Candidato Molon e a objeção de consciência: me engana que eu gosto

Reprodução

Alguns candidatos do PT no Rio de Janeiro, que se identificam para os eleitores como católicos, tem sofrido pressão de alguns cidadãos, talvez como jamais tenham sentido. Pode ser um julgamento precipitado, mas parece que há uma militância católica mais acirrada no estado, o que torna o processo eleitoral mais vibrante. Não são poucos os questionamentos que tais candidatos têm de responder ao eleitorado cada vez que solicitam os votos dos cidadãos.

O candidato Alessandro Molon, famoso no estado por ser uma liderança católica de respeito, sobre o qual não paira qualquer processo na justiça comum ou eleitoral, tem de responder cotidianamente a indagações pela sua permanência inconveniente em um partido que tem – como meta de governo – a implantação da morte do inocente no ventre materno. Sua carreira impecável, até aqui, não o livra destas perguntas chatas. Ultimamente, porém, ele tem saído com uma resposta indecente.

O candidato tem dito aos eleitores que há um documento interno no partido, que protege os parlamentares católicos eleitos desta norma explícita do partido. Disse o senhor Molon, a quem sinceramente respeito e por isso mesmo causa-me estranheza a sua ainda permanência no partido, que essa tal diretriz interna apela para a consciência do parlamentar, impedindo assim que o candidato eleito pelo voto católico perdesse o mandato por desobedecer às normas nacionais do partido comunista.

Ora, o candidato ofende o eleitor de muitos modos ao argumentar assim com seu eleitorado. No plano dos fatos, o PT já deixou claro que seu plano de transformar o país em um estado abortista não se detém diante das consciências dos católicos. No ano passado, o PT expulsou o deputado Bassuma (veja aqui) porque ele defendeu explícita e nacionalmente o direito à vida do nascituro. O TSE não concedeu ao deputado expulso qualquer garantia do mandato alcançado porque, como já se sabe e o Molon também, o mandato não é do eleito, mas da legenda. E isso leva a outro ponto: será que o candidato Molon acha que o eleitorado carioca é imbecil?? Será que ele acha que podemos engolir que uma norma ou diretriz interna, com validade apenas no estado, prevalecerá frente às diretrizes nacionais do partido, as quais, aliás, todo candidato tem de aceitar formalmente e, sob as quais está obrigado por lei eleitoral?? Se o candidato Molon não leu, importa repetir o que disse a dona Dilma Roussef sobre aborto e objeção de consciência:

Se houver conflito entre as legislações, quem tem de fazer essa solução, caso a caso, é a Justiça. A lei é clara e tem de ser cumprida a lei. Não é uma questão de foro íntimo. O Brasil precisa ter uma política de saúde pública“.

Alguém deve comunicar ao candidato Molon que o partido em que ele está, embora tenha um documento privado dizendo o contrário, publicamente não sustenta que a morte de um inocente é questão de foro íntimo. Antes, já avisa que terá políticas de assassínio, fantasiada de política de saúde. Por favor, não venha nos dizer que o partido respeitará as consciências, Molon.

Contudo, supondo que o candidato Molon fosse um novo Thomas More, ele deve saber que os votos alcançados por ele em cada eleição ajudam a elegê-lo, mas também leva ao congresso muitos outros (como, por exemplo, o Chico Alencar), os quais não possuem tanta firmeza na defesa da vida.

Tenho muito apreço pelo Deputado Molon. Acompanhado sua trajetória política, mas sinto-me ofendido com este tipo de argumentação, que faz pouco do eleitorado além de, principalmente, ser uma deslavada mentira. E como católico, ele não pode esquecer de quem é o Pai da Mentira! Se tão cedo ele começa a trilhar a senda que outros políticos cariocas seguiram, temo que não vejamos mais nada de diferente nele. E se o sal não salga mais…

Robson Oliveira

84 comments for “Candidato Molon e a objeção de consciência: me engana que eu gosto

  1. Gladyse
    2 de outubro de 2014 at 21:05

    Até já votei no Molon. Gostaria de votar novamente. Porém uma coisa me impede: ele é do PT !

  2. Gillian Freitas
    13 de janeiro de 2012 at 17:17

    Querido,

    Se o PT é tão democrático quanto dizem, porque não admitem a alternância de poder internamente? Funciona uma dança das cadeiras em que mesmo aqueles que já foram condenados por crimes eleitorais e comuns continuam a ocupar cargos nacionais. Por que insistiram (e conseguiram) enviar esse cavalo de Tróia (Dilma) para assegurar a total ausência de alternância de poder pelos próximos 8 anos, pelo menos? Por que as pessoas acreditam que os cristãos são tolos e não percebem essas falcatruas? Concordo com você e espero sinceramente que o Molon se saia com uma justificativa melhor, do contrário votar nele ficará fora de questão.

  3. MARIA
    13 de janeiro de 2011 at 08:40

    EM TODOS OS COMENTÁRIOS CONTRA O PT E SEUS POLÍTICOS,GRANDE DEFESA AO PSDB.A QUEM VCS SERVEM?FALAM REALMENTE PELA IGREJA CATÓLICA? FIQUEI NA DÚVIDA.

    • Robson Oliveira
      13 de janeiro de 2011 at 12:18

      Tem todo direito de ficar na dúvida. E não falamos pela Igreja Católica. Ela não se mete em política. Falamos pelos cidadãos independentes do país, que víamos no PSDB um possível rival do PT, nunca por dogmas políticos, como ocorre com os que ‘adoram’ a sigla do PT.

  4. wilson paladino
    26 de novembro de 2010 at 18:37

    concordo plenamente

  5. 27 de setembro de 2010 at 12:02

    Ontem na saída de minha paróquia, após a Missa, recebi um santinho dos candidatos Molon (1313) e Robson Leite (13013), e o cabo eleitoral me disse que podia confiar neles, pois eram “os candidatos da rádio catedral”. Até onde sei, o Sr Robson Leite apresenta um programa, mas não é o único apresentador desta rádio que está concorrendo, há outros, como o Dr Paulo Heráclito e o Sr. Carlos Dias, mas que não usam o nome da rádio. Custa-me crer que a rádio catedral tenha anuido com que seu nome seja utilizado desta forma, tenho a impressão que a equipe de campanha do candidato o esteja fazendo sem o conhecimento da rádio.

    Por isso, enviei e-mail para os candidatos em questão, através dos respectivos sites, e para a rádio catedral. Ficarei de olho, e se eu vir isso acontecer novamente, denunciarei ao TRE.

    Já é um abuso sem tamanho um candidato se dizer católico e concorrer pelo PT. O Sr Robson Leite tem em seu site o apoio do diretor do meu sindicato. O meu sindicato (sisejufe) é reduto de tudo o que é anti-católico… no jornalzinho deles sempre tem um texto do Boff esculachando o Papa, e eles publicaram uma charge ofensiva, pelo que eu troquei diversos emails com a diretoria, reclamando.

    Eu não entendo “católico petista” … será que essa gente não leu a Doutrina Social da Igreja e não viu que a DSI não tem absolutamente nada a ver com o projeto totalitário Gramsciano do PT ????

    • Robson Oliveira
      27 de setembro de 2010 at 13:25

      Oi Maitê.

      Não sabia que o Paulo Heráclito era candidato. A qual mandato concorre? Tem boas referências sobre ele?

  6. Diogo
    23 de setembro de 2010 at 04:44

    Só para ficar clara minha manifestação, formulo melhor duas frases:

    “tal pecado seria por omissão e não por ação (por ação direta o pecado bem maior)”.

    e

    “Agora uma pergunta final, se há tantos problemas na saúde e em outras áreas sociais, a legalização do aborto não pioraria a situação?!” (sim piora, pois muito do dinheiro que serviria para melhorar a vida e cuidar da saúde das pessoas, iria para os procedimentos de aborto pelo SUS, ou seja, o fato de haver pessoas necessitando de ajuda do estado para sobreviver condignamente (as pessoas do lixão, os bebês de 6 meses desnutridos, etc), é mais um motivo para ser contrário ao aborto, que consome recursos dos impostos para matar, enquanto outros poderiam receber esses recursos para não morrer.

    • Karina
      23 de setembro de 2010 at 10:03

      Objetivo, sóbrio, claro e excelente comentário.

  7. Elaine
    23 de setembro de 2010 at 01:09

    Olá Robson,

    faz tempo que saí do curso de teologia (na verdade nem terminei, a “heideggeriana”, como vc brincava, lembra?), mas tenho acompanhado a discussão por email e também aqui no blog.

    Confesso que não tenho muito o que dizer em relação ao aborto, ainda não formulei um juízo claro a respeito porque acho que o assunto requer mesmo muita atenção. Mas uma coisa me deixou curiosa nas críticas ao PT feitas aqui. Críticas que diziam respeito ao limite das liberdades individuais. Não lembro se você mesmo ou outro leitor do blog citou as estreitas relações do atual presidente com líderes como Chávez e Ahmadinejad (não sei se a grafia é exatamente essa!) e que mais um mandato petista culminaria numa possível “ditadura”.

    Eu, sinceramente, apesar de não simpatizar muito com nenhum dos dois lados na disputa pela presidência, não acredito que o PT instituiria uma ditadura por ter seguido uma ideologia comunista quando da sua fundação. A política apresentada nos últimos oito anos não parecem corroborar com tal juízo. E quanto ao relacionamento com o presidente do Irã, acho que é salutar o Lula não inferir a priori que ele seja um terrorista (como fazem os Estado Unidos, inclusive Obama). Bush fez isso com Saddam e os “frutos” disso estão aí até hoje.

    Se ele é terrorista pq condena uma mulher ao apedrejamento ou ao enforcamento? Acho que não. Acho que possui uma cultura diferente, que pode ser (e talvez seja mesmo) equivocada para a nossa cultura. Se brigamos tanto para defender a democracia e a liberdade, devemos “brigar” também pela tolerância. Não concordo com esses métodos do Ahmadinejad, mas acho que devemos ter em mente que o Ocidente não é o Senhor da verdade, devemos tentar respeitar o que é diferente de nós. Quem sabe através do diálogo e da razão possamos mostrar ao presidente do Irã que tais penas não são adequadas para quem quer que seja. Afinal, condenamos essa política do Ahmadinejad por conta da religião, mas não condenamos a pena de morte em alguns estados lá dos U.S.A…

    Abraço.

    • Leandro Lopes
      23 de setembro de 2010 at 11:18

      Olá Elaine

      Foi eu quem coloquei as abservações sobre o flerte de nossa política externa com governantes de posição duvidosas quanto à democracia e nossa religião.

      Só para esclarecer de onde chego à conclusões sobre tais governantes
      Fidel Castro (mais antigo ditador das Américas) – Dispensa apresentações. Perseguiu durante anos a Igreja em Cuba. Ditador no sentido strictu da palavra.
      Hugo Chavez (Mais novo ditador das Américas) – Vem perseguindo as liberdades individuais, populista, e também perseguidor de Bispos católicos. Vários crimes e atentados cometidos contra casas episcopais na Venezuela continuam sem investigação.
      Mahmoud Ahmadinejad (antisemita e defensor da coação atômica) – O governo do cara não reconhece Israel como Estado e diz explicitamente ser a favor da supressão do estado de Israel e que o Holocausto foi um embuste. Apóia o Hizbolah, conhecido grupo terrorista.
      Nicolas Sarkozy (xonófobo e aparentemente simpatizante da França de Vichy) – O cara está atacando a religião na França com a fúria de um César. Tentou proibir a população de usar qualquer símbolo religioso, conseguiu proibir a Burka, está expulsando os ciganos da França, endureceu a linha com o imigrantes… só falta deixar crescer o bigodinho ridículo, pois a altura do Coisa Ruim ele já tem.

      Acredito que a instituição da ditadura muitas vezes se dá pela via democrática, assim como foi na Venezuela e na Alemanha nazista, só para ficar nos exemplos mais conhecidos. Parece estranho, mas o “Panis et Circenses” costuma adormecer os sentidos da população.

      Muita gente realmente acredita que dando pão para a população não precisamos dar mais nada, nem liberdade. Aí começam os ataques à imprensa livre, as instituições democráticas e religiosas, e quando a população nota o cara já tá lá, emboletado no trono e cercado de milícias para defender o Estado. Confesso, esse é o meu medo. Tenho medo de virar uma Venezuela.

    • Robson Oliveira
      27 de setembro de 2010 at 13:16

      Oi Elaine! Claro que lembro de você. Peço desculpas, apenas, pela demora em respondê-la.

      Vou me deter apenas no caráter em que discordamos: se você tem dúvida acerca do caráter autoritário do governo petista, sugiro fortemente que leia a íntegra do Programa Nacional de Direitos Humanos 3 (PNDH-3), especialmente o tema da comunicação social. Lá está escrito, por exemplo, que o governo pode caçar concessões de empresas de telecomunicação caso elas violem os Direitos Humanos. A pergunta é: quais direitos?? Os que estão no PNDH-3. Dê uma olhadinha ou aguarde os próximos posts do Humanitatis. Em breve voltaremos ao assunto com a inauguração de outros blogs.

      Abração!

      Non Nise Te!!

      PS. E então, heideggereana, continua interessada no estudo de Santo Tomás??

  8. Diogo
    23 de setembro de 2010 at 01:04

    Prezados,

    Acompanhei a discussão no blog.

    Não sou do Rio e não conheço o candidato Molon.

    Mas há um problema nas objeções da “Flavinha”: ela em suma diz que o político que não cuida das pessoas e as deixam morrer cometem ato tão grave quanto os que apóiam o aborto.

    Mas isso não é verdadeiro: pois a omissão de um político, quanto a saúde por exemplo, pode se dar por motivos alheios a vontade dele: um impedimento legal, a falta de aprovação de um projeto, a falta de recursos públicos suficientes, a corrupção de outros políticos que não ele. Ou seja, há um sem número de atenuantes na culpa, e, além disso tal pecado seria por omissão e não por ação (que a princípio é pior). No final das contas, nenhum político conseguirá acabar totalmente com situações de miserabilidade que ocasionem a morte.

    Mais ainda, o político que defende a legalização do aborto gera um indiferentismo moral quanto ao tema em pessoas imaturas… isso significa, haveria um precedente cultural abonado pelo Estado em favor da prática nefasta do aborto, assim ele é pior que o corrupto, pois dificilmente o que corrompe tem a cara de pau de “lutar” pela legalização da corrupção.

    Agora uma pergunta final, se há tantos problemas na área da saúde, a legalização do aborto não pioraria a situação, pois com o SUS tendo de fazer abortos aos borbotões, não é mais dinheiro dos tributos que deixam de ir ao bebê de 6 meses que vc citou, para escoar ralo abaixo com o nascituro abortado?

  9. wilson Ramiro
    22 de setembro de 2010 at 10:28

    É fundamental que conheçamos a orientação da Igreja, e que fique claro, que podemos optar por ser católico ou não, mas sendo, precisamos conhecere seguir as leis da Igreja que são orientações deixdas pelo nosso fundador e Deus.

    Quem não conhece ou não segue a doutrina da igreja e se diz católico, embarcou no trem errado.

    É necessário que os católicos sejam alertados para exigir um posicionamento claro de qualquer político em quem pretenda votar.

    Em uma pesquisa, pequena encontrada no link abaixo (ultimosegundo), encontramos uma informação interessante, 68% preferem políticos sem religião.
    http://ultimosegundo.ig.com.br/eleicoes/perfil+do+eleitor+veja+o+que+o+brasileiro+quer+na+hora+de+votar/n1237771608084.html

    Mesmo que a informação não seja confiável, ou exata, temo que aceitar que nosso país, NÃO é mais de maioria católica, e isto não deve surpreender, quem puder leia “O Sal da Terra” do Cardeal Ratzinger, onde o Papa Bento XVI quando ainda cardeal afirmava que “em breve tempo a Igreja Católica seria uma igreja de minoria”.

    Isto não é ruim, tem que haver o tempo de separar o joio do trigo.

    Os ateus, gays, abortistas e outros sabem em quem votar e votam conscientes do que querem, os católicos votam em pessoas que são frontalmente contra a Igreja numa atitude absurda.

    Que os ateus votando em ateu seja correto e atingindo maioria, governem!
    Que crentes votando em crentes seja correto e atingindo maioria, governem!
    E que a decisão da maioria seja a final, ou teremos que aceitar o que uma minoria louca decida.

    Se a minoria louca vier a tornar-se maioria e ainda assim continuar louca, mudamos o conceito de loucura, afinal é a maioria.

    Os católicos, para quem este mundo é parte de uma caminhada muito maior, sabem de onde vem o verdadeiro poder.

  10. wilson Ramiro
    22 de setembro de 2010 at 10:05

    Caros
    Sou católico e acredito na doutrina da Igreja.

    Nenhum destes “políticos” receberão votos de católicos, quem de forma consciente votar nestes senhores, não é católico.

    Deveriamos esclarecer aos ctólicos q

  11. 21 de setembro de 2010 at 18:39

    Uma coisa levantada pelo Robson não foi rebatida pelos defensores do Molon… no atual sistema eleitoral, os votos do Molon não elegem só a ele, mas a outros do PT que podem defender idéias totalmente contra a moral…

    Se o Molon é tão bonzinho, porque não pode ser bonzinho em outro partido?

  12. Flavinha Gomes
    21 de setembro de 2010 at 13:28

    Não, Robson.
    Eu li os post sim.
    Nem estou desmerecendo o assunto.
    No entanto, já falei com você via mail que penso que este tema se tornou eleitoreiro. Vida é também discutir saneamento básico, por exemplo. Muitos bebês morrem no Brasil antes dos 6 meses de vida por falta de água tratada, principalmente no Nordeste, é coisa de mais de 50%. E nisso ninguém fala porque não dá voto. Esgoto a céu aberto é sinônimo de ratos, baratas, mosquitos. Isso é sinônimo de doenças e morte. Outro assunto que ninguém discute. A direita conservadora começou a atacar o PT por causa do PNDH e o lance “colou”, como se o PSDB não tivesse ninguém abortista. E tem, como nós já vimos.
    É disso que eu falo, mestre. Abração.

    • Robson Oliveira
      21 de setembro de 2010 at 13:52

      Alguém acha que a morte nos campos de extermínio alemães eram iguais às mortes dos dezenas de centenas de alemães que morriam de fome ou na guerra? Qual tipo de morte repugna mais à razão? Se vocês acham que é a mesma coisa, eu não entendo o porquê de tanto barulho contra os nazistas.

      • Robson Hilario
        21 de setembro de 2010 at 14:53

        Caro amigo,
        me ajude pois não tenho nem 1% do seu conhecimento filosófico! 🙂

        Certamente o que repugna mais à nossa limitada razão são os campos de extermínio mas a vida humana foi retirada nos três casos.

        Aos que cometem tal crime, pela nossa limitada razão – se não soubéssemos que a misericórdia de Deus é infinita, afirmaríamos que nunca verão a Deus face a face.

        Não isso? E se realmente isso ocorrer com tais pessoas, por acaso poderiam ser privadas da presença de Deus em níveis diferentes? Tenho certeza que não.

        Sendo assim, se Deus irá tratá-los de forma idêntica não devemos nós também repudiar tais pecados de forma idêntica?

        Embora nos repugne mais os campos de extermínio não podemos aceitar mais um crime do que o outro! Não podemos lutar contra um crime apenas e nos calar diante do outro!

        Temos que ser retos e buscar sempre a verdade! Por isso, devemos ser coerentes e analisar em nossos políticos todas as características que levem à situações de morte.

        Não é isso?

        Se for isso, quantos políticos sobram?

        • Flavinha Gomes
          22 de setembro de 2010 at 01:09

          Matar um feto e matar um bebê de 6 meses por falta de água potável é a mesma coisa. É como matar aos poucos uma pessoa de fome, ora. É crime sim, por omissão. Se a vida de um feto vale mais do que a de um velho, eu não entendo mais este mundo. Para mim, ambas são vidas, igualmente importantes.

      • Flavinha Gomes
        22 de setembro de 2010 at 01:06

        Assassinar um feto é mais criminoso que assassinar bebês de 6 meses, Robson?

        • Claudio
          22 de setembro de 2010 at 10:46

          Amiga Flavia,
          Não sei se é católica, mas se for te pergunto: Por que a Igreja pune com “latae sententiae” (excomunhão automática) aquele que comete ou contribui com o aborto (ver cód. can. nº 1398 ) e não aquele que estupra e mata a vítima, que permite mortes de crianças num trabalho escravo etc.? Porque pelo magistério o aborto é um crime abominável (veja nº 51 da GS nefandum crimen)… , se é católica, recomendo leituras do magistério (cartas encíclicas) que tratam do tema…
          Agora se não é católica, recomendo aprofundamento histórico, pois O Código de Hamurabi (1748-1729 a.C.) castiga o aborto, mesmo involuntário ou acidental (§ 209-214). A coletânea das Leis Assírias (séc. XIX-XVIII a.C.) prevê pena terrível para o aborto intencional: a empalação. Entre os persas o aborto era punido com a pena de morte. Entre os hebreus, o historiador Flávio Josefo relata que o aborto é punido com a morte (Hist. dos Ant. Jud. 1, IV, C. VIII), e mais depois de Cristo temos: No séc. XIII, na Inglaterra, todo aborto era punido com a morte. Mesmo rigor no tempo de Carlos V (1553). Na França a pena de morte reunia todos os cúmplices de um aborto. O rei Henrique II da França decretou a pena de morte para a mulher que abortasse. A mesma pena foi renovada por Henrique III (1580), Luís XIV (1701) e Luís XV (1731). O Código penal francês, 1791, determina que todos os cúmplices de aborto fossem flagelados e condenados a 20 anos de prisão. O Código penal francês de 1810 prevê a pena de morte para o aborto e o infanticídio. Depois, a pena de morte foi substituída pela prisão perpétua, além disso os médicos, farmacêuticos e cirurgiões erma condenados a trabalhos forçados.
          Logo, vemos que não só a Igreja, mas a humanidade historicamente, vê que há sim diferença…(http://www.providaanapolis.org.br/crimabo.htm)…
          Agora, antes de dizer que sou a favor da pena de morte, ou que sou favorável ao estuprador, sei lá mais o que… tomemos cuidado, não é isto que estou dizendo…

        • Robson Hilario
          22 de setembro de 2010 at 13:52

          Amiga Flavia,
          antes de iniciar a minha resposta peço, encarecidamente, que tente esquecer, por um breve momento, toda a sua angústia diante de tantos crimes, principalmente àqueles que são cometidos contra os inocentes, aos quais somos testemunhas todos os dias. Assim você estará mais receptiva ao que vou dizer.
          Acredito, dentro das minhas limitações filosóficas, que o que o nosso amigo Robson defende, e está certo, é que o feto não têm ninguém para defendê-lo, nem mesmo os pais, seus primeiros assassinos! E diante dessa realidade, devemos ser a voz desses pequeninos!
          Lembremos que uma criança está totalmente defendida pela lei e possui alguém para amá-las (nem que seja em um abrigo!). Já as crianças no ventre da mãe não são reconhecidas como ser humano por muitos e não têm direito a nada!!! Nem a lei os reconhece!
          Diante de tamanha injustiça e tamanho desamparo temos que lutar com todas as nossas forças pelo reconhecimento da dignidade humana em todas as suas etapas e, principalmente, em seu estado embrionário!
          É isso que o Robson vem dizendo e fazendo com muita fé e coragem!

          Fique com Deus!

          • Robson Oliveira
            22 de setembro de 2010 at 14:06

            Só uma correção, caro amigo: muita fé, mas sujo de medo… rsrsrsrs

        • Karina
          22 de setembro de 2010 at 16:40

          Alguém aqui disse isso?

          Apesar de que, um bebê de 6 meses tem, grosso modo, uma família que vai poder defendê-lo. Ele é “visto” e, como tal, as pessoas se mobilizarão para não permitir que mal algum lhe seja feito.

          O aborto é cruel pois não há ninguém, a não ser a própria mãe, que poderia defendê-lo.

          Complementando o que o Claúdio disse, em resumo, excomunga-se a pessoa que provoca/defende o aborto pois esse crime confunde a opinião pública, mesmo de católicos que se deixam levar pelas ideias reltivistas de “quando começa a vida”. Excomunga-se para tornar claro que é, sim, crime grave, hediondo!

          Já o estupro ou o assassinato de uma criança de 6 meses de nascido são crimes de notória rejeição, causam repulsa e revolta na população. A Igreja não precisa salientar sua gravidade.

    • Claudio
      21 de setembro de 2010 at 15:12

      Não entendo…
      em nenhum momento vi os que são contra o PT dizerem que são a favor do PSDB…
      ou que não temos que nos preocupar com outros problemas sociais…
      Jogar o papo de que crianças morrem por falta de saneamento também é fato, e em nenhum momento falou-se que não devemos atentar pra isso…
      mas tapar os olhos e usar este argumento para proteger políticos do partido que está no poder, partido este que prega a morte de inocentes descaradamente é vergonhoso…
      Acredito que os simpatizantes do PT estão entrando com suposições incertas e perigosas…
      No PSDB tem pessoas abortistas, logo não voto nelas, no PV tem pessoas abortistas ou não e o partido é, logo não voto neles, no PT tem pessoas abortistas ou não e o partido é, logo não voto neles, no PL tem, no PSC tem, no PSOL tem,no PMDB tem, no PTdoB tem, etc. todos tem (ou devem ter), mas isso não significa que a ideologia do partido seja. Cabe a todos, dentro daqueles que sobram, escolher os que oferecem melhores programas (ficar também só no sou contra o aborto, não o qualifica como um bom candidato, mas também não o desqualifica numa primeira análise).
      O PT disse claramente que É, e isto é fato, não olhar isto é dizer que não tem problema que o partido do poder (com presidente + maioria no Senado + maioria na câmara + maioria das prefeituras + maioria dos governos e pasmem maioria no STF, é isso sim, o Presidente nomeia, e depois o congresso aprova a nomeação ou não, mas como o PT se coligou com muitos, chutem…), por voto popular, implante políticas públicas a favor do aborto… é fato, já há políticas públicas a favor do aborto (se uma menor chegar num hospital público, falar que foi estuprada, sem B.O., pode exigir que o médico retire e “mate” a criança, isso é um absurdo!!!)…
      o STF vai contra??? O Molon vai contra isso publicamente??? outro do PT falou contra essas políticas???… só a Igreja e outros grupos espíritas e evangélicos, com seus movimentos a favor da vida, mas um pequeno punhado de parlamentares a favor da vida, lutam por essas vítimas indefesas… recomendo que leia o PNDH-3 e as diretrizes do 3º e 4º congresso do PT, e veja o que o PT está jogando goela abaixo da nossa nação!

      • Leandro Lopes
        21 de setembro de 2010 at 15:54

        Muito Bem Claudio.

        Temos que abrir os olhos para não engrossar as fileiras abortistas nas câmaras brasileiras. É só ver o que aconteceu na Espanha e no Uruguai.
        Na Espanha apesar da pressão popular os deputados aprovaram o aborto até a 22ª semana. As tendências esquerdistas conseguiram aprovar com o controle da maioria da câmara o projeto que estava engavetado desde 1985.
        No Uruguai, com um presidente Bispo licenciado, os deputados aprovaram a discriminalização do aborto. O presidente prometeu vetar a lei, mas os senadores já falam em solicitar um referendo para evitar a ação do Lugo.
        Não faltam exemplos. Se não abrirmos os olhos nos enfiarão essas decisões goela abaixo.

        • Gillian Freitas
          13 de janeiro de 2012 at 17:39

          O Lugo, amigo, é presidente do Paraguai. Só pra acertar o comentário.

      • Eduardo Araújo
        7 de março de 2012 at 21:03

        Bem, estou meio extemporâneo neste debate, mas quero dizer que endosso tudo o que o Robson, a Karina e o Cláudio escreveu.

        Lendo postagens como as da Flavinha Gomes, deparamo-nos com um dos estratagemas falaciosos mais empregados por quem defende o PT às vias, quase, de fanatismo. Trata-se do falso dilema, a falácio do “UM ou ZERO” ou “PRETO ou BRANCO”, que funciona exatamente como escrito nos comentários da Flavinha:

        – se você critica o PT é porque simpatiza com o PSDB;

        – se você condena o aborto, item inseparável da agenda petista, é porque não dá atenção aos problemas das crianças já nascidas.

        Ou seja, puros sofismas, amparados na ignorância ou na ardilosa insinuação de que não existem alternativas outras, tais como:

        – contestar TODOS os partidos, a partir de critérios baseados em valores cristãos católicos;

        – preocupar-se, sim, com os problemas sociais, não olvidando, porém, do problema considerável do assassinato de seres humanos indefesos, que nem ao menos puderam/poderão experimentar os tais problemas sociais, estudá-los, questioná-los e, quem sabe, revertê-los.

        Aliás, esse falso dilema, tão recorrente nas intervenções da Flavinha e de outros ardorosos defensores do PT pode ser expresso – no caso dos problemas sociais – em termos de “OU TUDO OU NADA”. Acontece assim: lemos a Flavinha reclamando do Robson que ele não denuncia a rede de corrupção na sáude do Rio de Janeiro, como se fosse preciso o Robson falar deste e de todos os outros assuntos para conseguir validar a sua crítica ao aborto, que – sempre vale repetir – é item indissociável da agenda do PT. Enquanto esse partido estiver no poder, ele e seus aliados, PCdoB especialmente, farão tudo e mais alguma coisa para aprovar o aborto, sempre e cada vez com menos restrições até – quem sabe – o infanticídio, já defendido a céu aberto.

  13. Leandro Lopes
    21 de setembro de 2010 at 09:37

    O papo está muito bom e produtivo.

    Acredito que as maiores confusões estão se dando por conta do título do post e a primeira constatação.
    Quando, ao questionarmos o posicionamento de TODOS OS CANDIDATOS CATÓLICOS que se encontram em partidos de ideologia duvidosa, citamos como exemplo o Molon isso levou as pessoas a identificarem a crítica como pessoal.

    Que fique claro: O problema não está nesse ou naquele candidato, mas no posicionamento dos partidos que ele representam em questões cruciais para a Igreja hodierna.
    Falo pela comunidade que eu participo. Quando as pessoas vêem candidatos católicos vinculados à estrelinha vermelha e ao número 13 muitos realmente acreditam que não existe problema nenhum nas posições defendidas por todos que estão lá. Acham mesmo que os bispos que metem o pau nas atrocidades já cometidas por esse governo são na verdade muuuuito exagerados, uns radicais.

    Meu medo não é Molon, Rodrigo Neves, Gabriel Chalita, etc. Mas a imagem deles vinculadas a Igreja e ao PT ao mesmo tempo. Afinal sabemos que muita gente simplifica como se A=B e B=C, então A=C. Aí estremos todos F.

    • Claudio
      21 de setembro de 2010 at 10:48

      Concordo com o Leandro, agora pergunto aos nossos amigos deste debate:
      – Quem vai votar na Dilma ou Lindberg?
      Bem eu não sei se os candidatos do PT votam em candidatos do PT, mas ver material de campanha vinculado ao partido, e aos candidatos à presidência (Dilma) e ao senado (Lindberg) presumisse que se não votam, pelo menos apóiam, se não apoiam contribuem (pois lembremos que votando em um candidato, fortalece-se também sua legenda)…
      É estranho isso, e mais estranho, foi o que falei anteriormente, queremos ver fatos concretos, porque a Bebel esteve ontem com o Márcio Pacheco (http://www.marciopacheco20010.com.br/20-razoes-para-votar/ ), e ele mostrou diversas ações contra o aborto, o mesmo ocorre com o Carlos Dias (http://www.senadorcarlosdias700.com/), o mesmo ocorre com Soraya Moreno, dentre outros…
      Sugiro que entrem nos sites dos candidatos do PT e vejam suas propostas, em fatos a favor da vida. Concordo plenamente que eles devem lutar pela educação, saúde, transporte, emprego, meio-ambiente… mas ser a favor da vida é um alicerce fundamental, indo contra a vida de nada vale os argumentos anteriores…
      Para relembrar o passado, sugiro que entrem no link: http://www.providafamilia.org.br/site/secoes_detalhes.php?sc=81&id=282 e vejam os votos de Lindberg (a favor do aborto e do casamento entre homossexuais), engraçado é que ele está se fazendo de mudo sobre estes assuntos, porque com certeza se lembra do que aconteceu com a Jandira no passado…
      Concluindo: candidatos do PT que se dizem católicos são incoerentes, se não são a favor dos temas e daqueles que vão contra à moral católica, que sejam coerentes, deixem o PT, e permitam os católicos que querem ser coerentes com sua fé, ter eles como prováveis merecedores dos nossos votos nas próximas eleições.

  14. Flavinha Gomes
    21 de setembro de 2010 at 01:04

    O PT não é o único partido a favor do aborto, Robson. O SUS nunca fez tanta cirurgia de curetagem quanto no governo FHC, quando o ministro da saúde era o Serra.
    E deixa o Molon onde ele está, ele pode fazer a diferença dentro do partido, numa discussão, levando o Evangelho aos demais.
    Ser contra ou a favor do aborto não pode ser o único critério para escolher um candidato. E a ética? Digamos que os candidatos que vou citar fossem declaradamente contra o aborto, você votaria no Jorge Babu, na Mãe do Funk, votaria no Natalino (da zona oeste), no Picciani, na Rita Cadilac, no Tiririca???
    Abração. Parabéns, foi muito bonito o seu pedido de desculpas, e… desacelera!!!!!!!!!!!!!!!!

    • Robson Oliveira
      21 de setembro de 2010 at 08:05

      Mas meu Deus! Flávia, na defesa do Molon (uma defesa, ao meu ver, impensada), você não estão sendo objetiva. E nem tem acompanhado a discussão. Concordo com tudo o que você diz e já escrevi isso, Flávia: aqui. Ser a favor ou contra o aborto não é o único critério. Por isso, na minha lista, não entra o Hugo Leal, por exemplo. Mas a defesa do inocente é, sim, o maior critério para escolher um candidato. De que adianta saúde e educação de qualidade para um ser humano morto? De que adianta moradia se o bebê está morto? Todos os direitos supõem o direito à vida. Mas a curioso que o discurso dos defensores do PT tentem relativizar esse bem indiscutível. Flavinha, não temo dizer o que direi agora: negar ou relativizar a vida é negar o próprio Cristo, que veio dar vida em abundância.
      E eu não estou acelerado. O tema é que é muito delicado e envolve a vida de outras pessoas. Não é pouca coisa.

      • Flavinha Gomes
        22 de setembro de 2010 at 01:14

        Quem está relativizando a vida é vc, Robson, que acha que a vida intrauterina é mais valiosa do que a vida das crianças do lixão, que vivem na miséria, que morrem por doenças que têm cura, ou a vida das pessoas que morrem na fila do hospital por falta de atendimento. E não tente me dizer ao contrário, porque se assim fosse, você denunciaria no seu blog a imensa rede de corrupção na Saúde no Estado do RJ.

        • Karina
          22 de setembro de 2010 at 16:25

          Liberando a morte no ventre melhoraremos a qualidade de vida de quem já nasceu?

          A questão do aborto é tão minimizada pelos “defensores dos pobres”, que não atentatam para o seguinte:

          * o governo libera o aborto para que “as mulheres pobres tenham condições de matar seus filhos com segurança”

          * algumas mães pobres teimam em ter filhos. Ora, você acha que o governo vai se preocupar em tratar dessa criança? Uai, se matar o filho é “decisão pessoal” e você foi doida de mantê-lo vivo, problema é teu. Se hoje já tem gente que defende que pobre bom é pobre morto, imagina quando o aborto for liberado???

          * outra mãe negou-se a usar do seu direito de matar o filho deficiente. Você acha que o governo vai se preocupar em cuidar da saúde da criança? Se a mãe tinha o “direito natural” de matá-lo, pra que o governo vai usar dinheiro público pra custear o tratamento de saúde de alguém tão indesejado??

          * É só ter um pouquinho de boa vontade que você vai ver que, como disse Zilda Arns, o aborto é um retrocesso à saúde pública. É o governo jogar nas mãos da família a vida de uma pessoa. E o governo se exime de qualquer culpa.

          * Nosso sistema de saúde tem condições de atender a demanda? Já há mortes demais bancadas com o dinheiro público.

          * No México, as ONG abortistas já estão querendo ampliar a definição de aborto. Elas brigam na justiça pela absolvição de mulheres que mataram/abandonaram à morte seus bebês recém-nascidos, alegando que ainda se tratava de aborto. http://darwinismo.wordpress.com/2010/09/19/aborcionistas-mexicanas-conseguem-a-libertacao-de-assassinas/ Aliás, já muda de nome “crime de paternidade”. É isso que você quer para o Brasil???

          * Amparo Medina, ex-abortista, disse: “nenhuma mulher sai de uma clínica de aborto com um diploma de faculdade, nenhuma delas sai com um bom marido a tiracolo, nenhuma sai com a carteira de trabalho assinada”.

          Em resumo, o aborto só coloca a população mais pobre cada vez mais à margem das políticas públicas. Seria como se o direito que o pobre tem é de matar seus filhos. Parafraseando Margareth Sanger: a coisa mais misericordiosa que uma mãe pode fazer por seus filhos é matá-los.

  15. Fabiano Gomes
    20 de setembro de 2010 at 23:13

    Em primeiro lugar, Robson, parabéns! O blog tá crescendo e, pelo visto, de repente, deu um salto incrível.

    Já disse em nossas discussões, mas acho q aqui não, então repito: meu critério principal para decidir meu voto é confiança. Entendo perfeitamente esse perigo em relação ao PT, mas, não sei se vc lembra que o PT deu uma atrasada nesse processo aí de aprovação de leis que favoreçam o aborto qdo o Papa esteve aqui no Brasil. É certo que o PT vai logo tratar desse assunto? Tem mais gente hj se declarando contra aborto, falo especialmente de políticos. Falar que defende o aborto ainda não é algo que garanta votos, no meu modo ver ainda existe uma grande resistência ao aborto e, se Deus quiser, essa história não vai acabar mal. Além do mais, parece que todos os candidatos à presidência (e aí vão os partidos juntos, queira ou não) mostram certa propensão ao aborto.

    Insisto com meu argumento, com o apoio da Flávia tb, que afirmar que o Molon está querendo nos ludibriar é algo perigoso, correndo o risco de cometer uma baita injustiça quem fizer tal afirmação.

    Na reunião que participei com o Molon que já tinha citado pra vc, o indaguei sobre a questão da liberdade de decidir de um candidato e a resposta foi essa que vc já citou. Mas ele disse mais: citando o Pe. Mário de França Miranda, disse que o laicato católico precisa amadurecer, se referindo ao fato de termos que ser críticos de verdade. Pô, ele ia falar isso e depois me tratar como idiota?
    E mais: falei que estava fazendo aquele questionamento em nome do nosso grupo de debate que mantemos do IFEE. Ele agradeceu de modo muito sincero à minha pergunta e qdo acabou de falar a todos, ele veio em minha direção e puxou assunto. A primeira coisa que ele disse foi: “que curso é esse que vc citou? Achei muito interessante”. Depois me recomendou fazer curso da Loyola no Rio, afirmando que eu gostaria muito. Ainda me indicou livro, falou da família e tb disse que já tinha pensado em ser padre. Fala sério: como eu vou olhar para uma pessoa dessas e dizer que é diferente de nós?

    • Robson Oliveira
      20 de setembro de 2010 at 23:24

      Fabiano, meu amigo. Antes de tudo, obrigado pelos elogios, todos sempre generosos. A coisa está tomando um rumo interessante, apesar de nada fazer para isso.

      Bem, quanto ao caráter do Molon, repito o que disse: nada tenho contra ele. Nada! O que não significa dizer que ele não esteja escorregando no que concerne a esse ponto específico. Os nomes que ele citou para você representam uma certa linha de teologia católica da qual não faltam suspeitas. O Centro Loyola é o mesmo que dá cursos por todo Rio dizendo que não há lei natural, que a escolha sexual é de cada um, segundo seus desejos. Tudo isso, sob a orientação de um sacerdote jesuíta.

      Amigo, quando ataquei a postura do Molon, quis atacar a postura do Molon, não a ele mesmo. Já dei provas (mais de 1) de que quando percebo alguma injustiça não economizo esforços para desfazê-la. Nesse caso concreto, meu amigo, o argumento é indefensável. Mantenho que afirmar um tal documento menor e esquecer os casos concretos de expulsam não é tratar o eleitorado com dignidade.

      E penso que, com isso, não ofendo ninguém. Ou ofendo?

  16. Flavinha Gomes
    20 de setembro de 2010 at 21:34

    Mais uma vez, meu caro mestre

    Acho que você está um pouco apaixonado. Tenha calma.
    Como aconteceu com a Heloisa Helena, para alguém ser expulso do PT, é preciso votar contra o partido sistematicamente.

    Mais uma vez, parabéns pelo blog.

    Beijo!

    • Robson Oliveira
      20 de setembro de 2010 at 21:47

      Retormo dizendo o que disse: E o Bassuma??? Flávia, contra fatos não há argumentos. Você não pode esquecer dessa premissa filosófica.

  17. Flavinha Gomes
    20 de setembro de 2010 at 21:25

    Robson, mestre querido

    Não é a cara do Molon achar que as pessoas são idiotas e tratá-las assim, aqui você pegou pesado. O PT NÃO vai expulsar ninguém por um voto contra. Eles tem uma política centralista. O Alessandro Molon já votou contra o PT e não foi expulso. Como eu lhe escrevi no mail, ele foi hostilizado pelo partido, coitado, nas últimas eleições municipais do Rio. Além disso, boa parte do PT é católica, sua fundação teve muitos integrantes católicos. Fico muito triste com a difamação de pessoas íntegras, como ele, uma vez que são poucas, especialmente, no cenário político.

    • Robson Oliveira
      20 de setembro de 2010 at 21:46

      Amiga, Flávia.

      Quanto a isso, já me desculpei, publicamente. Espero que o candidato tenha me perdoado pelas rudes palavras, ainda que, relendo e relendo, não as veja tão ásperas. Afinal, o argumento é risível. Ou você consegue ver fundamento nas palavras dele?

      Quanto ao Molon não ser expulso do PT, infelizmente tenho que discordar. O caso Bassuma, na Bahia, prova o contrário. Se tiver argumento que me garanta que ele não será expulso, por favor, me diga. No entanto, o problema é um tantinho maior. Os votos do Molon não elegem só o Molon. Elegem também outros candidatos do PT, nem sempre de acordo com o Evangelho e a Doutrina Social. Pergunto, amiga: é necessário ser assim?? Por que ele não muda de partido?????

  18. Maurício
    20 de setembro de 2010 at 21:23

    Não é mais possível um político se dizer católico e permanecer no PT.

    Como não é mais possível políticos do PT tentarem garimpar votos no meio católico.

    Esta ruptura vai se acentuar cada vez mais nas eleições futuras.

    Aborto é programa partidário do PT. Não se pode fechar os olhos para este faro gravíssimo.

  19. Robson Hilario
    20 de setembro de 2010 at 21:21

    Parabéns meu amigo e Xará! Precisamos de católicos corajosos e que transmitam a verdade que foi revelada por Nosso Senhor Jesus Cristo.

    Porém, quero registrar uma preocupação grande sobre essas eleições.

    Temos um partido, o PT, com uma política clara e pública contra a vida e temos um outro partido, o PSDB, com um programa político sem definição clara sobre tais pontos.

    Minha pergunta é: O que é mais perigoso?

    O primeiro partido fala e luta abertamente pelo aborto e, portanto, não devemos votar nele.

    O segundo deixa entender, dissimuladamente, no debate entre os candidatos a vice-presidente ontem, que lutará a favor da vida e que a proposta do PT de descriminalizar o aborto é um absurdo. Porém, não possuem compromissos públicos a favor da vida – uns dizem pelos outros, mas não assinam, e, ainda, sabemos que o candidato Serra, quando Ministro da Saúde, se declarou a favor do aborto.

    Um partido diz as claras e o outro é falso e mentiroso… em quem votar?

    Devemos rezar muito para que Deus nos ilumine nessas eleições!

    • Robson Oliveira
      20 de setembro de 2010 at 21:42

      Amigo, eu não sei a resposta a essa pergunta. Aliás, eu não sei muita coisa. E mais: meu esforço neste debate não é convencer ninguém a votar em qualquer candidato. Pretendo, apenas, mostrar o que há de inconveniente nessas aproximações entre projetos de partido e Reino de Deus; política e Evangelho.

      O que penso, como pensava Platão, é que não há regime de governo perfeito e, também, não há governo perfeito. A cada momento histórico o cidadão deve adequar-se e precisa trabalhar por uma cidade mais justa, por uma política mais cuidadosa. Xará, não tenho nenhuma esperança com o PSDB. Não sou romântico e não acho que há um partido ou um candidato impecável (no melhor sentido da palavra). O que penso, e acho que estou certo, por isso defendo, é que uma ameaça imediata é mais perigosa que uma ameaça possível. O PNDH3, como vimos, é um programa do PT, com aval do PT, com metas e normas do PT. Se o PSDB vencer as eleições, Deus queira, e quiser copiar esse tipo de programa, receberá as mesmas críticas deste blog, com a mesma veemência, com a mesma insatisfação com o governo. Prefiro matar um leão por dia: o leão da vez se chama Dilma, na minha humilde opinião.

      Agora, uma solução é rezarmos, rezarmos muito. Mas não só rezarmos: fazermos penitência pelo Brasil e pelos brasileiros. Em nome das crianças que irão morrer de aborto, caso a Dilma vença, podemos fazer uma penitência. Um doce a menos na sobremesa, uma hora a menos de televisão no dia, um cafezinho silenciosamente sem açúcar. Amigo, você tem razão e devemos espalhar: o único jeito de o bem vencer essa eleição é os cristãos vestirem-se de saco e cinza.

      Abração!

      • Robson Hilario
        20 de setembro de 2010 at 22:42

        Muito obrigado pela resposta! Não sabemos muita coisa mesmo e temos que buscar novos conhecimentos todos os dias.

        Contudo, em 1990 o leão da vez era o Lula e veja no que deu com o Collor!

        Rezemos e rezemos muito!

        • Robson Oliveira
          20 de setembro de 2010 at 23:14

          Amigo, com o Collor nenhum bebê morreu assassinado, com o dinheiro público. Eu não ponho no mesmo prato: um bebê e minha poupança.

          • Robson Hilario
            21 de setembro de 2010 at 11:31

            Eu também não meu amigo! Eu também não!

            Mas muitos morrem de fome devido a corrupção e a falta de uma distribuição de renda digna! Muitos perderam tudo o que tinham naquela ocasião do Collor e viveram uma crise sem precedência.

            Temos que lutar pela defesa da vida em qualquer etapa em que esteja! Lutar pelos menos favorecidos sejam eles nascituros ou não. Não podemos esquecer de ninguém.

            Muitos estão sendo exterminados nos seios maternos e tantos outros estão morrendo de fome e de sede! Os últimos devido a políticos falsos e incoerentes!

            Continuemos em oração!

            • Robson Oliveira
              21 de setembro de 2010 at 14:06

              Concordamos em tudo, Hilário. Mas se você for coerente, e eu sei que é, você deverá concluir que a defesa dos menos favorecidos deve distinguir, entre os menos favorecidos, aqueles que são os menores. A pergunta é: de todas as vítimas dessas políticas eleitoreiras, quais são as que mais sofrem? Concluo dizendo que os que mais sofrem são os mais desamparados. E quem é mais desamparado do que aquele que nem pode gritar??

      • MARIA
        13 de janeiro de 2011 at 08:26

        VC REALMENTE É UM CRISTÃO?MATAR UM LEÃO DE CADA VEZ,E NESSE CASO O LEÃO É A DILMA;BEM FORTE ESSA FRASE PARTINDO DE UM “CRISTÃO”.

        • Robson Oliveira
          13 de janeiro de 2011 at 08:29

          Sou cristão, graças a Deus. E não matei o leão que desejaria, infelizmente. Ela conseguiu ser eleita. Agora, eu rezo por ela, para que não cometa (muitas) injustiças.

  20. Herbert Burns
    20 de setembro de 2010 at 18:49

    Gente , falar assim do presidente Lula é uma tremenda covardia! porque voces não esperam até que ele fique sóbrio…, que o Molon fique consciente…, que a Dilma… que a Dilma … é…. que….
    falar deles na condição em que eles se encontram é muita covardia.
    Somente encontram solidariedade entre eles mesmos!!!!
    e esta solidariedade confunde-se com cumplicidade!
    Abraços!

  21. 20 de setembro de 2010 at 16:24

    Robson,

    Parabéns pelo ótimo artigo. Precisamos desmascarar esses “católicos” que existem no PT… O PT não aceita objeção de consciência alguma quando se trata da diretriz partidária de defesa institucional da legalização do aborto… será que tem gente que ainda acredita em histórias da carochinha, como essa de que um documento interno, privado e local prevaleceria sobre a diretriz partidária nacional?

    O PT puniu dois parlamentares pró-vida, porque não o faria com o Molon? http://noticias.cancaonova.com/noticia.php?id=274044

    • Robson Oliveira
      20 de setembro de 2010 at 16:30

      Oi Maitê! Bem-vinda!

      Não acho que eles creem na carochinha. Mas querem que acreditemos… eu creio no Senhor Jesus!

      Abração e volte sempre!

  22. Eber Valle
    20 de setembro de 2010 at 15:46

    Robson,
    Um dia você nos abrirá seu coração e nos contará o quê você tem contra Molon para escrever um artigo contra ele com essa fúria toda.
    Calma mestre, Jesus te ama!
    Abração,
    Eber

    • Robson Oliveira
      20 de setembro de 2010 at 16:16

      Oi Eber!

      Não sei se a gente se conhece. Acho que não. Pois se me conhecesse, saberia que não guardo nada no coração. Não tenho objetivos escusos nem algo que o valha. Só não me conformo com argumentos falsos ou parcialmente verdadeiros.

      Para provar que nada tenho contra o candidato, postei um pedido de desculpas que, com certeza, o senhor não viu.

      Abraço e vamos debater mais!

      • Eber Valle
        21 de setembro de 2010 at 11:57

        Caro Robson,
        Sou o “big friend” da sua aluna de Catecismo (Maria Tereza, sob a ótica dela, pela minha perspectiva, companheiro!). eu tenho acompanhando os artigos que você tem postado.
        Abração fraterno,
        Eber

        • Robson Oliveira
          21 de setembro de 2010 at 13:48

          De novo, seja bem-vindo, Eber. Mas é o curso é um tantinho mais que catecismo… rsrsrs

  23. Alberto Villar
    20 de setembro de 2010 at 14:47

    Parabéns pelo excelente e corajoso artigo.
    Há que se defender a vida, o primeiro dos Direitos Humanos.
    Lamentável e dispensáveis, outrossim, grosserias de quaisquer tipos. Além de deselegantes, pouco contribuem para a discussão séria de tão importante tema.

  24. bel
    20 de setembro de 2010 at 14:07

    Aos candiatos do PT que se julgam a favor da vida o desafio está lançado:

    Assinem o manifesto contra a legalização do aborto proposto pelo site: http://www.brasilsemaborto.com.br/

    SERÁ MESMO QUE HÁ CORAGEM PARA TANTO?

  25. Luciana
    20 de setembro de 2010 at 13:25

    Amigo Robson,
    o evangelho de hoje é muito apropriado à discussão. Mais uma vez parabéns pela coragem. Abraços.

    Lc:8,16-18
    “Ninguém acende uma lâmpada para escondê-la debaixo de uma vasilha ou colocá-la debaixo da cama; ela é posta no candelabro, a fim de que os que entram vejam a claridade. Ora, nada há de escondido que não venha a ser descoberto. Nada há de secreto que não venha a ser conhecido e se tornar público. Olhai, portanto, a maneira como ouvis! Pois a quem tem será dado, e a quem não tem, até aquilo que julga ter lhe será tirado!”

  26. Fabiano Gomes
    20 de setembro de 2010 at 13:08

    Bom, entendo as suspeitas, Robson, porém, acho que vc acaba colocando o Molon como alguém que age de má vontade. E eu acho que sua atitide tem sido coerente com o seu discurso pois, por exemplo, ele já foi contra a indicação do PT de votar no Picciani para presidente da Assembléia Legislativa. Portanto, ele pode sim acreditar naquilo que está dizendo.Ele deve sair do PT? Pode ser. Ele está agindo com maldade? Aí eu acho que já é outra coisa e que não temos dados para afirmar. Minha sincera opinião? Eu não acredito que ele esteja criando argumentos para ludibriar o eleitorado. Paz e bem!

    • Robson Oliveira
      20 de setembro de 2010 at 13:29

      Amigo estimado!!!

      Concordo com você quanto ao caráter do Molon. Embora eu não o conheça pessoalmente (a não ser de passagem), parece ser um homem coerente. Por isso mesmo, causa-me maior espanto a decisão de manter-se no partido. Decisão, a meu ver, equivocada.

      Abração e obrigado pela participação!

    • Leandro Lopes
      20 de setembro de 2010 at 13:41

      Na verdade eu acredito que todos esses candidatos católicos que estão em partidos que são abertamente contra a doutrina católica sofrem de uma mal: São imaturos.
      São imaturos politicamente, e estão em seus partidos pelo berço, pelas conveniências ou pela paixão de uma luta que não existe mais e se transformou em conformismo. Não se mexem com medo de perder o que conseguiram até agora.
      São imaturos religiosamente. São tíbios e não vêem problema em estar nesses partidos que dão de ombros para a doutrina cristã. São como os católicos de IBGE que acham que não precisam seguir tudo que fala o Papa, ou podem flexibilizar as questões morais por conveniência, ou gostam do que disse Jesus mas acham que a Igreja tem que se “modernizar”.

    • Claudio
      20 de setembro de 2010 at 14:15

      Pessoal, para ajudar a reflexão, como ilustração, cito três políticos do PT (católicos) que conhecemos:
      1) Marlos Costa (Vereador-SG):
      – Tem de início uma incoerência que não entendo: cria o Projeto de Lei n° /2009 que institui o dia do nascituro em SG (http://vereadormarlos.com.br/2010/02/pl-dia-do-nascituro), mas faz campanha aberta à Dilma (POR QUE VOTAR DILMA? http://vereadormarlos.com.br/).
      2) Rodrigo Neves (candidato):
      – tem no seu site 13 Propostas para um Rio mais justo , forte e cidadão (http://www.rodrigoneves.com.br/13_propostas.php), nenhuma menciona nem de perto aspectos diretamente ligados à vida e à família. No seu site não encontrei nada mencionando lutas em defesa do nascituro, da família, etc.
      – tem material de campanha (natural já que é do PT) vinculada à Dilma e Lindberg.
      3) Molon (candidato):
      – tem no seu site os 13 compromissos de campanha (http://www.molon1313.com.br/13-compromissos/) , nenhum deles atinge também diretamente os pontos polêmicos que ferem a moral católica.
      – Discute-se sobre sua coerência em não apoiar o Piciani (http://www.molon1313.com.br/wp-content/uploads/2010/09/pt-e-pmdb.jpg).
      – Pra mim são apenas brigas partidárias, o Piciani é PMDB, Molon PT, que apóia o Lindberg, que é favor do aborto, elevação à “casamento” as uniões homoafetivas, dentre outras.
      Vejam o que corre na rede em favor da Dilma e Lindberg: http://dilmanarede.com.br/lindberg-senador-131.
      Não contesto as raízes católicas dos candidatos, ou suas vidas dignas, o Rodrigo e o Molon têm até boas proposta, projetos que mereceriam atenção se não fosse o partido e coligação. Merece nossa atenção, que outros candidatos católicos mencionam claramente em sua campanha a defesa da família e do nascituro, que não são favoráveis ao aborto e ao “casamento homossexual”, por que os do PT não?

  27. Maurício Mendes
    20 de setembro de 2010 at 12:49

    É uma pilhéria a posição do PT no caso Bassuma. Se isso é democracia, imagine quando o PT resolver radicalizar. Quase sempre votava em candidatos do PT. Dilma já tinha perdido meu voto simplesmente por não comparecer no debate que ocorreu nas redes de comunicação católica consumando, para mim, a sua defesa em favor do aborto e sabe-se lá o que mais. Ela não tem firmeza em suas atitudes e lhe falta uma qualidade inerente a qualquer pessoa que deseja assumir responsabilidades de cunho político: caráter.

    • Robson Oliveira
      20 de setembro de 2010 at 12:53

      Amigo Maurício!

      Com certeza, vem mais por aí. Se puder, leia sobre o famigerado PNDH3!!! É o início do fim…

      Abração!

  28. Leandro Lopes
    20 de setembro de 2010 at 09:27

    Fala Robson.

    Muito Bom. Vamos incluir nessa um monte de outros candidatos que fazem campanha em berços católicos e estão nesse mesmo caminho.

    Nesse domingo foi numa feijoada na paróquia Santo Cristo dos Milagres o Ricardo Neves. Comunidade toda reunida, apareceu lá onde só vai em época de eleição.

    • Robson Hilario
      20 de setembro de 2010 at 21:04

      Leandro, meu amigo, como a maioria aqui, apoio totalmente as palavras do nosso amigo Robson e também sou da opinião que temos que tomar muito cuidado com o pensamento do PT e seu plano político para o Brasil.

      Contudo, temos que tomar cuidado com o que falamos dos candidatos. Não podemos levantar idéias falsas que denigram a imagem de qualquer pessoa. Se você estiver falando do candidato Rodrigo Neves (e não Ricardo), mais uma vez digo que não estou aqui para fazer propaganda de ninguém, mas temos que ser justos. Por mais que o Rodrigo não frequente a parôquia Santo Cristo, te informo, e acho que você já sabe, que os avôs do Rodrigo criaram seus 14 filhos na parôquia de Santo Cristo. Assim, o vinculo da família a essa comunidade vem de longa data.

  29. Priscila
    17 de setembro de 2010 at 13:24

    Robson,

    Apenas uma correção: Chico Alencar é do PSOL e não poderia entrar no Congresso em razão dos votos dados a Alessandro Molon, do PT. =0)
    No mais, excelente artigo…Aliás..parabéns pela coragem…
    Aproveito para sugerir que este texto seja enviado ao proprio Molon…
    E peço a BEL: envie ao Paulo Cunha…

    Abraços

    • Robson Oliveira
      17 de setembro de 2010 at 13:43

      Obrigado pelo aviso, amiga. Mas acho que isso não invalida o argumento.

      Abraço!

  30. Bel
    16 de setembro de 2010 at 13:52

    Parabéns, amigo Robson, pela clareza das palavras e sobretudo pela coragem.

    Infelizmente algumas pessoas de bem ainda se filiam ao PT, um partido quem une forças insistentemente a favor do aborto e outras atitudes contra a vida.

    É por uma CULTURA DA VIDA que estamos a lutar, e isto não é pouca coisa não.

    Estamos juntos nesta!!

    Se me permite a linguagem coloquial: Este blog está “bombando”, de tantos artigos bons!!!!

    Felizes os que podem desfrutar destas discussões.

    Um forte abraço.

  31. Tel
    16 de setembro de 2010 at 08:39

    “…impedindo assim que o candidato eleito pelo voto católico perdesse o mandato por desobedecer às normas nacionais do partido comunista.”

    Não entendi: “Partido comunista”?

    • Robson Oliveira
      16 de setembro de 2010 at 15:15

      Olá, Tel!

      Sim, o PT é um partido que se diz democrático, com apoio de bispos e padres, mas tem metas e orientações comunistas. Trata-se do controle do cidadão e do serviço de cada indivíduo ao Estado, limitando liberdades inclusive.

      Abração!

      • 20 de setembro de 2010 at 08:24

        Que viagem Robson!

        Controle do cidadão com limite das liberdades… Isto me parece a filosofia do PSDB. O PT é um partido democratico, querer associa-lo a uma ditadura ou cotrole é no mínimo cretino.

        • Robson Oliveira
          20 de setembro de 2010 at 11:07

          Bem, eu não conheço o senhor. Mas agradeço seu comentário, naquilo que posso agradecer. Afinal, o que dizer para alguém que não me conhece e já me chama de cretino???

          Quanto ao PT ser um partido democrático, apenas pergunto ao senhor: o que foi o caso Bassuma??? Caso não se lembre, por favor, leia aqui, ou aqui, ou aqui.

          Aguardo a sua intervenção, mas por favor, seja educado com os leitores.

          Atenciosamente,

          Robson Oliveira
          Non Nise Te!

        • Claudio
          20 de setembro de 2010 at 12:41

          PT partido democrático? Veja o que “nosso” presidente disse num comício em SC: “o DEM precisa ser extirpado…”, bem não sou simpático ao DEM, mas um presidente dizer num comício, algo do tipo de um partido legal, acho que não é um pensamento tão democrático assim, parece “autoritário”, não?. No mesmo comício, pedindo votos à Dilma olha o que disse: “Ela (Dilma) foi designada por Deus!”, realmente é uma santa, não? Se democracia é o candidato do poder usar da máquina pública para “comprar” (não gostaria de usar o termo, mas parece isso…) o voto, pela sua política assistencialista, que crava ainda mais o povo na pobreza, usar de visitas e viagens de líder de estado para fazer discursos favoráveis à preferida (Lula, PT e Dilma foram multados por propaganda eleitoral ilegal), enaltecer figuras políticas de viés totalmente ditatorial (Hugo Chavez, Fidel Castro, Mahmoud Ahmadinejad, etc), e o pior de tudo, assinar um decreto (nº 7037 PNDH-3) em 21 de dezembro de 2009 (dentro do recesso parlamentar, e perto das festas de fim de ano) que além de “inovar” no ordenamento jurídico, faz de um programa de partido um programa de governo (este decreto fere leis, incita a que se mate crianças, vai contra a liberdade de imprensa, eleva ao status de casamento relações que vão contra a família, que ameaça à sociedade privada, dentre outros… ), esta não é a Democracia que conheço, bem pode ser até uma nova democracia, sei lá, “Democracia Lulista”? (e não me chame de cretino ; )

          • Leandro Lopes
            20 de setembro de 2010 at 13:33

            O PT é tão democrático quanto seus parceiros de relações internacionais: Fidel Castro (mais antigo ditador das Américas), Hugo Chavez (Mais novo ditador das Américas), Mahmoud Ahmadinejad (antisemita e defensor da coação atômica) e Nicolas Sarkozy (xonófobo e aparentemente simpatizante da França de Vichy).
            Para entender a esquizofrenia fica até difícil. Pelo jeito a única condição é ser extremista (não importa se à direita ou à esquerda).

        • Robson Oliveira
          20 de setembro de 2010 at 13:33

          Faço minhas as palavras do Claudio.

          Esse governo pode não ser autoritário, mas já está namorando medidas autoritárias há algum tempo!

        • Thatiana
          20 de setembro de 2010 at 16:03

          Este é um momento decisivo para escolheremos os nossos representantes políticos no âmbito nacional. É valiosa toda a reflexão para fornecer critérios aos eleitores. E não é necessário para isso ofender ninguém. Devemos sim, manifestar a opinião baseado em fatos. Que imagino como o desejado numa democracia.

          Agradeço ao Robson por escrever sobre questões que nos angustiam e assim, esclarecer e possibilitar utilizar bem o voto – de forma democrática. Desta forma, aprendo, aumento meu poder de decisão e escolho melhor. A grande questão é: como candidatos que são tão bons permanecem neste partido??? Já votei no Molon. Infelizmente, pelo partido em se encontra (mesmo que acreditasse que a tal brecha exista) hoje não arrisco o meu voto.

          E sei que está é a posição de muitos.

          • Robson Oliveira
            20 de setembro de 2010 at 16:17

            Muito me honra a sua intervenção, senhora.

            Deus a abençoe!

            • MARIA
              13 de janeiro de 2011 at 08:12

              SINTO MUITO PELA FALTA DE INFORMAÇÃO,HOJE O PT ,QUE VCS JULGAM E CONDENAM, SEM CONHECER DE FATO, É O ÚNICO PARTIDO QUE SE PREOCUPOU POR TODOS ,QUE DEU VOZ AOS NEGRO E CARENTES .MAS ,NÃO OUVIU AQUELES QUE SÓ ENXERGAM O PRÓPRIO UMBIGO,FALAM EM NOME DE DEUS, SEM VIVER PLENAMENTE AS LEIS DE DEUS.

              • Robson Oliveira
                13 de janeiro de 2011 at 08:27

                Bem, eu não julgaria como você. Eu não sei se todos que falam em nome de Deus não vivem suas leis. Agora, que o PT se preocupa com todos, isso é falso!!! O PT não cuida dos homens e mulheres que estão no seio materno. Basta ler o § 13 do Estatudo do PT e verá que lá há a diretriz de tornar o aborto (portanto, o assassinato de homens e mulheres, brancos e pretos, ricos e pobres) uma prática comum.

  32. Márcia Denise
    15 de setembro de 2010 at 21:08

    Prof. Robson

    Hoje na rádio catedral no programa Vox Dei,o Paulo Cunha entrevistou um politico do PT de São Gonçalo ( infelizmente não consegui ouvir o nome do politico) com esse mesmo discurso. Citou esse mesmo documento que tem dentro do Partido. E que o Católico não precisa temer votar num candidato PT. Fiquei realmente impressionada com esse tipo de comentário dentro de uma rádio católica, e com o apoio de Sr Paulo Cunha.Infelizmente um estrago…..

    • Robson Oliveira
      15 de setembro de 2010 at 21:35

      É realmente lamentável que isso aconteça, Márcia. Mas nosso voto é nosso!!!! Ninguém pode tomá-lo, a não ser que o demos.

      Abração!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *