Sobre Exorcismo e Exorcistas – Uma perspectiva protestante

O Evangelho de Nosso Senhor traz muitos exemplos de possessos e de atormentados, de modo que a existência da possessão torna-se quase incontestável. No entanto, embora os dados revelados acerca da realidade deste evento sejam quase incontroversos, a compreensão humana sobre o fato, pelo contrário, é bastante discutido. E hodiernamente não são poucos os teólogos católicos que cercam o tema de um leve ceticismo, esbarrando às vezes em ironia e descrença. Mas como os protestantes, tão unidos ao texto evangélico, veriam o problema? Um pastor batista americano (R. Albert Mohler) resume bem o modo como eles veem a questão:

Os cristãos evangélicos acreditam na existência, malevolência e poder do diabo e seus demônios. Sobre essas coisas, o Novo Testamento é bem claro. Devemos resistir a qualquer esforço para “desmistificar” o Novo Testamento, a fim de negar a existência dessas forças e seres do mal. Ao mesmo tempo, temos de reconhecer que ao Diabo e aos demônios não são reconhecidas as competências que lhes são atribuídos, muitas vezes pela piedade popular. O diabo é, de fato, uma ameaça, como Pedro fez clara menção quando avisou: “Sede sóbrios de espírito, sede vigilantes. Vosso adversário, o Diabo, anda em derredor, como leão que ruge, procurando alguém para devorar” (I Pe 5, 8 )

Os evangélicos não precisam de um ritual de exorcismo, porque adotar esse tipo de invenção seria rebaixar a dignidade do Evangelho. Estamos engajados na batalha espiritual cada minuto de cada dia, se reconhecemos isso ou não. Não há nada a temer ou odiar os demônios […]. Cada vez que um crente prega o Evangelho e declara o Nome de Jesus, os demônios e o diabo perdem seu poder.

Além disso, não há absolutamente nenhuma evidência do Novo Testamento que um crente em Cristo pode ser possuído por demônios. Atormentado e tentado? Claro. Mas nunca possuído. Uma vez que estamos unidos a Cristo pela fé e recebemos o dom do Espírito, não há possibilidade de um demônio possuir-nos.

Os cristãos católicos, por força do Dogma da Infabilidade Papal, possuem outras fontes para compreender a natureza destes eventos sobrenaturais. Se é difícil para os católicos compreenderem como um cristão, Templo do Espírito Santo, pode ser objeto de possessão (ainda que aconteça muito raramente), para os protestantes não é fácil ignorar o texto de Lc 22, 3. Ora, para quem se preocupa com a literalidade do texto, é impossível fingir que o cristão Judas Iscariotes não teve seu corpo tomado pela entrada (eiserchomai) de Satanás.

Fonte: Evangelicals and Exorcism

Robson Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *