Papa Francisco não é um liberal!

Bento e Francisco: Espiritualidade e Continuidade

Bento e Francisco: Espiritualidade e Continuidade

Papa excomunga sacerdote australiano defensor do aborto, dos métodos contraceptivos artificiais, da união homossexual e da ordenação de mulheres

A notícia é antiga, mas necessária nesses dias. Apesar da tentativa da mídia engajada e dos católicos “self-service” de sequestrarem a voz do Papa Francisco para a luta homoafetiva, para a causa pró-aborto e contraceptivos e sacerdócio feminino (o que não é propriamente uma luta, afinal eles têm o apoio incontestável da mídia e dos formadores de opinião), em maio de 2013 o sacerdote australiano Greg Reynolds foi excomungado da Igreja Católica justamente por causa da defesa desses desvalores.

O motivo da excomunhão, que é uma pena canônica que visa a revisão das próprias teses e a futura reintegração do fiel à fé católica, foi a reiterada decisão do sacerdote de, apesar das inúmeras admoestações, ensinar doutrina heterodoxa sobre o casamento homossexual, sobre as mulheres e o sacramento da ordem e sobre os métodos contraceptivos e o aborto. Ele tem um site público, no qual divulga suas missas (as quais, vigorando a excomunhão, não são lícitas), além de defender a inclusão do pecado da sodomia e do aborto na fé católica. Para o padre australiano excomungado, não é necessário abandonar essas práticas nefandas para ser cristão católico e a Igreja Católica faz mal quando é intolerante com o pecado.

Percebam que a publicação da excomunhão do sacerdote australiano aconteceu em 31 de maio. Portanto, cerca de 90 dias após a subida ao Trono de Pedro por Francisco. Essa ação concreta diz muito mais sobre o modo como o Sumo Pontífice vê o tema da homossexualidade e do aborto que qualquer excerto de discurso que se queira descontextualizar para cooptar a voz do Papa Francisco para a causa homoafetiva ou pró-aborto.

Se a moda pega o Santo Padre terá de excomungar mais padres pelo mundo, inclusive um colega seu, jesuíta, da PUC-Rio, que defende aberta e francamente a liberdade de se praticar a sodomia, sem que se passe pelo necessário processo de conversão, cuja característica principal nesse caso é o abandono de tais práticas, sempre vistas como contrárias ao Evangelho de Nosso Senhor e à sã filosofia.