Site Humanitatis: Ano IV – Sagrada Família

A Equipe do Site Humanitatis agradece aos diversos leitores e colaboradores do apostolado pelo apoio no ano de 2014. Agradecemos sempre pela confiança, pelo auxílio nessa missão, mas principalmente pelas orações por nossa perseverança. A Deus, o Único Santo, ao Senhor dos Senhores, a Ele que é atraído por um coração humilde, a Ele e só a Ele nossos melhores louvor, gratidão, contrição e obediência. Neste ano, ainda maiores são os motivos de alegria do nosso apostolado.

1. O quarto ano de trabalho do Site Humanitatis chegou perto do recorde do site, a média de 4.000 acessos por mês. É a segunda marca de nosso site, especialmente se considerarmos que todos os colaboradores do site são amadores e fazem esse trabalho voluntário, com o curto tempo que possuem.

2. A Fan Page do Facebook ultrapassou os 1.000 assinantes. Isso significa mais penetração nos que acompanham notícias pelas redes sociais.

3. Nossos seguidores do twitter são 273, o que é excelente, já que nunca fizemos divulgação da nossa conta.

4. Os 10 textos mais lidos do Site Humanitatis no ano de 2014 foram:

  1. Canção Nova inocentada de acusação de Ministério Público
  2. Origem e característica da reflexão filosófica
  3. Mentiras sobre a vacinação contra HPV
  4. ECatholicus: o site de relacionamento dos católicos
  5. A Ética é normativa ou descritiva?
  6. O que é relativismo?
  7. Procurando Nemo, enfrentando os medos!
  8. Bebês anencéfalos no mundo…
  9. Fecundidade Matrimonial – por Matheus Pigozzo
  10. Globo e Neomalthusianismo: Mais uma mentira para enganar você!

Percebam que, dentre os mais lidos, muitos textos são estritamente filosóficos, isto é, não se trata de uma leitura fácil, nem ocasional. Outro ponto: os textos apologéticos têm seu lugar entre os mais lidos. Destaque também para o texto de um convidado dentre os mais lidos, o texto do seminarista Matheus Pigozzo.

Confiamos à Sagrada Família nossos trabalhos futuros e os novos projetos que surgirão em 2015.

Sagrada Família (Carlo Maratta – séc. XVIII)

Robson Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *