Domínio da práxis

É  sabido que o conhecimento mais excelente é o mais inútil. Sempre foi esse o diferencial das ciências teóricas em contraposição às práticas. Enquanto as disciplinas práticas visam um fim mediato e extrínseco ao agir; as teóricas ocupam-se com o que é imediato e intrínseco ao agente.

Vivemos, porém, uma época em que a prática é norma e critério das ações humanas. Na filosofia, percebe-se a preponderância da ética sobre a metafísica; na teologia, a dogmática não raro é determinada por chaves sociais. E de onde não se poderia prever, vem uma voz em favor das disciplinas teóricas: um biólogo, ganhador de Nobel em 2008, alerta-nos que a pressão pela prática paralisa a ciência.

Será que é preciso um biólogo vir lembrar-nos que a prática é derivada? Que mais importante que o Práxis é o Lógos???

3 comments for “Domínio da práxis

  1. Flavia Gomes
    9 de junho de 2010 at 06:12

    Mestre, você não acha que isso é fruto da sociedade contemporânea, tão materialista e tão imediatista? Eu creio que seja, se me permite dizer. A modernidade não tem tempo para a reflexão, para o diálogo profundo, não tem poesia (um absurdo!), não tem utopias. Um dia eu enlouqueço. Grande beijo.

  2. Fabiano
    2 de junho de 2010 at 22:35

    A matemática sofre com o mesmo, meu caro. Me compadeço da sua questão, hehe…

    • Robson Oliveira
      2 de junho de 2010 at 23:48

      Só lamento que poucos percebam esse problema. Quanta preocupação em fazer, fazer, fazer. Antes de dar frutos, a árvore precisa afundar suas raízes no solo, precisa rasgar as entranhas da terra para, mais tarde, florir e frutificar. Com a ciência, penso, deve ser assim também.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *