Jornalismo irresponsável

É de conhecimento comum que, de modo geral, os jornalistas ignoram questões básicas do tema religioso e especialmente do catolicismo. Mas o que a jornalista alemã Kirsten Grieshaber escreveu sobre um sacerdote conterrâneo, convertido ao catolicismo, beira o ridículo (Yahoo! News). Vamos à história.

Reprodução

O ex-luterano Harm Klueting, casado com Edeltraut Klueting, pediu ingresso à Igreja Católica, no que foi aceito e ordenado sacerdote pelo cardeal Joachim Meisner, com as devidas permissões da Cúria Romana. Ora, como já era casado, a Cúria entendeu que o neo-sacerdote deveria continuar vivendo com sua família, visto o sacramento do matrimônio ter sido contraído de modo válido e o celibato sacerdotal uma disciplina eclesiástica. Até então, uma boa notícia para os que buscam e lutam pela unidade dos cristãos. Mas aí a jornalista, querendo dar um caráter extraordinário à matéria, dispara afirmações que constrangem principalmente a si mesma e – claro – envergonham o editorial do veículo de comunicação que publicou a matéria.

Tentando convencer seus leitores de que a Igreja Católica é contraditória, e dando provas de que nada conhece do tema, a jornalista confunde a Ordem Terceira das Carmelitas (que são leigas vivendo no século, sem votos de castidade) com a Ordem das Carmelitas (religiosas que vivem em conventos, com votos de castidade). A jornalista dá a entender que a Igreja abriu uma exceção ao permitir que o ex-luterano se tornasse católico e vivesse maritalmente com sua mulher, que deveria se tornar freira. Eis o texto da néscia jornalista:

In a rare move that needed the pope’s approval, a Lutheran convert was ordained Tuesday as a Catholic priest in Germany and is being allowed to remain married to his wife — who has already become a nun.

Em raro movimento, que necessita da aprovação do Papa, um luterano convertido foi ordenado, terça-feira, padre católico na Alemanha, e está sendo autorizado a permanecer casado com sua esposa – que já se tornou freira.

É perceptível a absoluta falta de conhecimento religioso – e especificamente do catolicismo – da articulista. Seu texto até permite interpretar que a freira seria uma versão feminina do sacerdócio, o que é de uma falta de sentido incrível. Toda confusão ocorreu porque a esposa do agora sacerdote Harm Klueting, a senhora Edeltraut, confessou que era da ordem terceira do Carmo. Em seu blog pessoal pode se ler (link aqui):

Tertiarin im Ordo Fratrum Beatae Mariae Virginis de Monte Carmelo (Stammorden der Karmeliten)

Terciária na Ordem Fraterna da Beata Virgem Maria do Monte Carmelo (Ordem dos Carmelitas)

A senhora Edeltraut, doutora, historiadora e filósofa,  é também membro da Ordem Terceira dos Carmelitas, isto é, é uma leiga que vive na sociedade, com seus deveres e direitos sociais e individuais, além de assumir alguns deveres e direitos religiosos, relativos a esse vínculo específico. Não se pode confundir esse tipo de vínculo com o das religiosas carmelitas, como faz a jornalista inepta. Este é mais um episódio que nos faz pensar: por que os jornais não investem em pessoas que entendem do assunto para seus editoriais de religião?

2 comments for “Jornalismo irresponsável

  1. Ana Carolina
    10 de março de 2011 at 22:27

    Respondendo à pergunta: para escrever qual coisa e desmoralizar a Igreja e seus participantes. Faz parte do jogo da perseguição.

  2. 8 de março de 2011 at 23:17

    Infelizmente tem uns colegas de profissão que não tem nenhum discernimento e não conhece Jesus! E nós que conhecemos precisamos fazer a diferença!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *