Vocação: resposta de amor

A vocação é uma resposta de amor: a Deus, a si mesmo e aos irmãos

O chamado vocacional é um mistério: muitos são chamados, poucos escolhidos. Mas um padrão parece manter-se em todos os casos. A vocação é uma resposta ao amor de Deus. Tal resposta é um dom dado ao vocacionado e um bem a si mesmo, antes de tudo; mas a vocação é dada também para o serviço do irmão.

Trindade

Amor a Deus

Vocação é chamado e é Deus quem chama o candidato. Atender ao chamado é uma prova de desprendimento e amor à Vontade de Deus. O episódio de Samuel é educativo (1 Sm 3, 1ss). A iniciativa da vocação do jovem Samuel é de Deus. O menino não “invoca” que vai ser profeta pois não está disponível aos homens a auto-vocação, não se trata de algo à disposição. Antes, o jovem é chamado, é escolhido sem méritos próprios. É verdade que algumas condições facilitam a compreensão do chamado. Samuel dormia no Templo, o que sugere que era alguém habituado ao religioso e que, portanto, tinha um ordinário olhar de transcendência. Outro dado importante é Eli. Não raro o conselho de um outro, também orante, também atento aos sinais de Deus, facilita a compreensão dos “sinais dos tempos”. E Samuel trata de solicitar ajuda ao ancião, reconhecendo sua autoridade sobre o assunto.

Outro texto que pode ajudar é do profeta Oseias. Assim como com Samuel, o texto de Oseias reafirma o caráter gratuito do chamado vocacional. Não é por causa de qualquer virtude pessoal, qualquer característica própria que Deus escolhe alguém. Afinal, ninguém é virtuoso o suficiente para merecer Deus. Só um perfeito merece outro perfeito, só um infinito está a altura de outro infinito. Assim, não é por causa de méritos pessoais que Oseias é escolhido. Mas para demonstrar a grande misericórdia, o grande amor de Deus. Por isso, esperar a perfeição moral para atender ao chamado de Deus é pura tolice: Deus não chama os perfeitos, Ele chama para tornar-nos perfeitos nEle.

Amor a si

Atender ao chamado vocacional feito por Deus é prova de amor a Ele, mas também é prova de amor a si próprio. Afinal, longe de Deus, quem encontrará felicidade? O texto do rico insensato lembra-nos dessa experiência, da autonomia longe do verdadeiro bem (cf. Lc 12, 16ss): tolo! Colocar a felicidade humana num silo de mantimentos é a mais pura tolice. E por isso mesmo, é um testemunho de desamor a si próprio pois não trará a felicidade desejada. Pôr a esperança humana nos bens desse mundo é tornar nossa felicidade objeto de cobiça de ladrões e de cupins. Tolice!

Atender ao chamado de Deus é, de certo modo, cuidar da própria felicidade. É prova de amor a si mesmo, pois nunca se ouviu falar que alguém tenha odiado a própria vida.

Amor ao próximo

Contudo, o chamado vocacional que é Amor a Deus e a si mesmo, só é exercido plenamente no serviço ao irmão. Basta lembrar que o Catecismo classifica os sacramentos da ordem e do matrimônio de sacramentos do serviço: casa-se para servir Jesus Cristo na sua Igreja; ordena-se para servir Jesus Cristo na sua Igreja. Todo o resto é instrumentalização. A parábola do Bom Samaritano é luz para nós (cf. Lc 10, 30).

O doente está no caminho e ao bom Samaritano cabe a tarefa de pô-lo às costas: a vocação matrimonial é dada ao indivíduo para amar a Deus e fazer bem a si mesmo, carregando o doente que está em casa. Esse é o segredo da vocação: o sim irrestrito a Deus se exprime num sim irrestrito ao irmão. Sem essa consequência radical, é instrumentalização, invocação.

Que nossas vocações sejam sinal de Deus para nossos irmãos!

2 comments for “Vocação: resposta de amor

  1. Aprenda com a Bíblia
    23 de dezembro de 2015 at 11:31

    Gostei demais desses artigos, tenho aprendido coisas interessantíssimas. Desejo que todos tenham um ótimo proveitos dos mesmos!!

  2. leonardo
    7 de abril de 2014 at 08:33

    senhor que eu possa servir aos meus irmãos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *