Amor apaixonante entre pais e filhos

Reprodução

Eu e meu marido temos 7 anos de casados e há 5 anos estamos tentando aumentar a família. Desde 2009, decidimos que, além de tentar o método natural, nós iríamos nos inscrever no Cadastro Nacional de Adoção para aumentar nossas chances de crescer a família. Desde então, o assunto Adoção começou a fazer parte da nossa vida, e os livros, textos e filmes sobre isso passaram a nos interessar bastante.

Como já contei em outro post (aqui), um dos lugares que mais encontramos apoio e informação sobre adoção foi o Quintal da Casa de Ana, associação de apoio à adoção de Niterói/RJ. Lá, conhecemos muitas famílias felizes e realizadas com a adoção, pais e filhos em sintonia e harmonia, pois descobriram a maravilha que é o amor filial/paternal, que não pede nada em troca e não é visível em aparências físicas, mas nas semelhanças da alma e dos valores transmitidos de pai para filho. Para minha surpresa, descobri em mim uma vontade ainda maior de ser mãe, ou melhor, uma vocação, uma missão. Mesmo ainda sem conhecer nossos futuros filhos e filhas, já me sinto “grávida” a espera deles, e já os amo de forma apaixonada, da mesma forma que muitas mães também amam os filhos que carregam no ventre.

Com toda essa atmosfera materno paternal, como disse, venho procurado ler livros e textos sobre paternidade e sobre adoção. O texto que reproduzo abaixo foi, até hoje, o mais lindo e verdadeiro que já li sobre adoção e o amor incondicional que esse ato envolve. Apesar de ainda não ser mãe, vi nesse texto a definição perfeita do que é o amor paternal adotivo de um pai para com seus filhos amados, que não têm seu DNA no sangue, mas possuem o mesmo “DNA da alma”. Dr. Sávio Bittencourt, promotor de justiça e fundador do Quintal da casa de Ana escreveu essa declaração de amor para sua filha Ana Laura, quando ela entrou na vida de sua família, trazendo muita luz e alegria. Com seu lado humano, ele soube externar em palavras o amor adotivo de muitos pais e mães, e que eu e meu marido compartilhamos. Parabéns, Dr. Sávio, pela sua sensibilidade e por nos ensinar tanto em como podemos viver a plenitude do amor de Deus nas nossas famílias. Vale a pena a leitura!


 

Por que eu te amo?
Sávio Bittencourt

Quando te vi, pequenina, enrolada em panos, não pensei em nada. Meu mundo ficou silente. Sem buzinas de automóveis, sem prazos de trabalhos a cumprir, sem aqueles pensamentos insistentes, invasores, que assolam a mente das pessoas. Nada. Minha vaidade, minhas economias, minha carreira, minha “qualquer outra coisa”, tudo se calou em silêncio arrebatador. Todas as pressões das coisas urgentes e importantes, as atitudes imperiosas, as conquistas sonhadas, nada me surgiu… foi como se tudo isso nunca tivesse existido.

Não havia nada ali naquele momento além de você, mulata, pequena, diante dos meus olhos, me provocando o maior silêncio que já ouvido por um mortal. Nosso primeiro abraço foi comprometedor: cerquei você com meus braços, erguendo-os com a intenção das muralhas protetoras de uma cidade medieval, te enlaçando por um instante de forma tão intensa que seria possível a qualquer laboratório identificar que nosso DNA era o mesmo. Se não o DNA do sangue, com certeza o DNA da alma. A qualquer um era possível ver que aquele homem com cara de português e aquela menina africana eram parte de um grande plano genial e generoso do Criador: eram pai e filha. É um afeto instantâneo e imenso, incomensurável, que faz e desfaz do nosso antigo ser.

Assim, calando minhas fraquezas e desfazendo a correria da vida, você me apareceu. Pronto. Como manter uma coerência com aqueles grandes objetivos profissionais? Como continuar obedecendo à lógica daquela ambição desmedida? Todos os compromissos e valores já construídos ruíram sob uma nova modalidade de sentimento, um sentimento renovador e carismático, que me arrebatou de forma acachapante. Eu não era mais a mesma pessoa de segundos atrás. Estava em paz e feliz.

Reprodução: Dr. Sávio Bittencourt e Bárbara Toledo com seus 5 filhos

Talvez as pessoas não entendam esse meu amor por você. Não se pode atribuir algo tão puro às práticas humanas, sempre matizadas pelos interesses mundanos. Nem mesmo às boas ações dos homens, bafejadas pelo altruísmo caridoso. Nada disso nos pertence. Aliás, nós dois sabemos que amor não se explica. Amor se sente. Não há caridade que justifique o amor, mas é o amor que a justifica. E aceito, por amor e caridade, tanto faz, as beijocas que você guarda para mim no fim do dia, como prêmio maior pelas lutas que empreendi.

Quisera eu, querida, que todas as pessoas pudessem saborear esse sentimento: amar alguém que não foi gerada por mim, que não me perpetua com traços físicos semelhantes, que não tem o “sangue do meu sangue”, e que permite que a jazida de afeto que trago em meu peito seja explorada e canalizada para um bem-querer. Sim, sentir amor por um filho adotivo me permite realizar algo maravilhoso: alguém que se torna fundamental em minha vida, com quem construo uma relação de amor no cotidiano, este ser especial que eu nunca teria tido a capacidade biológica de gerar!

Enfim é isto: eu jamais teria gerado você, meu anjo. Se dependesse da minha essência animal, limitada e finita, que vai virar pó, eu nunca teria me transformado eu seu pai. O que me habilitou para esta missão foi minha crença profunda e inabalável que o amor de Deus não tem limites e não se submete a tipologias, não se prende com amarras sociais ou raciais. É por isso que te amo, além, obviamente, destes olhos negros e amendoados, que me sorriem, um pouquinho antes de dormir.

(Declaração de Amor feita por Dr. Sávio para Ana Laura, primogênita de suas meninas, assim que ela chegou).

Luciana Hilario

6 comments for “Amor apaixonante entre pais e filhos

  1. Amaro Helio Costa dos Santos
    16 de abril de 2013 at 18:22

    As vezes no decorrer de nossas vidas, procuramos tirar nossas responsabilidades e colocá-las para os outros

    Quantos de nós já entregamos nossos filhos para que um professor se responsabilize pela educação dele?

    Quantos de nós deixamos a instrução religiosa para os outros cuidarem. Fraqueza, medo ou achar que não temos sabedorias?

    Quanto de nós deixamos de atender um chamado de Deus, por achar que não somos competentes e com esquecemos que o Pai nos capacita?

    Ninguém deve carregar o peso de quem deveria carregar, não temos que aceitar esse fato.

    Que Deus nos mostre através de sua palavra como devemos ser diante dos obstáculos da vida.

    Vamos fazer o que for necessário para desenvolver o nosso papel como pais, pois Deus deseja que todos os homens se levante corajosamente para fazer parte da vida de seus filhos, de sua família. Procure ganhar seus corações, protegendo e ensinando a palavra de Deus, dando exemplos e ajudando, enfim sendo testemunhas da profunda paz de Deus.

    Somos responsável perante o Altíssimo por tudo que fazemos aqui na terra. Nossos trabalho e divertimento não tem nenhum valor eterno, mas as almos de nossos entes queridos e de nosso irmãos tem e quando for preciso amar e ser mentor daqueles que precisam de um abraço de uma palavra de Deus que tenhamos coragem.

    Vamos aceitar com coragem essa responsabilidade de que Deus através de seu filho nos ensinou.

    É hora de levantar e responder o chamado que Deus nos fez.

    Que Deus nos de sabedoria e que nos conduza a vida eterna.

  2. Karina
    28 de junho de 2012 at 14:23

    Luciana, existe um site que eu não conseguirira acessar agora, pois é blog, que conta a história de um casal com 3 filhas adotivas. É uma família “diferente” pois uma tem Down, outra é autista e a terceira menina foi adotada já crescida.

    Deus abençoe a família de vocês!

  3. Polyana Paiva
    27 de junho de 2012 at 21:29

    Querida Lu,
    Tenho uma enorme admiração por você e tenho absoluta certeza que será uma mãe maravilhosa.
    O texto é muito bonito mesmo. Obrigada por compartilhar.
    Um beijo muito carinhoso para o casal.

  4. Priscila
    27 de junho de 2012 at 15:32

    Lindissimo, Lu! É muito bonito de ler e de saber que todos esses sentimentos são traduzidos na vida e na missao desse casal. Obrigada por partilhar esses textos conosco. 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *