Um pouco sobre Método de Billings

A Igreja, como mãe, orienta seus filhos a respeitar a natureza e a finalidade do ato matrimonial. E lembra que ele possui dois aspectos inseparáveis: união e procriação. Assim, todo ato conjugal deve estar direcionado a ser unitivo e procriativo (cf. CIC, 2361 e 2370).

Significa com este ensinamento que a Igreja define que, a cada ato conjugal, os casais concebam novas vidas? Não, necessariamente. Os esposos podem, à luz dos ensinamentos cristãos, espaçar as gravidezes e planejar o momento adequado para gerar novas vidas, sempre tendo em conta a generosidade, a abertura à vida, os aspectos psicológicos, físicos e materiais. Trocando em miúdos: sabendo discernir de forma sincera a vontade de Deus nas suas escolhas.(Um diretor espiritual ajuda e muito!)

Bom, deixaremos para o Blog que leva o nome da carta papal sobre a regulação da natalidade – Humanae vitae – o aprofundamento teológico e moral sobre o tema, mas neste espaço de diálogo, queremos trazer um pouquinho de informação sobre um meio lícito de viver a paternidade de forma responsável, recorrendo aos períodos infecundos.

E como se realiza esse “controle”? Um casal de médicos na década de 60  se dedicou ao assunto e descobriu que a própria mulher tem nela um claro sinal da fecundidade e apresenta ‘sintomas’ de que está no período fértil. Tal descoberta deu origem a um método, reconhecido pela Organização Mundial da Saúde com 98%  de eficácia (quando feito corretamente), que leva o sobrenome do casal: Método Billings. Para reconhecer essas características, é claro, exige-se treino e bastante observação. Por isso, é recomendável que o casal de noivos conheçam o método o quanto antes e se dediquem ao seu estudo. A mulher em especial deve fazer anotações diárias de sua sensação vulvar, da sensibilidade e das transformações de seu muco cervical. Para tanto, há uma tabela que pode ser utilizada como base para as anotações e estamos a disponibilizando abaixo. O homem embora não participe diretamente nas observações tem papel fundamental ao lado da mulher, incentivando-a e ajudando a lembrar de não esquecer de fazer as anotações.

O legado deixado pelos Billings tem site próprio, em português:

Há também sites interessantes voltados para a formação no assunto como:

  • http://fertilidadeinteligente.blogspot.com/2012/08/aprender-o-metodo-de-ovulacao-billings.html
  • http://blog.cancaonova.com/sermulher/metodo-da-ovulacao-billings
  • http://www.billingsmethod.org/bom/lit/teach/index_pt.html

[iframe: width=”420″ height=”315″ src=”https://www.youtube.com/embed/oW34ENvXjQc” frameborder=”0″ allowfullscreen]

Confira no site (http://www.cenplafam.com/portal) as informações sobre o MOB no Brasil.

Estamos à disposição para tirar dúvidas sobre o assunto e trocar experiências!

Aguardamos seu comentário!


Segue cópia do arquivo para marcar o gráfico do Billings. Há espaço para marcar a variação da temperatura, do muco cervical.

Diagnóstico da ovulação

Priscila Fernandes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *