Para quem ainda tinha esperança na Canção Nova…

Reprodução

O Pe. José Augusto Souza Moreira tomou uma atitude honrada diante do Evangelho. Denunciou corajosamente a aproximação de entidades cristãs de movimentos políticos manifestamente contrários ao Evangelho. A posição clara e destemida do padre trouxe alento a não poucos fiéis católicos neste dia. Vejam o vídeo abaixo:

E mais:

No entanto, não é que a chefia da Canção Nova, na pessoa de um dos seus fundadores, desautorizou a manifestação do Pe. José Augusto Souza Moreira? Segue a íntegra da carta.

A Fundação João Paulo II, mantenedora do Sistema Canção Nova de Comunicação vem a público para reafirmar que não apóia, não subsidia e não possui vínculos com partidos e candidatos.

É necessário ressaltar que não autorizamos, bem como não aprovamos manifestações isoladas de apresentadores, colaboradores e engajados.

E, em especial, sobre o episódio desta manhã, 05 de outubro, não autorizamos o pronunciamento público do sacerdote Padre José Augusto Souza Moreira sobre o Partido dos Trabalhadores, bem como a opinião do mesmo representa tão somente seu pensamento, não sendo em hipótese alguma o pensamento da instituição.

Lamentamos o ocorrido e manifestamos mais uma vez nossa obediência aos princípios democráticos, na legislação eleitoral em vigor e na crença de que o povo brasileiro saberá, com critério e sabedoria determinar o seu futuro nas urnas.

Wellington Silva Jardim
Presidente da Fundação João Paulo II

Fonte: Canção Nova

O que dizer?? É lamentável que a Canção Nova ande se afastando tão apressadamente dos princípios que defendeu durante anos. Faz isso a partir de alegados princípios democráticos. No entanto, isso não é democracia, é subserviência.

Robson Oliveira

36 comments for “Para quem ainda tinha esperança na Canção Nova…

  1. mauro sergio borges
    18 de abril de 2013 at 16:33

    se o padre nao disse nenhuma mentira porque os condenam .

  2. Amaro Helio
    21 de março de 2013 at 13:06

    Engraçado,será que a Canção Nova desconhece que OMISSÃO é pecado? Fico triste com isso. Apesar de achar que nos catolicos nao devemos entrar em assuntos politicos, mas omitir a verdade é demais.

  3. Alexandra Gonçales
    16 de junho de 2012 at 08:10

    Isso só acontece aqui. Se fosse na Indonésia, onde milhares de cristãos são mortos porque não negam sua fé. Aqui vivemos o cristianismo do conforto…Lamentável a atitude da CN. Louvado seja Deus pela vida deste homem, sacerdote para Deus e não para os homens.

    Alexandra Gonçales

  4. Vera Lúcia de Paula
    15 de janeiro de 2011 at 23:09

    Li atentamente cada comentário concordo com determinadas posições, dicordo de outras em relação a cada assunto citado e criticado, porém, gostaria de lembrar que a igreja é “santa e pecadora”.Santa porque é de Cristo e pecadora pois é formada de pessoas que buscam a santidade e isso não quer dizer que todos somos “santinhos”. Em cada paróquia, em cada Comunidade formada existem pessoas que erram e acertam, cai e levantam, uns mais outros menos.Penso que não deveríamos julgar pessoas e atitudes sem conhecer os reais motivos de suas decisões, sem contar que, a tendência do “nosso humano” é somente ter olhos para os erros e deixamos de olhar o que o outro faz de bom para o próximo.Ninguém agrada 100%… Nem Jesus conseguiu…ELE não nos julga, nos perdoa sempre… Isso vale como comportamento em todos os ambientes os quais frequentamos. Deixo claro que sou a favor da liberdade em expressar opiniões, mas contra julgar pessoas e comportamentos sem fundamentar-se no conhecimento da verdade.
    PAZ E BEM!

    • LAZARO
      20 de novembro de 2013 at 17:08

      Vera, a palavra do Padre não é de julgamento. A abordagem dele foi ousada e corajosa explicando o que está e o que não está correto. Onde ele se fundamentou ?? Na bíblia !! Tudo o que ele disse está fundamentado. Se você se considera Cristã e crê que a bíblia é a palavra dEle, então aplauda a palavra ousada desse padre que foi capaz de contrariar o errado e falar o que é certo diante dos olhos de Deus. Caso você queira, me passe em que momento da palavra do padre você discorda que eu te passo a fundamentação bíblica. Não sou eu quem fala, não é o Padre quem fala, mas… é Deus.

  5. Rafael
    1 de novembro de 2010 at 11:30

    Eu concordo com tudo que o Pe. disse,menos quando ele diz que ele é sacerdote do altissimo e não dos homens…será que o padre se ordena para ele ou para servir aos homens?????? a igreja é mais clerical do que lecal…ou seja,é uma igreja fechada que não escuta os seus membros,e como dizem,se não gostar,sai….ai eu me pergunto,será que a igreja é de Deus ou dos Homens…Ser sacerdote e ser servidor,escravo de Deus para servir os homens…não ser um Rei…será que a política não é uma das coisas que impedem a igreja de ser mais do povo????…acho que esse ato da canção nova é hipócrita,pois para ela ter todo esse patrimonio,teve que fazer alianças como politicos..só pra ter uma ideia,existem lugares reservados e especiais la no novo rincão para autoridades……..até parece que as autoridades são mais importantes que o povo que fica ali sentado em cadeiras duras,enquanto eles ficam em cadeiras especiais,estofadas…
    A política é uma praga que envolve todops os meios sociais e até religiosos…acho que pode ter sim uma parceria,mas sempre com a intensão de colocar Jesus no centro,e não os homens…

    • Petra Ariely
      12 de julho de 2013 at 12:14

      O sacerdote que põe a criatura acima do Criador não cumpre sua missão.

    • LAZARO
      20 de novembro de 2013 at 17:00

      Rafael, você não entendeu o caso. O Padre não é um sacerdote de homens e sim de Deus. Sacerdote de Deus, a serviço de Deus, evidentemente que para auxílio dos homens.

  6. Cris Palmeira
    30 de outubro de 2010 at 12:37

    Sou católica praticante, conheço a doutrina e busco o que o evangelho de Jesus Cristo.

    Querem democracia, então respeitem os pensamentos diverços, liberdade de expressão, se os politicos tem o direito de expressar-se e propor propostas que cumpra ou não, porque nos cristaos e mais nossos lideres religiosos, sacerdotes, lideres de outras denominações não podemos expressar nosso ponto de vista? cada um tem seu conhecimento moral.
    Antes de criticar o Padre conhça a doutrina queridos, e a verdade é para ser pronuncida, se os partidos não devem nada nao deve temer, pelo contrario deve demonstra com açoes, as eleiçoes ultimamente somente tem agredido a igreja, e um partido ao outro, não dialogam seus projetos intensamente somente ataca o oponente.
    A Dilma sò ataca o Serra e vice-versa.

    Nenhum tem sido correto, e querem julgar esse Pe. pelo quel eu conheço seus testemunho por isso posso dizer e defende-lo, ele defende a palavra de Jesus Cristo.

    Se não concorda é um direito seu.

    A paz do bom Deus esteja com todos.

    Paz e bem.

    Cristiane Palmeira
    Comunidade Católica Aliança com Cristo – Osasco/SP

    • Robson Oliveira
      30 de outubro de 2010 at 18:09

      Cristiane, o site humanitatis e, especialmente, o blog Non Nise Te! fica imensamente feliz pela sua visita e mensagem. De nossa parte, estamos do lado da Igreja e, portanto, aplaudimos todo o esforço e coragem que o Pe. José Augusto deu prova nesse evento. Como disse o Papa ultimamente, não é necessário preocupar-se com a popularidade, quando o que está em jogo são princípios humanos basilares.

      Contamos com sua visita mais vezes!!

  7. Ricardo dos Guimarães-Peixoto
    13 de outubro de 2010 at 22:09

    Na verdade, por agir de forma apaixonada e até mesmo inconsequente (do ponto de vista da lei propriamente), o que o Pe. José Augusto fez foi praticamente garantir que a candidata do PT ganhe um horário na programação da Canção Nova, como direito de resposta. Ou seja, se ele tinha o objetivo de afastar aquilo que considera nocivo à Canção Nova e aos Fiéis Católicos, Apostólicos Romanos que são evangelizados através daquele canal, o tiro saiu pela culatra. Ainda não tive notícia, mas tenho certeza de que os advogados da campanha dela conseguirão espaço em um horário privilegiado da programação, para que ela responda. Quem perdeu com isso, pergunto? O povo de Deus, respondo, que deixará de ouvir as pragações do Pe. José Augusto e que está se escandalizando com a campanha anti-Canção Nova feita por membros da própria Igreja, ou seja, irmão brigando contra irmão, para ver quem serve melhor ao inimigo. De certo que a CN não comporta a infalibilidade, mas é bom que se saiba que os nossos irmãos pequeninos estão se escandalizando sim com essa campanha e não fazem a menor distinção entre uma coisa e outra. É o próprio Jesus quem adverte para que nossas atitudes não sejam causa de escândalos para os pequeninos.

  8. Ricardo dos Guimarães-Peixoto
    13 de outubro de 2010 at 18:40

    Robinho, creio que não pode ser obra do inimigo a Canção Nova, pois ainda hoje vejo milagres e prodígios que Deus opera através dela. A CN não é protestante ou herege e você sabe disso. Se alguns de seus membros aparentemente erram, há sempre o caminho da conversão e do perdão. Se assim o fosse, ou seja, errou, não serve mais, a própria Igreja já não serviria mais. Seria interessante que você também se manifestasse quando opiniões assim sejam postadas. É bom lembrar que o próprio Pio XII ainda hoje é acusado de ter colaborado com as atrocidades cometidas durante a 2.ª guerra, por ter optado por garantir a salvaguarda da estrutura do Igreja e agir no silêncio, retirando da morte milhares e milhares de vidas, mas sem uma oposição frontal ao nazismo e ao fascismo. Ele hoje é Venerável. Ou seja, aquilo que aparentemente era obra do inimigo, Bento XVI proclamou em dezembro de 2009 que não, ao torná-lo Venerável.

    • Robson Oliveira
      13 de outubro de 2010 at 19:27

      Ricardo, subscrevo sinceramente tudo o que foi dito por você. Acho que há muito exagero por parte dos críticos da CN. No entanto, parece que discordamos em um ponto fundamental: embora reconheça que a CN fez e ainda faz muito pela Evangelização, ela não possui a característica da inerrância. Ela pode tomar decisões equivocadas e, na minha opinião, é o que acontece no caso concreto da proximidade com o Chalita (e outros) e na punição e afastamento do Pe. José Augusto.

      Quanto às opiniões que estão postadas no site, não concordo com todas elas, não. Aliás, ordinariamente, só sustento o que escrevo. No entanto, prezo a liberdade de expressão e só intervenho (ainda não foi necessário nenhuma vez) se as palavras utilizadas forem ofensivas a algum colaborador. Tratando deste post, em particular, a acusação de heresia precisa ser sustentada por quem asseverou. Neste caso, prefiro o silêncio, além de entregar e submeter ao bispo responsável, no caso D. Beni, o dever de julgar se há ou não heresias propagadas pela televisão.

      Mas nesse caso concreto, estou com os críticos. Não é possível defender, ativa ou passivamente, a legalização do aborto e continuar cristão.

  9. Jose Roberto
    9 de outubro de 2010 at 08:57

    Acho que este tema está sendo usado como uma máscara para campanha do candidato paulista, o assunto está muito politizado. Existe tantos coisas a serem analisadas, generalizar as críticas, julgar e condenar as pessoas que pensam diferente não é o caminho. O caminho nao é o da evangelização? Não é discutir o assunto e convencer que estão erradas? O tempo da inquisição já se foi ou não?

    • Robson Oliveira
      9 de outubro de 2010 at 14:23

      Como assim, José Roberto?? O tema da morte não deve ser discutido?? Explique-me melhor.

      E o que significa: “condenar as pessoas que pensam diferente não é o caminho”?? Então, você não é contra as pessoas que pensam diferente de você e escravizam trabalhadores?? Você acha que essas pessoas têm direito de pensar diferente e tudo bem??

      E pensar diferente de você é permanecer na Inquisição?? Mas e o princípio de “não condenar as pessoas…” não vale nesse caso???

      Esclareça-nos seu ponto de vista.

      Abraço!

  10. delnir
    8 de outubro de 2010 at 08:24

    Realmente o padre representa uma Intituição. Instituição fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo. Unam, Sanctam, Catolicam et Apostolicam Eclesiam. Não a Rede Canção Nova (protestante e herege).

    Fora da Igreja não há salvação.

    São Pio V, o Papa da vitória de Lepanto, rogai por nós!

    P.S.: se cometí erros de grafia no Latim, perdoem-me mas, se o presidente da República e o Deputado Federal mais votado de São Paulo podem assassinar o portugu~es…

  11. Tel
    7 de outubro de 2010 at 16:06

    Concordo com a CN no seguinte: a TV CN é uma concessão pública, por isso não pode e não deve emitir opinião sobre determinado candidato ou partido em período eleitoral. Não é democrático, pois torna ainda mais desigual as oportunidades dos candidatos. O Pe. representa uma Instituição, por isso deve medir as palavras no espaço público em período proibido pela Justiça. No âmbito privado, ele pode falar o que quiser.

    • Robson Oliveira
      7 de outubro de 2010 at 16:15

      Aí concordo, Tel. Se o problema é a legislação eleitoral, eu concordo. Só tem que ter certeza (e temos conhecidos para nos esclarecer) se, de fato, no dia em que o Pe. José Augusto desabafou ainda vigorava o impedimento eleitoral.

      No entanto, a despeito dessa nossa concordância pontual, o teor da carta da CN não parece limitar-se ao âmbito eleitoral. Parece-me que a tentativa é calar a opinião contrária a alguma outra opinião interna da CN.

      Mas sua observação foi acertada, Tel. Volte mais e colabore nas discussões.

      • Tel
        8 de outubro de 2010 at 13:54

        LEI Nº 9.504 (30 DE SETEMBRO DE 1997)

        Estabelece normas para as eleições.

        Art. 58. A partir da escolha de candidatos em convenção, é assegurado o direito de
        resposta a candidato, partido ou coligação atingidos, ainda que de forma indireta, por
        conceito, imagem ou afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou sabidamente
        inverídica, difundidos por qualquer veículo de comunicação social.
        Até o final do pleito, as emissoras de TV não poderão se manifestar contra ou a favor dos candidatos ou partidos.

        • Robson Oliveira
          8 de outubro de 2010 at 14:21

          Valeu, Tel. Então o Padre José Augusto cometeu um crime. Mas será que cometeu algum pecado?

          Abração!

          • Lazaro
            20 de novembro de 2013 at 17:14

            Valeu Robson. Para os homens, um crime. Para Deus, ele exerceu corretamente seu papel de sacerdote. Falou a verdade !!

  12. Leandro Lopes
    6 de outubro de 2010 at 16:56

    Começa a contra ofensiva do PT.

    O deputado eleito Gabriel Chalita fala sobre a onda de boatos e mentiras contra o PT e Dilma

    http://www.youtube.com/watch?v=xS2pv2z8BP4

    O Gabriel Chalita concorda com o Paulo Amorim dizendo que o Presidente Lula é católico fervoroso. kkkkkkkkk

  13. delnir
    6 de outubro de 2010 at 13:26

    Quais foram os bispos e padres que compareceram a reunião com a sra Dilma na quinta-feira 30/09? Tem da CNBB, da Canção Nova, Teolibertários, etc.
    Quem organizou a referida reunião foi o senador Gim Argelo, que coopera com a CN.
    Alguém tem dúvidas sobre a ortodoxia deste movimento gnóstico/protestante chamado Canção Nova!
    Cristianismo e comunismo/socialismo são antíteses.
    Sugiro a leitura da encíclica Divini Redemptoris de Pio XI.
    E que o Pe José Augusto fuja da CN para não ficar levando puxão de orelhas de um leigo que mais está interessado em angariar fundos para essa instituição protestante.

    São Pio X, rogai por nós!
    São Pio V, rogai por nós!
    Nossa Senhora da Santa Esperança, convertei-nos!

  14. Priscila
    6 de outubro de 2010 at 13:19

    Uma coisa ficou desviada nesta discussão.
    A CN poderia se desculpar pela citação nominal feita pelo padre na homilia, mas nao podia dizer que o pensamento dele não coaduna com o da comunidade…Como assim? Há por acaso racha dentro de uma comunidade? Por acaso o padre atentou contra os princípios cristãos que devem permear seu discurso?
    Não precisam falar que ele cometeu crime eleitoral porque SEI que em templos não pode haver discurso político..e por essa vertente sei que ele errou, mas a formação que ele passou é atual e não pode ser abafada…A Igreja precisa às claras formar seu rebanho. Mas, infelizmente, às vezes só dando nomes aos bois as pessoas conseguem perceber onde está o mal.
    Aqui, até onde sei, não há nenhum serrista…
    SOMOS CRISTÃOS EM BUSCA DA VERDADE…apenas isso.
    Se hj ele se torna a única opção viavel…é apenas uma consequencia. Não somos partidários…disso nao tenho dúvida.

  15. Flavia
    6 de outubro de 2010 at 11:08

    Posso ter empregado a palavra incorreta, mas conheço bem a diferença, Robson. Conheço a raiz grega também. No entanto, não preciso escrever aqui, porque não tenho nada a provar pra ninguém. Está vendo o que eu sempre falo!!! É ao ataque que vocês recorrem sempre. Bastou eu mostrar só um pouquinho que o “São Serra” não é tão santo assim.
    Eu não me canso de dizer (e, aliás, ouvi de uma reaça, amante do Olavo de Carvalho ontem) que a idéia central não é a verdade, mas derrubar o PT. É só isso.
    Acho que qualquer atrocidade contra o ser humano deve ser denunciada, não só pela Igreja, mas por toda a sociedade, Robson. E é isso o que eu faço sempre, quando você só se lembra de falar do aborto no seu blog. Eu lembro, embora não adiante, porque isso não dá voto, que o conceito de vida é amplo, vida é saúde, saúde é hospital de qualidade, é prevenção de doenças, é saneamento básico, vida é lazer, vida é programa de prevenção a doenças mentais, vida é comida na mesa do trabalhador.
    Denúncia fez Dom Paulo Evaristo Arns, no livro, “Brasil Nunca Mais”. E muito bem feita.
    Denunciar é nosso dever sim, eu não disse que a Igreja não pode denunciar, eu disse que PRINCÍPIOS RELIGIOSOS NÃO PODEM PAUTAR ELEIÇÕES NUM ESTADO LAICO.

    • Robson Oliveira
      6 de outubro de 2010 at 11:22

      Flavinha, minha amiga, tudo bem você acusar os participantes do site de atacar você. Mas eu posso garantir: ninguém te atacou até agora. Eu só pedi, porque isso é uma discussão que quer encontrar a verdade e não a exposição descompromissada de nossas opiniões, que explicite os seus argumentos. Isso também é ofensivo? É um ataque a você? Acho que não.

      Defender a vida em todas as suas etapas é um princípio religioso, para você? Defender a liberdade de religião é tema de fé? Tenho que dizer que está equivocada! Os gregos defendiam a prática religiosa dos seus cidadãos pois entendiam que o homem completa deve (sim, deve) cultuar os deuses. Tratar desses assuntos não é confundir religião e estado. Aceitar esses abusos é, sim, submeter a religião ao estado, o que é inaceitável.

      Abração!

    • Leandro Lopes
      6 de outubro de 2010 at 12:29

      A afirmação: “Princípios religiosos não podem pautar eleições num estado laico.” Não é verdadeira pois se eu sou religioso eu posso pautar a minha escolha por qualquer meio, inclusive o religioso. Aliás isso é liberdade religiosa, desde que todas religiões possam fazer o mesmo, e que vença o melhor.

      O que não pode é o Estado, seja ele laico, ateu, fundamentalista, militar, monarquista, etc atentar contra a Lei Natural, comum a todas as pessoas. Por isso defesa da vida, liberdades fundamentais, etc não é assunto religioso. Na verdade confundir isso com assunto religioso é uma confusão normal na atual realidade de nossa sociedade que não tem nenhuma noção de metafísica, transcedência, nada.

  16. Flavia
    6 de outubro de 2010 at 08:48

    Robson

    Disso eu sei. E sei também que a igualdade é um dos pontos que permeiam o laicismo. E sei mais ainda que não é estado ateu (ah, novidade pra mim!), mas no laicismo, é prevista a separação entre Estado e Igreja.

    • Robson Oliveira
      6 de outubro de 2010 at 09:08

      Levando esse seu raciocínio ao máximo, a CN também não deve denunciar o abuso de menores, a escravidão dos cidadãos, o roubo, o assassinato, a miséria, todos assuntos laicos. Você concordaria com essa reflexão? Se não, explique-me seu raciocínio, por favor.

    • Robson Oliveira
      6 de outubro de 2010 at 09:21

      Desculpe-me, Flavinha, mas laicismo e laicidade não são o mesmo. Acho que você não se expressou bem. Você conhece a diferença?

  17. Leandro Lopes
    6 de outubro de 2010 at 08:46

    Bem, eles podem ser contra se manifestar hoje, mas no passado a CN já se manifestou contra a candidata Marta Suplicy pelos mesmos motivos que vemos o caro Padre Jose Augusto se manifestando.
    O que foi que mudou? Essa pergunta merece resposta.

    Ainda, eu passei um e-mail de apoio ao Padre Jose Augusto que tem a extensão “@cancaonova.com” e voltou. Qual será o e-mail que ele está recebendo?

    Temos que inundar a caixa de mansagem desses caras com apoio ao Padre jose Augusto

  18. Flavia
    6 de outubro de 2010 at 08:44

    Já que o assunto é Canção Nova: http://www.youtube.com/watch?v=yst5IM8Q2os

  19. Flavia
    6 de outubro de 2010 at 08:28

    Eu concordo com a CN, por mais estranho que pareça (o Robson sabe de minhas implicâncias com os carismáticos). Não acho que, num Estado laico, princípios religiosos devam pautar eleições. Volto a dizer, num Estado laico! Ou se governa para todos, ou não se governa.

    • Robson Oliveira
      6 de outubro de 2010 at 08:32

      Flávia, sugiro fortemente a leitura do seguinte texto: Símbolos Religiosos. Estado laico não é sinônimo de estado ateu.

      Além disso, a CN não é o estado. Nem é laica.

  20. Priscila
    5 de outubro de 2010 at 22:45

    reproduzo o que escrevi nos comentários da nota oficial no site da CN, que provalvelmente não será publicado:

    ‘O que se quis dizer com: “em hipotese alguma”. Por acaso o pe. disse algo que é contrário ao que a Igreja defende?
    Ele foi fiel à verdade, talvez tenha se excedido ao citar um partido especificamente, mas nao faltou com a verdade..e foi coerente com tudo aquilo que a CN sempre divulgou..
    Essa nota, infelizmente, é que não está de todo compatível.
    Que Deus os abençoe!’

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *