Símbolos Religiosos

A separação entre Estado e Igreja é antiga e tem como antecessora uma situação de servidão entre os poderes, bem mais constragedora do que os supostos escândalos e denúncias atuais. Entendo que os limites entre os poderes é salutar tanto para a universalização dos bens do estado a todos os cidadãos, independente do credo de cada um, quanto para a Igreja, que poderá exercer seu papel profético anunciando o Reino que há de vir, sem preocupar-se com interesses humanos, demasiadamente…

Andrei Rublev (Andrei Rublev)

Andrei Rublev[1] (Diretor: Andrei Tarkovsky[2]) Sinopse: Kirill está impaciente. Tomado por uma tristeza profunda contempla os quadros que produziu. Tudo parece vazio. No fundo do coração compara suas obras às do confrade Andrei. Sente inveja. Para ocultar este mal-estar e este ressentimento que vai pouco a pouco o vencendo, rememora passagens da Sagrada Escritura. É neste momento que surge a frase que dá o tom do filme: “Vaidade das vaidades, tudo é vaidade”[3].  Esta talvez seja a seqüência que melhor…

Mateus 5, 14-16

“Vós sois a luz do mundo.  Não pode ficar escondida uma cidade construída sobre um monte. Ninguém acende uma lâmpada e a coloca debaixo de uma vasilha, mas sim num candeeiro, onde ela brilha para todos os que estão em casa. Assim também brilhe a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e louvem o vosso Pai que está nos céus”.