Cartas a Maria – jul/14 – Sobre a finalidade destas cartas – PREFÁCIO

Cartas-de-amor-para-mi-esposoDe um Pai
Av. Paternal, 33
201407-24

A sua amada
filha, Maria
Rua do Infante, 00

Cidadela da Família, 24 de julho de 2014.

Assunto: Sobre a finalidade destas cartas – PREFÁCIO

Minha querida e muito amada filha,

Alguns amigos próximos me questionaram se eu iria escrever algo sobre o seu nascimento, afinal és meu terceiro filho, ou melhor, minha princesa. Informei-os, que venho escrevendo cartas, que estão se transformando quem sabe em um livrinho, por hora intitulado “Cartas à Maria”.

Aguçada curiosidade surgiu, e fui logo impelido a relatar o conteúdo das cartas. Gostaria de partilhar com todos algumas reflexões destes meses de gestação, e publicá-las em mídia não impressa. Quem sabe poderíamos levar nossos amigos (católicos ou não) a refletirem um pouco conosco sobre alguns temas relevantes da vida, não é verdade?

Após uma semana de reflexão, e de seu nascimento, meu coração falou mais forte, e decidi partilhar a cada semana, na quinta-feira (dia em que nasceu), uma das cartas escritas no período gestacional, e no término destas, publicarei outras mensalmente até seu primeiro ano de idade.

Poderá um dia me perguntar a intencionalidade destas cartas. Adianto a resposta  (contudo quando quiser poderá me perguntar e ouvir-me respondendo em voz alta) que escrevo para apresentar a ti e seus irmãos quem sou, em que tipo de lar estão inseridos, e quais são os valores que adubam o nosso solo familiar. Procuramos semear boas semente, com efeito, os frutos que queremos que germinem não são imanentes.

A marca gravada na fronte de nossa casa é a cruz. Este símbolo nos leva a contemplar os dois eixos centrais e transcendentes da pregação da Boa Nova de Cristo. Jesus ao ser questionado pelos fariseus: “Mestre, qual é o maior mandamento da lei?”, respondeu com sabedoria divina: “Amarás o Senhor teu Deus de todo teu coração, de toda tua alma e de todo teu espírito. (…) e a teu próximo como a ti mesmo. Nesses dois mandamentos se resumem toda a lei e os profetas.

No símbolo cristão da cruz, nossos olhos se estendem do eixo vertical ao eixo horizontal, o primeiro nos suscita a amar a Deus, e o outro ao nosso próximo, e ambos não tem fim, tendem ao infinito. Não há cristão verdadeiro que não carregue e considere a realidade dos dois eixos, pois não há cruz sem ambos. Relacionar-se só com Deus esquecendo-se do próximo, ou com o próximo esquecendo-se de Deus, não é um relacionamento cristão. Em suma, sermos do mundo (e não mundanos) com os olhos fitos na meta (o céu).

Amada filha, estas cartas relatarão o caminho. Não se acomode, nunca! Cristão de verdade não vive morbidamente. O exercício de oferecermos sacrificialmente nossos afazeres familiares e seculares diários, minimizarão nossas faltas, e nos levarão a contemplar um dia face a face o Cristo. Não somos santos, tampouco errantes, somos peregrinos, fazemos parte da Igreja militantes, e por isso nosso caminho familiar será sempre pautado no Amor e na Verdade, sendo o Cristo nosso “Caminho, Verdade e Vida”, e é isto, ou melhor, o ensinamento Dele, que venho trazer-te nestas minhas cartas.

Até a próxima…

Sancte Michael Archangele, defende nos in prælio. Amen.

Cláudio Santos

1 comment for “Cartas a Maria – jul/14 – Sobre a finalidade destas cartas – PREFÁCIO

  1. 25 de julho de 2014 at 10:17

    Parabéns pelo belo texto, Claudio. Que sua família continue a crescer em santidade.

    Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *