Amar, verbo incondicional

Namoro, tempo de diálogo

Amor é incondicional

Gosto de conhecer sobre a vida de santos, pois eles nos aproximam de Deus, nos fazem perceber que podemos amar nosso Pai que está no céu mesmo tendo nossos defeitos, manias, erros, pecados. “Sede perfeitos como vosso Pai é perfeito”. Para que esse amor nasça e cresça em nosso coração, precisamos, como os santos, nos esforçar para sermos pessoas melhores, identificar nossos defeitos, fazer um bom exame de consciência a cada noite e pedir perdão, recomeçar a cada tropeço, a cada queda. Os santos foram homens e mulheres tão pecadores quanto nós, mas o que os diferenciou dos demais é que queriam amar realmente a Deus sobre todas as coisas, inclusive sobre nossa imperfeição humana.

Mas os santos não apenas nos ensinam o caminho da conversão. A vida de cada um traz também vários outros ensinamentos que são muito importantes na nossa caminhada de fé como cristãos. São Francisco, por exemplo, em sua famosa oração pede a Deus: “Ó Mestre, fazei que eu procure mais: consolar, que ser consolado;  compreender, que ser compreendido;  amar, que ser amado.  Pois é dando que se recebe,  perdoando que se é perdoado,  e é morrendo que se vive para a vida eterna!”. Sim, essa oração é a mais pura verdade, pois é se doando aos outros que mais crescemos, nos tornamos pessoas melhores. Porém, infelizmente, essa máxima não é verdadeira em todos os casos. E é aqui que reside o tema que gostaria de convidá-los a refletir.

Nossas mãos

Não é segredo que eu e meu marido decidimos nos aventurar pelos caminhos desconhecidos da adoção dos filhos (aqui e aqui). Mas o que ainda não havíamos compartilhado aqui no blog é que nossos tesouros divinos chegaram! No ano passado, fomos chamados em abril pela Vara da Infância e presenteados com dois filhos, irmãos, na época com 4 anos e 3 meses e 1 ano e 3 meses. Depois de todo o processo de visitas, recebemos a guarda provisória ao final de julho, presente do Papa Francisco em visita ao Rio pela JMJ. E desde então, já se foram 7 meses de descobertas mútuas diárias entre pais e filhos. Os desafios não são pequenos, mas a certeza de que esses pequenos são os filhos que Deus preparou com todo o Seu amor infinito para nós, essa também é grande e mora em nosso coração.

Amor de Deus.

Amor, essa é a palavra chave para persistirmos ao invés de desistirmos frente às dificuldades que encontramos na vida! Pois sem amor, nada vale a pena. Sem o amor que Deus nos ensina, que transcende qualquer pequenez humana, nenhum sacrifício, noite mal dormida, pirraças, nenhum obstáculo vale a pena ser superado, transposto. O amor que Deus deseja que tenhamos uns para com os outros é o amor incondicional, que não leva em consideração se merecemos ou não, não define seu peso e tamanho pelos nossos defeitos e qualidades, mas simplesmente ama sem restrições, e sem querer nada em troca. Ama e quer o bem do outro, mesmo que isso passe por renúncias, sacrifícios pelo outro, mesmo que passe pela cruz. E é esse amor que está sendo a chave para nossa caminhada como pai e mãe.

Nosso pequeno mais velho, mesmo com pouca idade, já sofreu muito em sua vida com maus tratos diversos. Isso de maneira nenhuma nos faz olhar para ele com “pena”, como “coitadinho”. Queremos educá-lo para a vida como nosso filho, sem nenhuma diferença de algum que tivesse nascido de “nossa barriga”. Mas precisamos ter algo sempre em mente: ele ainda não sabia o que é o amor. Logo no início, procuramos profissionais de psicologia e pedagogia para nos ajudar, nos orientar em como poderíamos lidar com as dificuldades que encontramos na educação dele, por conta da sua história, do seu jeito. E uma delas nos falou algo que nunca vou esquecer: “Falem para ele muito sobre o amor! Expliquem o que é o amor, com palavras simples, com gestos que ele entenda, caprichem nos carinhos, nos abraços, beijinhos. E principalmente: digam muito a ele que vocês o amam”. Isso foi tão importante para mim que criei o hábito de toda a noite, após cantar para eles e ninar o menor, antes de sair do quarto, chegava ao ouvido dele e dizia, mesmo que ele já estive dormindo: “eu te amo”. Na maioria das vezes ele apenas batia a cabeça, quando ainda estava acordado, ou me retribuía com um beijo. Porém, para minha surpresa, ontem, depois de eu beijá-lo e falar que o amava em seu ouvido, ele espontaneamente levantou a cabeça, me abraçou e disse, “eu também te amo, mamãe”. Fiquei tão surpresa que não tive muita reação, só o fiquei olhando se aconchegar para dormir.

Durante esses 7 meses de troca de ensinamentos, ele ainda não havia falado que nos amava assim, de forma espontânea, apenas quando um de nós perguntávamos ou falávamos para dizer para um ou outro que ele amava. Mas sozinho, ele ainda não sabia o que era isso, expressar seus sentimentos, seu afeto.

E é nesse ponto que retomo a oração de São Francisco. Para mim e Robson, foi dando amor aos nossos filhos que recebemos ainda mais. Porém, para que nossos pequenos pudessem dar amor a nós, nós precisamos ensiná-los o que é o amor e enchê-los desse divino sentimento, dessa generosa decisão. Eles precisaram receber muito amor primeiro, pois como iriam distribuir algo que lhes carecia, que era desconhecido? E Deus nos deu essa oportunidade de, ainda a cada dia, mostrar-lhes com palavras e principalmente com gestos o que é o amor.

De maneira nenhuma estamos perto de sermos santos. Ainda erramos muito, algumas vezes, por conta de nossas limitações, impaciências, nervosismo, por cairmos e nos afastarmos de Deus, não mostramos a eles o amor que Deus quer de nós. Mas, como não queremos sair do caminho, levantamos, pedimos perdão, e recomeçamos. E nossa alegria é ver que nosso Pai, em sua infinita misericórdia, mesmo com nossas fraquezas, fez maravilhas em nossa vida, na vida de nossos pequenos, na nossa família!

Luciana Hilario

8 comments for “Amar, verbo incondicional

  1. Gisele
    18 de Março de 2014 at 15:13

    Parabéns, Lú!
    Lindo texto! Fiquei realmente emocionada!
    Em pensar que somos exatamente assim aos olhos do nosso Pai… pequenos, cheios de limitações, mas Ele nos ama e quer nos ensinar a amar!
    Que a bênção de Deus permaneça com essa linda família!
    Beijo no coração: Gi

  2. Antonio
    13 de Março de 2014 at 15:36

    Eu e minha esposa Renata Darque também temos esta experiência maravilhosa , adotamos a Agatha a dois anos e meio ela agora tem quatro anos , e nos trás muita alegria a todos pois temos uma família grande , e não tenho palavras para descrever , o quão que tem sido grandioso podermos estar juntos com nosso filho biológico , Victor Hugo 14,Yasmim 23 e Agatha 4 anos , compartilhamos com parentes e amigos , e isto nos deixa extremamente felizes .

  3. Janine
    12 de Março de 2014 at 22:35

    Obrigada por partilhar conosco estas experiências e iluminar nossas trevas!

    Realmente nossa vida só tem sentido se escolhermos amar incondicionalmente , é desta maneira que nos aproximamos de Deus fonte de todo amor.

    Lindo testemunho! Parabéns pela linda família que construíram através desse sim que deram ao chamado de Deus!

  4. Maria Luiza
    12 de Março de 2014 at 20:56

    Meus sobrinhos,fiquei muto emocionada ao ler este depoimento que vcs deixaram neste meio de comunicação.Isto nos mostra o quão é grande o AMOR de DEUS transmitido através de vcs.É mto gratificante ler estas coisas,pois nos enriquece espiritualmente.Continuem firmes neste amor.Esta oração de S.Francisco nos leva a refletir sobre a nossa vida em relação a DEUS e ao próximo. Duda gostava mto de cantar esta música

  5. Priscila
    12 de Março de 2014 at 20:04

    É lindo ver um amor ser construído e ser capaz de superar tantas barreiras e limitações. Fico muito feliz com essa história da qual temos a graça de participar um pouquinho….e peço a Deus que continue dando forças para esse belo exemplo dessa linda família que temos tido a oportunidade de testemunhar. Com carinho,

  6. 12 de Março de 2014 at 17:45

    Dizem que o São João da Cruz dizia frequentemente o seguinte:

    “Onde não há amor,
    ponha você mesmo amor,
    e então lá haverá amor”

    Ainda não achei a fonte desse pensamento, mas me parece bastante provável.

    Deus os abençoe, família!

  7. Polyana Paiv
    12 de Março de 2014 at 17:16

    Lu
    Texto lindo.
    obrigada por compartilhar suas experiências através desse texto cheio de amor.

    Muitas alegrias na caminhada de vocês!
    Beijos da tia Poly

  8. Claudio
    12 de Março de 2014 at 16:53

    Amiga,
    Texto extremamente emocionante e cativante.
    Que o munde retorne ao verdadeiro amor.
    Parabéns, e conte conosco sempre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *