Humildade, remédio para o orgulho

Diz o estatuto da criança e do adolescente que toda criança tem direito a ter uma família. Pra mim, a família – mãe, pai e filhos – é um grande presente de Deus para a humanidade. Mas existe um presente tão especial de Deus quanto a nossa família: é aquela que escolhemos, a família de amigos. E foi a partir de um encontro com essa nossa família de amigos que nasceu o desejo de compartilhar essas reflexões sobre orgulho e humildade, respectivamente doença e cura para nossas famílias.

Família do Futuro

Família do Futuro

Nosso grupo está lendo juntos um pequeno livro chamado “A paz na família”, que já foi tema de outro texto do blog (aqui). Hoje o tema foi sobre o orgulho e como suas diversas formas podem tirar esse riquíssimo bem que é a paz para uma família.

Não poderia eu explicar melhor do que o próprio autor porque o orgulho é o pior dos pecados que podemos cometer: Orgulho “é o desejo exorbitado de sobressair, de ficar por cima, de ser valorizado, acatado e estimado; é a ânsia de sentir-se superior aos outros, ou pelo menos nunca inferiorizado; é a incapacidade de aceitar qualquer coisa que fira o nosso amor-próprio ou rebaixe a nossa imagem. O orgulho cega. Essa supervalorização do nosso “eu” impede-nos de enxergar a verdade sobre os nossos defeitos e culpas, porque não suportamos que essa verdade nos situe abaixo do alto conceito que fazemos de nós mesmos ou nos coloque por baixo dos outros.”

O orgulho se manifesta nas pessoas de diferentes formas. Como não perceber que aquela pessoa que está sempre criticando se acha superior aos demais, só enxergando o lado negativo das situações e daqueles que o cercam? Quando essa crítica vem em forma de ironia, pode ser ainda mais desgastante para uma família. “Ironizar é quase sempre diminuir e humilhar o outro. Às vezes, é pisar em cima dele até deixá-lo esmagado no chão. Uma ironia bem aplicada é um dos golpes mais baixos que o nosso orgulho pode desferir nos outros.”

Esse orgulho desmedido cria pessoas que tem sempre razão de tudo, que são as “donas da verdade” e não aceitam ser contrariadas. Para isso, o autor nos tráz uma reflexão bastante profunda acerca do que queremos para nossa vida de cristãos:

“Às vezes, para ajudar algum obstinado discutidor a abaixar as armas, costumo dizer- lhe: “Você já pensou que ninguém vai para o Céu pelo fato de «ter tido razão» nas discussões? No dia do Juízo, ninguém vai perguntar-lhe se, na vida, você «teve razão». Pelo contrário, vão perguntar-lhe se soube compreender os outros, se soube perdoar, aparar arestas e espinhos no convívio e evitar conflitos por minúcias tolas”.”

Todos queremos ser felizes, queremos que nossas famílias tenham a tão desejada paz sempre oferecida por Cristo a nós. E para vencer o orgulho só existe um remédio: a virtude da humildade. Mas como muitas vezes é tão difícil viver essa humildade que renúncia a si mesmo, que não retruca a uma ofensa, que reza e pede a Deus por aquele te ironiza, te humilha, é grosseiro. Também em nossas reflexões concordamos que somente existe uma caminho para viver a humildade: a oração.

“A oração é um dom da graça e uma resposta decidida da nossa parte. Pressupõe sempre um esforço. Os grandes orantes da Antiga Aliança antes de Cristo, bem como a Mãe de Deus e os santos com Ele no-lo ensinam: a oração é um combate. Contra quem? Contra nós mesmos e contra as astúcias do Tentador que tudo faz para desviar o homem da oração e da união com o seu Deus. Reza-se como se vive, porque se vive como se reza. Se não se quiser agir habitualmente segundo o Espírito de Cristo, também não se pode orar habitualmente em seu nome. O «combate espiritual» da vida nova do cristão é inseparável do combate da oração.” (CIC 2725)

Então, se é a oração que irá combater esse orgulho que tira a paz de nossas famílias e nos ensina a viver com humildade, termino essa reflexão partilhando a Ladainha da Humildade, oração que aprendemos, em família:

“Ó Jesus, manso e humilde de coração, ouvi-me.
Do desejo de ser estimado, livrai-me, ó Jesus.
Do desejo de ser amado, livrai-me, ó Jesus.
Do desejo de ser conhecido, livrai-me, ó Jesus.
Do desejo de ser honrado, livrai-me, ó Jesus.
Do desejo de ser louvado, livrai-me, ó Jesus.
Do desejo de ser preferido, livrai-me, ó Jesus.
Do desejo de ser consultado, livrai-me, ó Jesus.
Do desejo de ser aprovado, livrai-me, ó Jesus.

Do receio de ser humilhado, livrai-me, ó Jesus.
Do receio de ser desprezado, livrai-me, ó Jesus.
Do receio de sofrer repulsas, livrai-me, ó Jesus.
Do receio de ser caluniado, livrai-me, ó Jesus.
Do receio de ser esquecido, livrai-me, ó Jesus.
Do receio de ser ridicularizado, livrai-me, ó Jesus.
Do receio de ser infamado, livrai-me, ó Jesus.
Do receio de ser objeto de suspeita, livrai-me, ó Jesus.

Que os outros sejam amados mais do que eu, Jesus, dai-me a graça de desejá-lo.
Que os outros sejam estimados mais do que eu, Jesus, dai-me a graça de desejá-lo.
Que os outros possam elevar-se na opinião do mundo, e que eu possa ser diminuido, Jesus, dai-me a graça de desejá-lo.
Que os outros possam ser escolhidos e eu posto de lado, Jesus, dai-me a graça de desejá-lo.
Que os outros possam ser louvados e eu desprezado, Jesus, dai-me a graça de desejá-lo.
Que os outros possam ser preferidos a mim em todas as coisas, Jesus, dai-me a graça de desejá-lo.
Que os outros possam ser mais santos do que eu, embora me torne o mais santo quanto me for possível, Jesus, dai-me a graça de desejá-lo.”
Amém.

Luciana Hilario

5 comments for “Humildade, remédio para o orgulho

  1. VÂNIA QUARESMA
    15 de junho de 2014 at 11:15

    Robson, rezo sempre a Deus que me faça instrumento de paz. Agora, aprendi mais uma: a humildade no pedir para que eu seja instrumento do Amor de Deus. Vou passar este texto ao meus alunos. Meu grande abraço.

    • 20 de junho de 2014 at 00:31

      Obrigado, Vânia, pelo carinho de sempre. Lembro apenas que a escritora desse texto maravilhoso foi uma amiga, a Luciana. Ela é quem merece tantos elogios, pois seu texto está realmente muito bom!

      Abraço!

  2. Romulo de Miranda Coelho
    13 de junho de 2014 at 20:51

    Caro Robson,
    Que maravilha e clarividência de texto. E a ladainha da humildade, que ensinamento!!!
    Que Deus abençoe a autora Luciana.
    Parabéns pelas escolhas dos temas abordados no site e que Deus o ilumine.
    Sds
    Romulo

  3. Santana
    8 de junho de 2014 at 22:21

    Muito bem sei que preciso muito de mudanças e essa oração é essencia,l já é um bom começo, meus parabéns professor esse artigo é muito importante pra mim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *