Curtas sobre Família – 02

Algumas notícias importantes sobre a luta em favor da família e do matrimonio. Primeiro, um ataque violento e covarde contra manifestantes pacíficos, que exerciam sua cidadania em Curitiba. O resultado: um senhor com uma pedrada na cabeça. Outras notícias informam sobre o impacto do divórcio nas famílias e na relação com a religião. Vamos lá!


1. Grupo de gays agride verbal e fisicamente grupo de jovens do IPCO, que marchava em defesa da família. Obviamente, você não verá isso no Jornal Nacional ou na capa de O Globo. A ditadura gay não permitirá.  Mas aconteceu em uma capital brasileira, que um grupo de homossexuais agrediu com palavras e pedradas um grupo de manifestantes católicos. Já apontamos aqui o caráter opressor do movimento gay (aqui e especialmente aqui). Outro dia exigiram passaporte diplomático. Pois não é que um grupo de pessoas agride fisicamente outro e fica tudo por isso mesmo? A “turma da tolerância” não tolera divergência e parte para as pedradas. Eis o vídeo em que homossexuais não respeitam o direito a manifestação de jovens católicos, resultando no apedrejamento de um senhor, que acompanhava a juventude.

 

Fosse o contrário, se um gay fosse arranhado por um desses garotos, capaz de exigirem o cancelamento da JMJ por causa da intolerância. Mas quem apanhou, teve sangue tirado da cabeça e foi ao hospital foi o senhor Coutinho que, desejamos, esteja bem.

2. Estudo sobre matrimônio e divórcio conclui que famílias que sofreram com o divórcio possuem mais crianças com dificuldade de relacionamento religioso, na vida adulta. Em entrevista ao Washington Post, estudiosos sustentam que  crianças que viram seus pais passarem pela dor do divórcio, têm menos confiança na religião e nas Igrejas. Não seria esse mais um motivo para defesa dos matrimônios pelos membros das igrejas?

3. Articulista protestante critica o modo desacralizado de tratar o matrimônio, especialmente entre luteranos. Segundo o autor, Peter Lawler, os protestantes americanos compraram a crítica de John Locke ao matrimônio natural, que deriva da crítica à lei natural. O resultado é a redução do matrimônio ao estatuto civil. Dessacralizar a instituição matrimonial é o início da crise religiosa dos protestantes e (por que não?) dos cristãos em geral.

5 comments for “Curtas sobre Família – 02

  1. 30 de janeiro de 2013 at 12:18

    Robson, nesta mesma linha.
    acaba de sair a noticia na ACI que no PERU foi aprovada/despenalizada a relação sexual “COM” adolescentes.

    Eles vão cercando, cercando, e dão o bote…

    Sentença que despenaliza relacione sexuais com adolescentes é aberrante, alerta Arcebispo peruano

    LIMA, 30 Jan. 13 (ACI) .- Após a sentença do Tribunal Constitucional (TC) que despenaliza as relações sexuais com adolescentes entre 14 a 18 anos no Peru, o Arcebispo da Piura e Tumbes (ao norte do país), Dom José Antonio Eguren, exortou os jovens a não caírem “em cantos de sereia que falam de liberdade quando no fundo encobrem uma falsa noção do termo e que busca escravizá-los”.

    Em diálogo com o grupo ACI, Dom Eguren expressou sua consternação pela recente Sentença do TC a qual qualificou como “muito dolorosa e penosa, porque havendo tantas urgências na administração de justiça, o tribunal emitiu uma sentença, no meu conceito, juridicamente aberrante”.

    O Prelado ressaltou que “é importante dizer que a sentença despenaliza as relações sexuais ‘com’ adolescentes, não como se pretendesse dizer ‘entre’ adolescentes, porque estas relações nunca estiveram penalizadas em nosso âmbito, já que aos menores de idade se aplica o Código do Menor e estas não são consideradas delitos mas infrações”.

    O Arcebispo alertou ademais que esta Sentença também vulnera a pátria potestade ao obrigar os pais a darem a seus filhos a chamada “saúde sexual e reprodutiva” cancelando assim “um direito natural que os pais têm com seus filhos menores que é justamente velar por seu bem-estar integral e educá-los”.

    Antigamente a lei protegia o menor mas agora a sentença o “deixa totalmente desprotegido frente um adulto sedutor que já não teria temor algum de ser penalizado, e um elemento até muitíssimo mais agravante é que incrivelmente esta sentença põe o menor na situação de ter que demonstrar que sofreu um estupro”.

    Dom Eguren invocou os pais de família de diversas organizações e sobretudo membros das associações de pais de família dos colégios a tomarem consciência de que “nós teremos e eles terão que organizar-se para defender seus filhos de uma sentença que busca destruir neles sua inocência, sua pureza, e o mais apreciado: seus corações”.

    “Porque uma vez que o coração perde a capacidade de amar de verdade, a vida fica no fundo destruída”, assinalou Dom Eguren e indicou que os pais que contam “com a colaboração da Igreja para a defesa do bem integral de seus filhos”.

    Depois de recordar que só 19 por cento de adolescentes inicia sua vida sexual antes dos 18 anos, o Prelado questionou: “Qual é o interesse por parte do Tribunal Constitucional e destas Instituições de empurrá-los a um início ainda mais precoce de sua vida sexual? O interesse está claro é certamente fazer negócios com eles empurrando-os a viver uma sexualidade promíscua e somente apoiada na genitalidade através da venda de anticoncepcionais”.

    Dom Eguren denunciou a participação de organizações que promovem os chamados direitos sexuais e reprodutivos e entre eles o aborto, “são pequenos grupos ideologizados de pressão que respondem a interesses internacionais de ONGs capitalistas anti-família e anti- vida”.

    “Sabemos muito bem que a instituição que esteve por trás promovendo a sentença não foi nada mais nada menos que a Inppares e sabemos muito bem que Inppares é como o parceiro nacional desta grande transnacional do aborto que é a International Planned Parenthood Federation (IPPF)”.

    “Deste modo posso dizer que também estiveram atrás desta sentença do TC, o Fundo de População das Nações Unidas – ONU, e a ONG Women´s Link Worldwide” adicionou.
    Esta última é a organização internacional em que trabalha há anos a advogada Mónica Roa, que dirige o lobby do aborto na Colômbia e que “obteve” a despenalização desta prática em 2006 através de uma sentença Corte Constitucional.

  2. Amaro Helio
    30 de janeiro de 2013 at 08:41

    Concordo com a Irmã Priscila. Coragem em dizer o que acha e com sabedoria, pois Deus valoriza mto a família.

  3. Irmã Priscila
    28 de janeiro de 2013 at 18:11

    “Somos atacados de todos os lados, mas nunca esmagados…”
    A mídia insiste em dizer que o Papa ataca o homossexualismo com suas palavras a favor da família, mas o fato é que nunca precisamos impor nossos pensamentos de maneira agressiva à ninguém… tudo o que o Papa e os verdadeiros católicos fazem é instruir as pessoas sobre o perigo e a realidade do inferno para aqueles que não cumprem a Vontade de Deus…
    É uma pena que as pessoas não querem dar ouvidos, mas, não podemos nos calar!
    O HOMOSSEXUALISMO NÃO FAZ PARTE DA VONTADE DE DEUS E PONTO FINAL, DOA A QUEM DOER!

    • 29 de janeiro de 2013 at 07:00

      É verdade Irmão Priscila, não podemos nos calar!

      O vídeo corrobora o que o prof. Robson sempre argumenta em suas aulas, eles não estão dispostos a argumentar!

      Quando um ateu, um homesexual, praticante de outra religião se mostra aberto ao dialogo temos como mostrá-los a verdade (que é única!). Caso contrário, temos de estar preparados para agressões dai pra cima.

    • 29 de janeiro de 2013 at 10:42

      Ih, o pessoal da “caridade” vai dar uma cusparada no rosto da Irmã Priscila. Com toda “tolerância”, é claro… rsrsrs…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *