Balão de Ensaio ou Tartaruga na Árvore?

Para além das excelentes notícias sobre o apoio ao Pe. Paulo Ricardo, há reflexões que merecem ser feitas

O dia de ontem, 08/03, reservou fatos importantes acerca da recente manifestação pública (veja no Fratres in unum), levada a cabo por sacerdotes do Regional Oeste II, contra o Pe. Paulo Ricardo. Os eventos de hoje podem iluminar um pouco das trevas que ainda pairam sobre o caso.

Reprodução: Católicos rezam aquele que pode mais, em favor do Pe. Paulo Ricardo

Durante a tarde, segundo as informações do Everth Queiroz, do Ecclesia Una, um grupo não desprezível de leigos dirigiu-se pacífica e ordeiramente para o Santuário Eucarístico Nossa Senhora do Bom Despacho, para prestar apoio ao Pe. Paulo Ricardo e garantir-lhe suas orações. Lá, cerca de 300 pessoas rezaram em favor do sacerdote, tendo consciência que essa luta não é nem contra o sangue, nem contra a carne. O inimigo é muito mais ardiloso e sutil que os homens, por isso é preciso pôr-se de joelhos para implorar a Graça de Deus neste episódio. A virtude da perseverança a Pe. Paulo e a da conversão a todos os seus perseguidores.

Além desse episódio, que já foi digno de nota, houve também o twitaço, às 19h, organizado pelo Cadú, do Dominus Vobiscum. A tag #padrepauloricado ficou em segundo lugar nos TT’s cariocas, em dia de comemoração mundial das mulheres. Parece pouco, mas a tag referida ficou acima das tag’s concernente ao assunto futebol. Fla, R10, Flamengo 1 x 0 Emelec, Ronaldinho Gaúcho, Negueba e Libertadores foram suplantadas pela tag de apoio ao padre Paulo Ricardo. E tudo disso em dia de jogo do Flamengo. Isso é realmente uma façanha digna de nota.

Tela do Twitter em que aparece a tag em 2o. lugar

Outra informação é que a Petição de Apoio ao Pe. Paulo Ricardo, que está na internet, ultrapassou a marca de 10 mil signatários. Essa marca expressiva demonstra que o sacerdote de Cuiabá encontra no povo católico brasileiro um carinho e confiança incomuns.

Apesar destas vitórias entre os católicos engajados, algo ainda não está bem. Para além das excelentes notícias sobre o apoio ao Pe. Paulo Ricardo, há reflexões que merecem ser feitasDesde a divulgação da carta de repúdio ao Pe. Paulo Ricardo, ainda não havia provas que convencessem acerca de sua representatividade perante o clero do Regional Oeste II. Entendam, parece que o redator da carta (ou redatores) tem um objetivo claro: lançar a desconfiança sobre o sacerdote de Cuiabá. Fica clara a intenção quando faz questão de enviar cópia ao site Fratres in unum, com a pretensa anuência do clero do Regional e do bispo local. Mas será que essa carta, assinada por 26 sacerdotes, tem representatividade sobre o clero do Regional?

Pois bem, a título de compreensão, fez-se a conta do impacto deste estupendo número de assinaturas, se todas elas fossem oriundas do clero de Cuiabá. Afinal, se o Pe. Paulo fosse assim tão nefasto, onde haveria de existir maior resistência a ele senão na sua arquidiocese, não é? Ora, todo o clero de Cuiabá conta com 80 sacerdotes, entre religiosos e seculares (supondo que todos os freis religiosos sejam também padres). Isto quer dizer que as 26 assinaturas de sacerdotes não chegam a representar 1/3 dos sacerdotes da Arquidiocese de Cuiabá! Dos sacerdotes desta Arquidiocese, 33 são religiosos. Então, as 26 assinaturas poderiam vir muito bem dos sacerdotes religiosos de Cuiabá, tradicionalmente mais próximos de questões políticas e sociais, objeto cotidiano das críticas do padre. Ainda assim, porém, as assinaturas da missiva não alcançariam a totalidade do clero tradicionalmente mais simpático a causas partidárias, que lá reside. E esses números insignificantes estão sob a perspectiva do clero da cidade do sacerdote cuiabano. Caso se aplique a mesma conta para todo o Regional Oeste II, que reúne mais 8 dioceses (incluindo a diocese de Lorena), o impacto das 26 assinaturas sobre todo o clero do Regional é irrisório. Não é verdade que, à luz desses números, a carta perde em representatividade, aumentando ainda mais a indignação e a suspeita de que o objetivo não era o bem do padre e da Igreja, mas um outro?

Ora, então se a carta não tem o peso da representatividade que pretende ter, por que lançá-la a público? Será um balão de ensaio para saber se o Pe. Paulo Ricardo cai sobre pressão? Se vem à tona deslizes que possam deixá-lo com as mãos amarradas e a boca amordaçada? Seria muito útil para alguns que isso acontece justamente no ano de renovação dos governos municipais. Ou será que é o fenômeno da tartaruga na árvore? Todos sabem que esses animais não sobem em árvore. Se eles forem encontrados lá, uma hipótese precisa ser averiguada: será que um bicho grande, muito maior, não a colocou lá em cima? Quem quer que tenha assinado e posto a público essa carta, não o faria se não soubesse que não iria cair da árvore.

Eis a lista dos padres da Arquidiocese de Cuiabá:

DIOCESANOS RESIDENTES
Pe. Agenor da Rocha
Pe. Aldo Bussso
Pe. Antenor Petini
Pe. Pe. Valmiro de Assis Cuiabano
Pe. Carlos Pellegrino
Pe. José Vicente Monteiro
Pe. Desidério Gallo
Pe. Edson Sestari
Pe. José Cobo
Pe. José Silva Moreira
Pe. Raimundo da Silveira Barbosa
Pe. Manoel
Pe. Damiano Raspo
Pe.  Roberto Mondino

SALESIANOS
Pe. Antonio Peninisi
Pe. Giulio Boffi
Pe. Umberto Angeloni
Pe. Osvaldo dos Santos
Pe. Umberto Pereira
Pe. Sebastião Paniago
Pe. Marcelo Fujimura
Pe. Roberto Alderete

FRANCISCANOS

Frei Moacyr Malaquias Junior – ofm
Frei Willian Lopes Rivero
Frei Jorge Vasconcelos dos Santos

JESUÍTAS
Pe. Celso Luiz
Pe. João Inácio
Pe. José de Moura
Pe. Pedro Canísio
Pe. Renato Roque
Pe. Hildo Rasch

CARLISTAS
Pe. Adilar Lodir
Pe. Giancarlo Rizzinelli

CAPUCHINHOS

Frei Alceu Boniatti
Frei. Ari Felippi
Frei Eliseu Menegat
Frei Faustino Paludo
Frei Severino Primieri
Frei Nédio Pértile

SALETINOS

Pe. Nilvo Moretto
Pe. Marcos Antonio

DEHONIANOS 

Pe. Ângelo José Adão
Pe. Ademir Vicente de Paula

PIME – PONTIFÍCIO INSTITUTO DE MISSÃO ESTRANGEIRAS

Pe. Paulo da Rocha Dias – um dos signatários da carta

ESTIGMATINOS

Pe. Helenes Oliveira de Lima
Pe. Jarbas

CAPELÃO MILITAR 13º BATALHÃO 

Pe. Marcos Antônio de Campos Silva

DIOCESANOS INCARDINADOS 

Pe. Adriano de Souza
Pe. Alex dos Reis
Pe. Alessandro dos Santos
Pe. Antonio Edseu
Pe. Deusdédit
Pe. Edimilto Mota
Pe. Elilzo Marques
Pe. Enivaldo Dias
Pe. Evandro Balena
Pe. Ernildo Batista Ramos
Pe. Fabio Silva de Oliveira
Pe. Felisberto Samuel
Pe. Félix Sebastião
Pe. George
Pe. Gerbson Alves
Pe. Izaias Bernardo
Pe. Jair Cardoso
Pe. José Pereira
Pe. Júlio Paulino
Pe. Kleberson Paes
Pe. Luison Sávio
Pe. Marcos Daniel
Pe. Marcos Roberto
Pe. Mauro Sérgio
Pe. Orivaldo Egídio
Pe. Overland Moraes
Pe. Paulo Ricardo de Azevedo
Pe. Paulo Sérgio
Pe. Reginaldo Souza
Pe. Rosimar José
Pe. Wagner Stephan

MISSIONÁRIOS DO SAGRADO CORAÇÃO 

Pe. Josef Gustaaf Hendrik Geeurickx
Pe. Gabriel Junior Agalido

CANÇÃO NOVA 

Pe. Bruno Pinto da Costa

 

10 comments for “Balão de Ensaio ou Tartaruga na Árvore?

  1. Júnior
    25 de março de 2012 at 03:47

    Amo a Igreja, amo a sua diversidade de carisma e serviço. Mas, acho que esse Padre Paulo Ricardo é um cara que só dividi e carrega ódio e politicagem dentro de si. Todos nós sabemos de quem ele está a serviço. Ao Padre Paulo Ricardo, pediria que ele se espelhasse mais em Jesus. Nem todo aquele que diz Senhor entrará noreino do céus, mas, sim aquele que faz a vontade de meu pai que está nos céus. Padre, busque ter um pouco mais deamorno seu coração!!

    • 26 de março de 2012 at 19:55

      Bem, Júnior, não acho que o Pe. Paulo só “divide”. Muito menos que carrega ódio dentro de si. Mas ensine-nos, Júnior, com sua larga sabedoria demonstrada nesse pequeno parágrafo: a quem ele está servindo mesmo? Ou essa pergunta é retórica e só tem o objetivo de lançar sombras sobre o caráter do Pe. Paulo?

  2. David Gravatá (estudante)
    13 de março de 2012 at 01:22

    A situação parece preucupante. Revela uma crise interna no clero católico em nossa nação. Li a carta de acusação com atenção, da mesma forma, a resposta da vítima publicada em seu blog. Não tomo posição, que a não seja da santa mãe Igreja, que Deus seja juiz dos fatos. Diante de tanta vaidade (?), tomo partido de Cristo.

  3. Natália Oliveira
    12 de março de 2012 at 00:27

    Sabe o que isso me lembra? “Nenhum profeta é bem recebido na sua pátria.
    Lucas”. Lc 4:24

  4. Guto Josman
    11 de março de 2012 at 16:56

    pessoal, prudência, antes de tomar partido a favor ou contra o pe.Paulo, analise melhor as denúncias, afinal 26 padres não estariam todos equivocados, ou estariam?

    • 11 de março de 2012 at 21:36

      E por que não estariam todos enganados, Guto? Aliás, e por que não estariam todos mentindo? Afinal, eles são 26 acusando; os outros – só na diocese dele – são 54 defendendo. Por que os 26 valem mais que os 54? Os fatos são os seguintes: as acusações são falsas. Quem conhece a obra intelectual do Pe. Paulo, que é de grande monta, sabe que ele não é contra o Vaticano II, não é contra a hierarquia, etc.

    • Cláudio
      27 de agosto de 2013 at 18:31

      Estariam, com certeza.

  5. David Gravatá (estudante)
    10 de março de 2012 at 21:42

    Uma palavra: Intrigante.

  6. LUIZ DA PENHA
    9 de março de 2012 at 10:38

    O apoio ao Pe. Paulo Ricardo deve ser incondicional, constante e vigilante,sob pena de conseguirem calá-lo, injustamente. Mas, acima de tudo, precisamos também não crucificarmos os 27 padres assinantes da carta, sob pena de tentarmos evitar um erro, cometendo outro. Combate-se o pecado e não o pecador! abraço fraterno!

    OBS: Não vi o nome do Pe. ELIAS ROBERTO, Salesiano, Pároco da São Gonçalo do Porto na lista.

    • 9 de março de 2012 at 16:55

      Oi, Luiz. A lista dos sacerdotes foi retirada do site da Arquidiocese, Luiz. O pe. Elias Roberto não aparece na lista como salesiano na arquidiocese.

      Quanto a ser injusto com os outros padres, não estamos sendo. Nenhuma acusação foi feita contra qualquer um deles. Só gostaríamos de saber quem foram os acusadores do Pe. Paulo.

      Abração!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *