pelos princípios da ética, da justiça social e, principalmente, do amor, como nos ensina Jesus Cristo?

    • 25 de setembro de 2012 at 00:35

      Vejamos outro exemplo:

      1. Não é ético, não é justo socialmente e, principalmente, não é amor algum e não segue Jesus Cristo Nosso Senhor quem mata um bebê no colo materno. Sim, um cristão é sempre e totalmente contrário ao assassinato, ainda mais quando o objeto da ação criminosa é inocente.

      2. Outra coisa, que o Paes seja corrupto, isso é coisa sua. Poste aqui as provas de seus atos de corrupção. Nosso blog gostaria muito de dar em primeira mão essa notícia. Mas se as acusações forem apenas fumaça e maledicência, cale-se.

      3. Agora, que o Freixo seja esse poço de justiça, sou cético. Afinal, ele está perseguindo um candidato do PSOL com ficha limpa e nada faz contra um outro candidato do PSOL ficha suja – aliás, criminoso em liberdade condicional: http://humanitatis.net/?p=7360. Como é que ele pode ser todas essa candura eu não entendo, nem acredito.

      4. Aliás, na última chamada da televisão ele deixou ver por um segundo seu viés autocrático, ao ameaçar o legislativo estadual. Não pode ser esse anjo todo, né.

  5. Ricardo
    20 de setembro de 2012 at 20:17

    Sorry, não furtar (roubar) = setimo mandamento
    Oitavo mandamento = não levantar falso testemunho (algo bem frequente tambem entre os politicos)
    Obrigado

  6. Ricardo
    20 de setembro de 2012 at 20:14

    Muito bom artigo, que chama a atenção à defesa do quinto mandamento, não matar.
    Sinceramente me preocupo que por não votar em políticos abortistas votemos em políticos ladrões e pequemos gravemente contra o oitavo mandamento, não roubar.
    Eu vejo isso claramente nas eleições do Rio de Janeiro. Para não votar no PSOL (abortista) alguns estão optando pelo Eduardo Paes (ladrão) do PMDB.
    Sugiro então um artigo que fale sobre a gravidade do oitavo mandamento (muitas vezes esquecido) para equilibrar a decisão, ajudar os menos informados e favorecer a democracia.

  7. Bruno Monteiro
    20 de setembro de 2012 at 19:15

    O crescimento pessoal e a cidadania para ser exercida de forma plena e consciente passam por uma conscientização política que deve estar alinhada com a defesa da vida.
    Todos nós devemos nos comprometer e sermos firmes militantes da vida e sobretudo daquelas que não podem se defender.

    Excelente postagem!
    Abraços!

  8. Roberta Fernandes
    20 de setembro de 2012 at 15:37

    Por favor me enviem mais partidos que fazem parte desse esquema contra a vida. E por favor me tire uma duvida.
    Li em um blog informações contra o Gabriel Chalita, que ele estava a favor do aborto, do casamento homossexual. Que havia se unido com ministros e etc. Desejo saber se isso é verdade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *