Direito de Protestar

O exercício da política é o cume da vida social. Diz Aristóteles que o homem pode ser definido por sua vocação à vida política: o homem é, por natureza, um ser social. Isso significa, antes de tudo, que é no cumprimento do bem comum que o homem realiza sua vocação. Recentemente o Site Humanitatis colaborou para o exercício da boa política, aquela que visa o bem comum.

Constituição

Uma decisão política controversa do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ), sugerindo à Prefeitura de Niterói que não colaborasse na infraestrutura da Festa de São Judas Tadeu, em Icaraí, gerou uma infinidade de protestos contra o prefeito, Rodrigo Neves (leia tudo aqui). As redes sociais fervilharam e as caixas de email da prefeitura ficaram abarrotadas!

À primeira vista, pode-se estranhar porque uma ação do MP-RJ respingou no executivo da cidade. É verdade, o Ministério Público não é parte do executivo, nem do legislativo da cidade. Contudo, o povo comum, esse mesmo que vota e paga altíssimos impostos à Federação, só quer saber de ter seus direitos respeitados. O MP-RJ não preenche seu quadro por meio de eleição direta. Ninguém vota para escolher quem será o próximo Promotor ou Procurador do Ministério Público. De outro lado, o cidadão comum vota para escolher seu prefeito. Se a máquina pública (sob a bandeira de quaisquer de suas esferas e órgãos) promove ações injustas contra os cidadãos, como ocorreu no caso citado, é justo que cada eleitor vá até o prefeito para pedir satisfação. Afinal, o chefe do executivo foi eleito para defender o cidadão dos ataques injustos que venham de qualquer esfera. E todos têm o direito de fazê-lo!

Liberdade

Pode-se dizer que não se deve fazer assim.  Que as pessoas deviam ser mais tolerantes e esperar o executivo posicionar-se, sem pressão. De jeito nenhum! Pelo contrário, o que move o executivo é o voto. É a aprovação ou a desaprovação popular que faz a máquina pública se mexer. Todo e qualquer cidadão tem o direito de requisitar dos membros eleitos que se posicionem em favor dos justos direitos dos eleitores, aqueles os quais prometeram representar. E caso traiam tal promessa, sempre haverá o direito de alertar a população do estelionato eleitoral em andamento. É um direito constitucional protestar. A voz dos cristãos da cidade de Niterói não ficará surda, pois esses não são homens de segunda classe.

Ah, e ainda se espera o desfecho do caso da Festa de São Judas Tadeu!

1 comment for “Direito de Protestar

  1. maria
    22 de outubro de 2015 at 09:52

    Lutamos todos os dias contra demônios que não perdem tempo.
    Contudo não tenhamos medo, não estamos sós um exercito de
    anjos luta conosco . Sejamos valentes guerreiros nesta luta que
    no minimo é emocionante.
    Avante guerreiros de Deus

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *