Pepsico usa células de fetos em pesquisa alimentícia

Pareceria ficção científica ou filme B de má qualidade, se não fosse criminoso e genocida.  A empresa Pepsico contratou uma empresa de biotecnologia, a Senomyx, para testar em seus produtos a adição de células fetais abortadas. O objetivo é conseguir emular nos produtos artificiais da Pepsico, por meio de células resultantes de abortos humanos, o sabor natural dos alimentos de modo mais satisfatório. Dezenas de grupos pró-vida americanos manifestaram-se contra a tática de pesquisa da Pepsico e conclamaram os consumidores ao boicote aos produtos da empresa.

Movimentos Pró-Vida têm se manifestado contra a Pepsico, com o intuito de a empresa entender a vontade de seus consumidores. No mundo todo, a Senomyx tem se aliado a outros pólos de pesquisa sobre alimentos, como a Nestlé e a Solae. Os produtos com sabores artificiais de carne são os que mais têm avançado em razão desta linha de estudo biotecnológico, além dos adoçantes.

Essas informações talvez tragam mais luz sobre o motivo pelo qual o lobby abortista é tão grande no mundo, e especialmente no Brasil: matéria-prima mais barata, mais lucro! Como o Watergate ensinou: siga o dinheiro.

Robson Oliveira

6 comments for “Pepsico usa células de fetos em pesquisa alimentícia

  1. Jenária Figueredo
    16 de setembro de 2013 at 21:09

    Antes de expor qualquer opinião sobre determinado assunto, as pessoas devem procurar ler primeiro a matéria, pesquisar sobre o que esta sendo dito e aí sim… caro amigo pode fazer seu comentário. talvez vocês que se mostram contra nunca perguntaram a si mesmos para onde vão os fetos abortados… quem sabe você já tenha comido ou bebido os fetos que ninguém sabe para onde foram… está aí caros amigos… não duvidem queridos, porque essa está sendo a nossa realidade. infelizmente depois de tudo o que está acontecendo no mundo, não se pode confiar em nenhum desses deliciosos alimentos que estão espalhados por aí.

  2. Bruno Alves
    3 de Abril de 2012 at 23:35

    Roberto Corrêa,

    Continue pensando assim, é desse jeito que eles querem que você pense. Continue confiando na palavras deles que mentem descaradamente quando dizem que as informações não condizem c/ a relidade. A verdade é explícita e nem precisava denunciar. Quem é inteligente percebe rapidamente.
    Antes de querer julgar, analise os fatos e não vá afirmando que esse estudo é mentiroso sem, antes, fazer uma minuciosa análise. Não julgue e não será julgado, já dizia o Grande Mestre Jesus Cristo.

  3. ROBERTO CORRÊA DE ANDRADE
    23 de Março de 2012 at 14:35

    Ao moderador, por favor corrija “retirado” por “retirada (dos bovinos)” Grato

  4. ROBERTO CORRÊA DE ANDRADE
    23 de Março de 2012 at 14:32

    http://esquadraodoconhecimento.wordpress.com/ciencias-da-natureza/quim/quimicaa-cocaina-e-a-coca-cola-theodor-schwamn-a-pepsina-e-a-pepsi/
    A pepsi começou utilizando a pepsina, que é uma enzima digestiva retirado dos bovinos (mortos). Chegar a um “estudo” desses, não é de se duvidar e sempre aparecer alguém dizendo que é sempre o mesmo bla-bla-bla é mais comum ainda.
    Meus boicotes são eternos e atravessam gerações.
    Vá beber cauim ô Tomás, sem medo. Ela não é feita de mandioca fermentada com saliva não. É outro blablabla (ou bababa).

  5. Thomas de Carvalho Silva
    28 de outubro de 2011 at 23:59

    Blábláblá. É sempre assim: a carne do McDonalds é feita de “res”; agora, são os produtos da PEPSI q são feitos de pedaços de fetos? Por favor…

    • Robson Oliveira
      29 de outubro de 2011 at 05:39

      Você se deu o trabalho de ler a matéria, Thomas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *