Moral Sexual: breve reflexão sobre a Humanae Vitae e a Casti Connubii

É muito comum encontrar cristãos que veem contradição entre o ensinamento da Humanae Vitae e da Casti Connubbi, no que concerne à moral sexual dos esposos. Vamos abordar muito brevemente o problema no aguardo de um texto maior e mais bem fundamentado.

Alguns cristãos dizem que o Papa Paulo VI inovou no ensinamento moral da Igreja em relação ao documento de Pio XI, especialmente quando afirma que o ato conjugal pode, por razões graves, visar outros fins que não apenas a geração dos filhos. Eles sustentam que esta afirmação é uma corrupção do ensinamento bimilenar da Igreja e argumentam opondo o texto da Humanae Vitae e da Casti Connubii. Com este objetivo, eles opõe o texto de Pio XI, que afirma:

20. Nenhum motivo, sem embargo, mesmo que seja gravíssimo, pode fazer com que o que vai intrinsecamente contra a natureza seja honesto e conforme a mesma natureza; e o ato conjugal estando destinado, por sua mesma natureza, à geração dos filhos, os que no exercício mesmo o destituem propositadamente de sua natureza e virtude, agem contra a natureza e cometem uma ação torpe e intrinsecamente desonesta.

Ora, assim como está e sem o restante do documento, parece de fato que Paulo VI vai contra o ensinamento de Pio XI, quando este afirma que “nenhum motivo”, mesmo gravíssimo, pode ir contra a natureza do ato conjugal. Mas o texto de Pio XI não para aí e no número 22 ele mesmo afirma o seguinte:

22. Não se pode dizer que agem contra a ordem da natureza os esposos que fazem uso de seu direito, seguindo a reta razão natural, ainda que por certas razões naturais, seja pelo tempo, seja por outros defeitos, não se siga dele o nascimento de um novo vivente. Existe, pois, tanto no matrimônio como no uso do direito matrimonial, fins secundários – verbigracia, o auxílio mútuo, o fomento do amor recíproco e a diminuição da concupiscência -, cuja consecução de modo algum está vedada aos esposos, sempre que permaneça a salvo a natureza intrínseca do ato e sua subordinação ao fim primário.

Ora, assim como o fim primário da alimentação, que é a nutrição, não importa a negação de fins secundários, como o prazer gustativo, o fim primário do matrimônio não nega fins secundários, como o aumento do amor entre os esposos e – inclusive – a satisfação do apetite sexual, como disse Pio XI. Ademais, como à função nutritiva o Criador anexou prazeres lícitos e ninguém peca ordinariamente ao degustar sem sede um copo de vinho ou cerveja ou comendo um bom pedaço de bolo, igualmente os esposos que, utilizando os períodos inférteis, usufruem do ato conjugal para refrear o apetite sexual, nada fazem de imoral ou pecaminoso, desde que haja motivos graves para tal (em breve faremos um artigo sobre o assunto).

Está claro que não há contradições entre os documentos, como quer fazer crer alguns cristãos por aí.

6 comments for “Moral Sexual: breve reflexão sobre a Humanae Vitae e a Casti Connubii

  1. Priscila
    13 de abril de 2011 at 11:19

    Cristalino!

  2. Zaíra Vargas
    13 de abril de 2011 at 10:03

    Muito bem explicado.Não vejo controvérsias.

  3. 13 de abril de 2011 at 09:48

    Objetivo e claro! Uma boa síntese do problema em poucos parágrafos. Uma útil explicação sobre esse aspecto da moral sexual que é raramente elucidado, e quando posto em questão, sempre se tem confusões da parte de alguns que acabam reduzindo a discussão do tema a um texto específico que por si só, sem as linhas de continuidade do Magistério e da Tradição, ou ainda, sem a consideração de outros textos, às vezes, do mesmo autor, como se apresenta nesse caso o problema, não abrange toda abordagem necessária para compreender melhor alguns pontos específicos em matéria de doutrina, e como é o caso aqui, também em matéria de moral.

    • Robson Oliveira
      13 de abril de 2011 at 13:50

      Obrigado pela visita, Supplementum! E parabéns pelo trabalho no seu blog.

      Volte sempre!

  4. André
    13 de abril de 2011 at 05:01

    Valeu o esclarecimento de um assunto sempre polêmico e pouquíssimo falado!!! Um abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *