Aborto mais uma vez em Pauta – Pe. Matheus Pigozzo

O aborto voltou à pauta. O Pe. Matheus Pigozzo dá voz à doutrina católica e aos mais indefesos dos seres humanos: os bebês.


ABORTO MAIS UMA VEZ EM PAUTA

Como é triste ver a humanidade se levantar ferozmente contra si mesma. As manifestações de grupos a favor do aborto e também toda a doutrinação de uma juventude empenhada para promover a morte deveria tirar lágrimas de nossos olhos.

Pensem! Pela fé, temos mais luzes pra ver o quanto isso é terrível, mas não se precisa usar dela para enxergar que o aborto não é digno do ser humano…

Vejam! Mesmo com o império do relativismo, todos se encolerizam quando algum criminoso tira a vida de alguém, ainda mais se for de uma pessoa trabalhadora, honesta;ficamos indignados com a impunidade e imaginamos penas duríssimas para o autor do crime.

Nossa razão – não a fé, mas a razão – que todos têm, promove um sentido de justiça: alguém que sem nada fazer recebeu a morte, não ofendeu ninguém e foi baleado.Sim… Dar o direito de outro viver, não atentar contra a vida de alguém é algo exigido pela razão, pelo senso de justiça. Não quero que tirem minha vida e não quero isso para o outro.

Outro caso. Quando vemos “cuidadores” de pessoas idosas ou babás de crianças praticarem maus tratos – bater, xingar, oprimir –,logo nossa razão acusa o erro.Até quem não é bonzinho ou fundamentalista religioso sabe que isso é errado, uma pessoa indefesa ser machucada pelo forte. Muito bem, até aqui, tanto os que têm fé como os que não têm estamos de acordo… Imagino que sim, ao menos.

No entanto, quando a injustiça é praticada pela própria mãe que tira a vida de um inocente, e quando o inocente é o mais indefeso ser humano, o quadro muda?
Por favor, pensem! Esqueçam que é um padre falando! Vejam o que é falado! Não tem lógica? Independentemente de como a criança foi concebida, ela existe e é extremamente injusto, desleal e desumano que a matem.

E se a menina é muito nova e engravidou no baile funk? Se a garota é de uma família rica e está grávida do namoradinho do subúrbio e tem que terminar a faculdade?Se a mãe é uma prostituta e deram errados os seus meios anticonceptivos?Se o casal está em crise financeira e não tem como alimentar mais um?Se o mosquito picou e pode ser que o bebê nasça com problemas? – algo muito duvidoso ainda, por sinal. E se aconteceu um estupro?Todas essas são situações difíceis, umas até trágicas e terríveis. Mas o que justifica matar o inocente? Qual é a culpa do frágil bebê que depende totalmente do ventre que o gera?

Suas emoções ainda iludem sua razão fazendo você admitir a possibilidade desse assassinato cruel? Convido você a usar de seu egoísmo de pessoa já nascida e imaginar se, no ventre de uma mãe, em uma dessas situações, justifica-se matar você pelo erro de seus pais, pela irresponsabilidade de alguém, pelo vírus do mosquito ou pela crueldade de um criminoso.

Meus caros, há muito interesse por trás desse assunto… Há muita ideologia orquestrando tudo isso a ponto de fazer você renunciar os ditames mais profundos de sua essência humana para levantar uma bandeira com cores revolucionárias e chamativas. Por que essa ideologia? Por que esse ódio ao nascituro? O dinheiro, o poder, e a promiscuidade tomaram o lugar da razão! Renunciando à razão o homem perde seu caminho e sentido.

Se a ideologia está acima do instinto materno e da verdade, ao menos essas pessoas poderiam ter a criança e dar para tantas famílias que desejam cuidar da vida que seus ventres não podem gerar. Homem, pode ser que exigir de você a abertura a fé seja muito, mas o que te pedimos é o irrenunciável ao seu ser: seja racional!

 

 

Robson Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *