Mais mártires nigerianos…

A Nigéria é um país enorme, o mais populoso da África. A configuração populacional concentra os islamitas mais ao sul, enquanto os cristãos, em sua maioria católica, se encontram ao norte do país. O país se convulsiona pela luta de poder, com a conivência da dona ONU, que está mais preocupada em financiar abortos em países pobres, enquanto civis cristãos e muçulmanos matam e morrem, com o silêncio de todo mundo.

Reprodução: Católica morta no ataque à Universidade de Bayero, durante a missa.

Os últimos ataques vieram dos “inocentes” muçulmanos, que atacaram dois grupos cristãos na Universidade de Bayero, em Kano. Duas bombas explodiram durante duas missas que aconteciam em locais distintos da universidade, há 48 horas atrás. Aproximadamente 16 pessoas morreram. Ocorre que hoje, 01 de maio, outro atentado do mesmo grupo radical, o Boko Haram, matou mais civis inocentes.

Reprodução: mais uma vítima dos ataques terroristas do Boko Haram. Ele morreu pouco depois desta foto.

Essas notícias devem nos envergonhar quanto à paralisia espiritual que a uns invade. Em outros lugares do mundo o cristianismo é sinal de heroísmo, mas aqui no Brasil, para ser simpático a uns colegas de trabalho, para não incomodar uns familiares chatos, para parecer antenado com a “mudernidade” se negociam pontos fundamentais da fé cristã, quando não se os negam simplesmente. Que Deus tenha misericórdia de nós e faça surgir, do sangue dos mártires nigerianos, uma geração de cristãos mais santa, lá e aqui. E que Ele nos perdoe nossa covardia e mediocridade.

2 comments for “Mais mártires nigerianos…

  1. Herbert Burns
    4 de maio de 2012 at 14:01

    Esta paralisia espiritual parece ser contagiosa! A pergunta agora é com quantos sangue se faz uma lágrima? ou porque a gente se tornou tão indiferente ao sofrimento? Darfur, Índia, China…. Na luta diaria contra a dureza de uma vida cotidiana não percebemos o quão mais duro se tornou o nosso coração. Um ser humano por menor que seja não pode ter um coração de pedra! Mais que perguntar agora quem sou eu? melhor é perguntar o que sou eu? A partir dessas respostas podemos procurar novos caminhos. Um grande irmaozinho mostrou um caminho: Carlos de Foucauld. Sua vida é o exercício contra a indiferença, contra a insensibilidade, porque amou!

    • 6 de maio de 2012 at 12:57

      E só tem uma solução contra a “poliomelite” espiritual, Herbert: mais Deus, menos César. E se temos que nos envolver nos assuntos de César, que seja por amor a Deus e a seus filhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *