Católicos e Política

Reprodução

As relações entre Estado e cidadão já foram refletidas algumas vezes por nós. Porém, nesse momento difícil da política brasileira, os cidadãos católicos não podem esquecer-se de que são relativamente responsáveis pelos caminhos que este país seguir e não podem esquivar-se de participar ativamente do processo político. Neste contexto, anular ou votar em branco pode equiparar-se ao ato de Pôncio Pilatos, abdicando de refletir por si e decidir a respeito da vida de um cidadão inocente.

Por este motivo, os temas de apelo popular, como o aborto, as uniões civis homoafetivas, a liberdade de expressão e de culto, devem ser tratados com coragem, prudência e sabedoria cristãs, virtudes aliás que construíram grande parte do ocidente e a própria nação em que habitamos, nação outrora denominada Terra de Santa Cruz.  Rezemos que as decisões tomadas por nós acerca destes temas não nos envergonhem diante do Senhor, único e derradeiro Justo Juiz.

No entanto, se é verdade que não é lícito dar seu voto àquelas pessoas que ameaçam de morte o inocente nascituro, é igualmente pernicioso ajudar a eleger candidatos que, nas suas práticas, tenham posto em risco de morte outras vidas, não tão indefesas quanto os bebês, mas igualmente valiosas aos olhos do Senhor. A corrupção deste candidatos deve ser punida pelos católicos com seu voto, não os reelegendo (quando for o caso) e não permitindo que sejam eleitos por nossos votos. Afinal, desviar verba pública pode matar um desses filhos de Deus. Sem falar na fome que grassa todas as camadas sociais brasileiras: fome de cultura, que seria minorada caso o dinheiro público roubado fosse utilizado para educação dos cidadãos.

Deste modo, e para tentar facilitar os cidadãos católicos na difícil tarefa de escolher os candidatos das próximas eleições, publicamos os nomes de cidadãos que parecem partilhar de valores humanos (mesmo que não católicos) e, contra os quais, nenhum processo eleitoral foi iniciado. Por se tratar de matéria de difícil julgamento, provavelmente a lista de candidatos será reduzida ou, quiçá, acrescentada de candidatos à altura do digno serviço a que concorrem.

Esses são os nomes de candidatos que, contrários ao aborto em qualquer de suas expressões, não foram denunciados em qualquer processo por corrupção ativa ou passiva:

Por razões  contingentes, os candidatos citados são apenas do estado do Rio de Janeiro.

Senador:

(RJ) Carlos Dias – PT do B  – 700

Deputado Federal

ainda sem candidato

Deputado Estadual

(RJ) Soraya Moreno – PSC – 20106

(RJ) Márcio Pacheco – PSC – 20010

24 comments for “Católicos e Política

  1. David Gravatá (estudante)
    7 de agosto de 2014 at 11:42

    É necessário estarmos atentos. Não ficarmos omissos na nossa realidade, ou poderemos sofrer as conseqüencias por não fazer nada. Recomendo que se assista ao vídeo do Padre Rodrigo Maria, que esclarece estas coisas: https://www.youtube.com/watch?v=Z-GegscoKgM (copiar e colar este link no YouTube).

  2. 22 de março de 2012 at 18:16

    Estamos preparando as informações para as eleições deste ano.

    Fiquem atentos!

    • André Moura de Almeida
      25 de julho de 2012 at 10:03

      Querido e amado professor Robson, estamos aguardando as informações para as eleições deste ano, pois os lobos em pele de cordeiro já estão rondando e atacando pelas mídias sociais.

      Obrigado e um abraço,

      André

  3. Jane Horacio da Silva
    12 de março de 2012 at 18:45

    NAO CONHECIA ESSE SITE , ACHEI MUITO INTERESSANTE ESPERO QUE O ATUALIZE PARA AS ELEIÇÔES DESTE ANO ABS.JANE

    • 12 de março de 2012 at 19:46

      Não abriremos mão de nossa missão, Jane. Com caridade, mas com justiça.

      Volte sempre!

  4. Lília Nunes dos Santos
    29 de setembro de 2010 at 10:35

    Queridos irmãos na fé, gostaria de parabenizá-los pelas partilhas e reflexões susciatas neste site, e, em especial, ao Robson por estimular e fomentar um debate aberto e democrático sobre assunto de grande relevância, que é a decisão sobre o futuro do nosso país.

    Participo de uma lista de partilha do Ministério Universidades Renovadas e também temos amadurecido algumas reflexões sobre o votar ou não em candidatos do PT, ainda que sejam católicos.

    Neste sentido, gostaria de deixar o testemunho de um irmão do nosso Ministério que militante assíduo no movimento pró-vida, e que está em contato direto com pessoas ligadas ao PT.

    “Conheço alguns candidatos do PT veementemente contrários ao aborto, tenho amigos filiados ao partido que também o são.

    Mas, por estar acompanhando de perto essa questão, vejo, em relação a esta questão, um quadro diferente do que alguns estão espalhando. Alerto para o fato de que, em época de eleições, tudo realmente parece mais “ameno”. Mas acompanhei a punição de Bassuma e Henrique Afonso no ano passado (os dois deputados praticamente expulsos do PT por serem pró-vida), vi o quanto foi uma luta forte das alas feministas do partido. A liberdade de consciência é tolerada, mas não o fato de LUTAR contra o aborto. Está bem claro na resolução da punição: “o comportamento do deputado acusado não se limitou ao mero exercício do direito à liberdade de expressão, vindo a militar ostensivamente contra resolução do 3º Congresso Nacional do PT sobre a descriminalização do aborto” (a notícia saiu na Folha: http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u625663.shtml).

    Sim, há outros militantes petistas contra o aborto, que talvez não sejam expulsos, por várias questões internas ao partido. Talvez a opção por estes dois, dentre outros do partido que militam na mesma linha, pode ter, sim, seguido outros motivos internos, que levaram a escolhê-los como “bodes expiatórios”, mas o ato de terem sido punidos por tal militância, em um ano de véspera de eleições, é mais do que suficiente para vermos que estão querendo passar uma mensagem clara. Noticiado na mídia, constante das atas, dos anais. Fato que eles próprios não se preocupam, e nem querem relativizar.

    Ou seja: o PT está querendo nos dizer: “nós somos a favor da legalização. E queremos deixar isso bem claro para todos!!”

    É claro que, em época de eleições, tal postura é minimizada. Mas, no ano passado mesmo, a Dilma afirmou com todas as letras ser favorável à legalização; e o governo lançou um Programa Nacional de Direitos Humanos (o PNDH3) onde dizia claramente ter como prioridade lutar pelo aborto como DIREITO INEGOCIÁVEL DA MULHER (ou seja, em qualquer situação e época de gravidez). Os Ministérios da Saúde, desde Serra, vêem ampliando cada vez mais o acesso ao aborto dito “legal” no SUS, a ponto de hoje não ser preciso nem um boletim de ocorrência para uma mulher alegar ter sido estuprada e abortar, tudo isso com o dinheiro público. Na prática, estão legalizando o aborto por meio do Executivo. O presidente da república e o Ministro da Saúde insistem que se trata de “uma questão de saúde pública”, numa tentativa de justificar a legalização pelos números. Pra quem se interessa pela questão, são pontos importantíssimos.

    Tenho amigos que são filiados ao PT, mas fortemente contrários ao aborto. Eles, porém, reconhecem claramente a pretensão da ala majoritária do partido, a que detém o poder, em favor da legalização. A luta deles, contudo, é por uma reformulação do PT, uma volta ao ideal humanista, não só neste ponto, mas em outros que consideram ter sido perdidos. Utópica ou não, é uma postura que não nega os fatos. Que conhece a realidade atual, e não se contenta com ela!…

    Amigos, gostaria de dizer uma coisa de quem viu de perto a realidade dos grupos pró-vida no Brasil. NÃO É NADA, NADA FÁCIL LUTAR CONTRA O ABORTO NA POLÍTICA. Quem diz o contrário, me desculpe, mas está bem mal-informado… Gente, acredite: se não fosse pela força de algumas pessoas (na sua maioria leigos, pois ainda falta muito apoio da Igreja institucional!), o aborto já estaria aprovado no país há muito tempo. Os outros grupos têm financiamento internacional pesado, e estratégias políticas levianas pra fazer com que sua vontade seja feita, mesmo tendo minoria no Congresso.

    Um mero detalhe: já repararam como está difícil para nós, da Renovação Carismática, o movimento religioso mais expressivo do Brasil, conseguir um “mísero” milhão de assinaturas contra o aborto? Isso porque nosso abaixo-assinado está circulando DESDE 2006!

    Finalizo com as orientações do Regional Sul da CNBB, que não é nem “só” de um padre, nem “só” de um bispo. Concordemos ou não, por favor, ao menos reflitamos com carinho, aprofundemos a discussão, procuremos nos informar. Grande abraço!”

    Apelo a Todos os Brasileiros e Brasileiras

    ( Ver cópia em: http://www.cnbbsul1.org.br/index.php?link=news/read.php&id=5742 )

    • considerando que, em abril de 2005, no IIº Relatório do Brasil sobre o Tratado de Direitos Civis e Políticos, apresentado ao Comitê de Direitos Humanos da ONU (nº 45) o atual governo comprometeu-se a legalizar o aborto,
    • considerando que, em agosto de 2005, o atual governo entregou ao Comitê da ONU para a Eliminação de todas as Formas de Descriminalização contra a Mulher (CEDAW) documento no qual reconhece o aborto como Direito Humano da Mulher,
    • considerando que, em setembro de 2005, através da Secretaria Especial de Polítíca das Mulheres, o atual governo apresentou ao Congresso um substitutivo do PL 1135/91, como resultado do trabalho da Comissão Tripartite, no qual é proposta a descriminalização do aborto até o nono mês de gravidez e por qualquer motivo, pois com a eliminação de todos os artigos do Código Penal, que o criminalizam, o aborto, em todos os casos, deixaria de ser crime,
    • considerando que, em setembro de 2006, no plano de governo do 2º mandato do atual Presidente, ele reafirma, embora com linguagem velada, o compromisso de legalizar o aborto,
    • considerando que, em setembro de 2007, no seu IIIº Congreso, o PT assumiu a descriminalização do aborto e o atendimento de todos os casos no serviço público como programa de partido, sendo o primeiro partido no Brasil a assumir este programa,
    • considerando que, em setembro de 2009, o PT puniu os dois deputados Luiz Bassuma e Henrique Afonso por serem contrários à legalização do aborto,
    • considerando como, com todas estas decisões a favor do aborto, o PT e o atual governo tornaram-se ativos colaboradores do Imperialismo Demográfico que está sendo imposto em nível mundial por Fundações Internacionais, as quais, sob o falacioso pretexto da defesa dos direitos reprodutivos e sexuais da mulher, e usando o falso rótulo de “aborto – problema de saúde pública”, estão implantando o controle demográfico mundial como moderna estratégia do capitalismo internacional,
    • considerando que, em fevereiro de 2010, o IVº Congresso Nacional do PT manifestou apoio incondicional ao 3º Plano Nacional de Direitos Humanos (PNDH3), decreto nª 7.037/09 de 21 de dezembro de 2009, assinado pelo atual Presidente e pela ministra da Casa Civil, no qual se reafirmou a descriminalização do aborto, dando assim continuidade e levando às últimas consequências esta política antinatalista de controle populacional, desumana, antisocial e contrária ao verdadeiro progresso do nosso País,
    • considerando que este mesmo Congresso aclamou a própria ministra da Casa Civil como candidata oficial do Partido dos Trabalhadores para a Presidência da República,
    • considerando enfim que, em junho de 2010, para impedir a investigação das origens do financiamento por parte de organizações internacionais para a legalização e a promoção do aborto no Brasil, o PT e as lideranças partidárias da base aliada boicotaram a criação da CPI do aborto que investigaria o assunto,
    RECOMENDAMOS encarecidamente a todos os cidadãos e cidadãs brasileiros e brasileiras, em consonância com o art. 5º da Constituição Federal, que defende a inviolabilidade da vida humana e, conforme o Pacto de S. José da Costa Rica, desde a concepção, independentemente de sua convicções ideológicas ou religiosas, que, nas próximas eleições, deem seu voto somente a candidatos ou candidatas e partidos contrários à descriminalizacão do aborto.

    Convidamos, outrossim, a todos para lerem o documento “Votar Bem” aprovado pela 73ª Assembléia dos Bispos do Regional Sul 1 da CNBB, reunidos em Aparecida no dia 29 de junho de 2010 e verificarem as provas do que acima foi exposto no texto “A Contextualização da Defesa da Vida no Brasil” (http://www.cnbbsul1.org.br/arquivos/defesavidabrasil.pdf ), elaborado pelas Comissões em Defesa da Vida das Dioceses de Guarulhos e Taubaté, ligadas à Comissão em Defesa da Vida do Regional Sul 1 da CNBB, ambos disponíveis no site desse mesmo Regional.

    COMISSÃO em DEFESA da VIDA do REGIONAL SUL 1 da CNBB
    Publicado em 27/08/2010 – 09:56

    Espero que essa partilha tenha contribuído para a nossa reflexão!

    Um abraço fraterno a todos!

    • Robson Oliveira
      29 de setembro de 2010 at 11:53

      Obrigado pelo texto, Lília. É muito útil para a crítica e reflexão de todos.

      Abração e espero contar com suas intervenções mais vezes.

  5. Roberta
    11 de setembro de 2010 at 22:22

    Robson, conhece o Adolpho Konder? Uma amiga me falou sobre ele. Não encontrei nenhuma notícia escandalosa com seu nome…

    • Robson Oliveira
      12 de setembro de 2010 at 09:17

      Não conheço, Roberta. É preciso investigar não só a vida pública, mas suas convicções acerca de temas importantes para o homem. E o partido conta muito. Vamos buscar informações.

      Abraço!

    • Robson Oliveira
      29 de setembro de 2010 at 08:55

      Roberta, não tive boas informações sobre o Konder. Não consegui comprovar as acusações, mas acho que não é o momento de arriscar. Penso que não é uma boa alternativa.

      Em breve devo postar umas opções de cédula de votação.

      Abração!

  6. enoque
    11 de setembro de 2010 at 12:41

    Oi, Robson td bem? Paz e Bem!
    Robson e o Hugo Leal, ele é candidato este ano, vc tem alguma informação dele?
    Os nomes q vc indicou já pensei neles, menos o senador, qt ao Dep. Fed., é lamentável ñ termos opção, mas estamos abertos a indicação para discernir!
    “Em tudo Amar e Servir!”
    Fik c Deus!

    • Robson Oliveira
      11 de setembro de 2010 at 13:14

      Oi Enoque!! Como está a noiva?? Tudo bem??

      Bem, as notícias sobre o Hugo não são boas.
      Vários processos por improbidade administrativa;

      Candidato eleito como católico, mas não fez qualquer movimento para impedir o PNDH3.

      Não duplicou seu patrimônio nos últimos anos, mas teve um aumento de 600.000 reais nos últimos 4 anos.

      Não acho que é uma boa opção

  7. Roberta
    2 de setembro de 2010 at 22:19

    Robson, recebi hoje uma outra indicação de deputado estadual, e achei válido partilhar com vocês, afinal, estamos estudando possibilidades…
    Márcio Pacheco – PSC – 20010

    • Robson Oliveira
      3 de setembro de 2010 at 14:35

      Oi Roberta!

      Boa dica! Como é de conhecimento de todos, não me oponho que indiquem nomes em quem se possa votar.

      Só não pus o nome do Márcio Pacheco no início porque soube de suspeitas de envolvimento em ações ilegais. Como procuro ser sempre isento e interessar-me apenas pela verdade, devo admitir que – enquanto nada de concreto aparecer – ele é um nome razoável.

      No entanto, é bom ficar de olho no que já está acontecendo. Dê uma olhada aqui.

      Abração!

  8. Fabiano Gomes
    28 de agosto de 2010 at 11:26

    *ERRATA: Vou além: duvido, em caso de extrema pressão para apoiar algo anti-cristão, que ele continue no partido.

  9. Fabiano Gomes
    28 de agosto de 2010 at 11:24

    Pois é, Robson, se tivesse uma nova oportunidade de conversar com ele insistiria mais nesse ponto sobre ele se manter no PT. Mas, como disse no grupo de debates do IFEE por e-mail, depois que questionei, ele fez questrão de esclarecer que o partido realmente fecha em alguns assuntos e os políticos afiliados devem apoiar tais decisões, a não ser que contrariem questões éticas, morais ou religiosas. Como ele não teve nenhum comportamento escandaloso até agora, muito pelo contrário, tem sido bem autêntico, fico mais sossegado quanto a ele manter posição católica. Vou além: não duvido, em caso de extrema pressão para apoiar algo anti-cristão, que ele continue no partido. E mais: ele falou um pouco sobre se manter no PT nesse encontro também. Disse que realmente pensou em sair durante a crise de 2005, mas ele citou o conselho que recebeu do Pe. Jorjão (que detesta o PT). O sacerdote disse que era contra a entrada dele no partido, mas que ele deveria continuar no momento da crise. No PT ainda tem o Marlos, vereador em SG, que tem exatamente o mesmo perfil do Molon e, apesar de não ter votado nele nas últimas eleições, agora que o conheço, nas próximas oportunidades, tem meu apoio.

  10. Priscila
    27 de agosto de 2010 at 16:34

    Conversei rapidamente com o Robson a respeito e confesso que tenho ficado temerosa em basear meu voto unicamente na política do partido…Será mesmo que os partidos ditos cristãos são coerentes de verdade? Porque se não forem, de nada vale todo esse nosso cuidado. Sei q o entendimento atual da Justiça Eleitoral é o voto ser do partido, mas no dia a dia não sei se a política do partido dirige os passos dos seus afiliados… A coisa hoje tá tão misturada…Quem diria PCdoB apoiando PMDB? Vi na propaganda e fiquei surpresa..Jandira Feghali (irmão do cara do Roupa Nova..só para descontrair..rs) dizendo que apoiava o Prefeito do Rj…É política é assim.
    Aliás, acho importante vermos se a pessoa realmente tem tino para coisa..pq de oportunismo…nossa..vi cada coisa: Romario, Bebeto, Waguinho (ex-pagodeiro), Mulher melão..Caramba..Ninguem merece!

    Que Deus nos dê discernimento..e continuemos a refletir.

    • Robson Oliveira
      27 de agosto de 2010 at 20:48

      Pri, eu temo que o PT não seja tão leniente com as práticas de seus afiliados. Devo lembrar o caso dos políticos baianos, que foram expulsos do partido e ficaram sem o mandato. Gostaria de conversar com o Molon e tentar entender porque ainda não saiu do partido. Tenho certeza que teria os mesmos votos e mais alguns outros.

  11. Fabiano Gomes
    27 de agosto de 2010 at 12:59

    Ah, e a Soraya também acredita muito nele e o apoia.

  12. Fabiano Gomes
    27 de agosto de 2010 at 12:58

    Bom, entenderia que o único motivo para não votar no Molon seria essa nova legislação eleitoral sobre o mandato pertencer ao partido e não ao candidato. Como meu primeiro critério para votar em algum político é confiança, eu precisaria ter outro que confiasse tanto quanto ele como opção (e, pelo menos até agora, não tenho mesmo). Ponho as duas coisas na balança e ainda assim, nesse caso, mantenho meu voto. Citei a motivação anterior como sendo a única pra votar nele por que fico mais tranquilo quanto à essa questão das amarras do PT. Não que não ela não seja relevante, pelo contrário, mas a minha opção é pelo político mesmo. Posso até me enganar e me arrepender no futuro, mas a minha posição se justifica. Para enteder melhor o que defendo, deem uma olhada na matéria a seguir (retirada do site do Molon, mas a matéria é do jornal “O Globo”):
    http://www.molon.com.br/website/noticia.asp?ident_sec=4&ident_con=2649
    Repararam que o Molon foi o único do PT a não apoiar o candidato do Picciani? Pois é, ele já havia perdido o apoio do mesmo à sua candidatura à Prefeitura do Rio em plena campanha em 2008 por votar contra a soltura do Álvaro Lins. E em 2009 o Picciani foi reeleito presidente da Assembléia Legislativa com 67 votos a favor e 2 contra (do Molon e do Freixo). Podem até alegar que já virou um problema pessoal do Molon com o Picciani (pode até ser), mas percebe-se que ele pagou caro pela sua postura. Explico: se ele considerou que perder apoio em plena candidatura à Prefeitura do Rio de quem quer que seja não fosse relevante (duvido), com certeza ele colocou sua cabeça a prêmio no PT quando foi contra a eleição do Picciani para a presidência da Assembléia Legislativa pois o partido o AMEAÇOU nessa ocasião. Ele peitou e o PT, percebendo que ele não mudaria, “deixou passar”. Tudo bem, o voto dele não mudaria o resultado, mas, segundo palavra do próprio, ele jamais defenderia algo que fosse anti-católico e até agora sua postura tem demonstrado coragem e personalidade. Na boa? Ainda voto nele, tranquilo.

    • Robson Oliveira
      27 de agosto de 2010 at 13:59

      Como disse no meu comentário, Fabiano, não duvido do Molon. Só me sinto temeroso de que, quando pressionado a votar sobre assuntos importantes como a vida humana, ele não possa manter sua opinião, como aconteceu com os políticos da Bahia.

      Acho que fui claro, mas reitero que a lista colocada no blog não está fechada e tampouco significa que estes são os candidatos em que vou ou que qualquer cidadão católico deveria votar. São nomes de alguns que, ao que parece, cumprem os princípios cristãos e sobre os quais não recaem qualquer ação criminal fundamentada.

      Se alguém tiver dicas sobre candidatos, mande para que analisemos a alternativa.

      Abração!

  13. Roberta
    26 de agosto de 2010 at 08:48

    Robson, só que o Molon é do PT, né… ele não ficará de alguma forma amarrado às propostas do seu partido (leia-se Dilma/Lula), ainda que pense diferente?

    • Robson Oliveira
      26 de agosto de 2010 at 14:16

      Roberta, caríssima! De fato, como você, temo pela candidatura do Molon. Tenho informações de que ele é íntegro e faz política com ética. Não sei até onde as informações são verdadeiras, mas o fato é: ainda não surgiu qualquer processo contra ele no judiciário. Eu não entendo porque um candidato que sabe que seu eleitorado não está sob a tutela do PT continua nesse partido, mas essa é a escolha dele. No entanto, por causa da nova legislação eleitoral, que concede o direito do mandato ao partido e não ao candidato, retiro o Molon da minha lista de “elegíveis”. No passado recente, dois parlamentares do PT foram expulsos do partido por descumprirem a orientação do partido no que concerne ao aborto. O Molon já disse que ele e o Biscaia fizeram uma carta-repúdio ao acontecido, mas entendo que isso é pouco também. Se quiserem ter meu voto e dos amigos que conheço – apesar de ambos serem boa gente – deverão fazer mais e abandonar o partido abortista em que estão atualmente.

      Bem, dito tudo isso, espero que os amigos escolham bem em quem votar. E agradeço imensamente à Robertinha pela correção fraterna.

      Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *