1ª Homilia Dominical do Papa Franscico

“É belo isso: primeiro, Jesus sozinho sobre o monte, orando. Orava só (cfr Gv 8,11). Depois, volta de novo ao Templo, e todo o povo ia ao teu encontro (cfr v. 2). Jesus em meio ao povo. E depois, ao fim, o deixaram só com a mulher (cfr v. 9). A solidão de Jesus! Mas uma solidão fecunda: Aquela da oração com o Pai e aquela, tão bela, que é a própria mensagem de hoje da Igreja, aquela da sua misericórdia com esta mulher.

Também existe uma diferença entre o povo: Havia todo o povo que ia ao teu encontro, Ele se sentou e se colocou a ensiná-los: O povo que queria ouvir a palavra de Jesus, o povo de coração aberto, necessitado da Palavra de Deus. Havia outros, que não ouviam nada, não podiam ouvir; e são aqueles que julgam aquela mulher: Olhe, Mestre, esta é a tal, é a qual… Devemos fazer aquilo que Moisés mandou fazer com esta mulher (cfr vv. 4-5).

Creio que nós somos este povo que, de um lado quer ouvir Jesus, mas do outro, às vezes, prefere bater no próximo, condenar o outro.  E a mensagem de Jesus é essa: A misericórdia. Para mim, o digo humildemente, é a mensagem mais forte do Senhor: A misericórdia. Mas mesmo Ele disse: Eu não vim para os justos; os justos se justificam sozinhos. Bendito Senhor, se tu podes fazê-lo, eu não posso! Mas eles acreditavam poder fazer. Eu vim para os pecadores (cfr Mc).

Pensastes naquela conversa depois da vocação de Mateus: Mas ele anda com os pecadores! (cfr Mc 2, 16). E Ele veio para nós, quando nós reconhecemos que somos pecadores. Mas se nós somos como aquele fariseu, diante do altar: agradeço Senhor, porque não sou como todos os outros homens, e nem mesmo como aquele que esta a porta, como aquele publicano (cfr Lc 18, 11-12), não conhecemos o coração do Senhor, e não teremos nunca a graça de sentir esta misericórdia! Não é fácil se entregar a misericórdia de Deus, porque isso é um abismo incompreensível. Mas devemos fazer! “Oh, Pai, se conhecessem a minha vida, não falariam assim comigo!” “Por quê? Que coisa fez? Fiz tantas  grosserias!”. “Melhor! Vai a Jesus: Ele prefere que O conte estas coisas!”. Ele se esquece. Ele tem uma capacidade de esquecer, especial. Esquece, te beija, te abraça e te diz somente: Eu também não te condeno; vai e de agora em diante não peques mais” (Gv 8,11). Somente te dá este conselho. Depois de um mês, estamos na mesma condição… Retornemos ao Senhor. O Senhor nunca se cansa de perdoar: Nunca! Somos nós que nos cansamos de pedir perdão. E peçamos a graça de não nos cansarmos de pedir perdão, porque Ele nunca se cansa de perdoar. Peçamos esta graça.

Reprodução

Tradução adaptada. O original em Italiano pode ser encontrado em: http://www.vatican.va/holy_father/francesco/homilies/2013/documents/papa-francesco_20130317_omelia-santa-anna_it.html

2 comments for “1ª Homilia Dominical do Papa Franscico

  1. 26 de Março de 2013 at 14:47

    É o Meu Deus de misericórdias, que não se cansa nunca de amar,de perdoar e ir ao meu encontro,eu que sou pecadora e má,mas a quem Ele ama infinitamente,por isso me mostra o quão pequena eu sou…e assim aumenta mais e mais o meu carinho e meu desejo de ficar no coração de Jesus.

  2. Vitor Pereira
    18 de Março de 2013 at 19:17

    Belas palavras, que se colocadas em prática, amenizariam grande parte das injustiças, dos sofrimentos, abririam canais de comunicação entre familiares ,entre as pessoas em geral. O dificil é reconhecer o erro, para podermos ter misericordia de nós mesmos, e assim com uma atitude nova, começar uma nova convivência com nosso semelhante, e conosco mesmo, mudando nosso modo de agir, nascende de novo para trilhar um novo caminho. Como ninguem é perfeito, mas tem pelo menos vontade de sê-lo, iremos caminhando pedindo perdão, mesmo na certeza de incorrer de novo no êrro. O importante é que, pelo menos por um segundo tenhamos a luz de querer-mos o perdão e termos coragem de pedi-lo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *