Tag: Joseph Ratzinger

Joseph Ratzinger – Relativismo e Metafísica

Relativismo e Metafísica Joseph Ratzinger “O relativismo de Hick, Knitter e de outras teorias afins baseia-se, em última análise, em um racionalismo que declara a razão, no sentido de Kant, incapaz para o conhecimento do que é metafísico” Fonte: RATZINGER, Joseph. Fé, Verdade e Tolerância. São Paulo: Inst. Bras. de Filosofia e Ciência Raimundo Lúlio, 2007, p. 119.

Joseph Ratzinger – Relativismo Cultural

Relativismo Cultural Joseph Ratzinger Sobre o relativismo: “Quem se lhe opõe, opõe-se não somente à democracia e à tolerância, mas também aos preceitos básicos da convivência humana. Insiste teimosamente na primazia da própria cultura, a ocidental, e fecha-se assim ao convívio das culturas, o que é notoriamente o mandamento da hora presente” Fonte: RATZINGER, Joseph. Fé, Verdade e Tolerância. São Paulo: Inst. Bras. de Filosofia e Ciência Raimundo Lúlio, 2007, p. 115.

Joseph Ratzinger – Fé e Democracia

Fé e Democracia Joseph Ratzinger “Vai-se impondo, em graus de intensidade variáveis, a tentativa de estender o princípio da maioria à fé e à moral, ou seja, o projeto de ‘democratizar’ decididamente a Igreja. Essa tentativa se expressa da seguinte maneira:o que não parece evidente à maioria, não se pode impor como obrigatório. Mas, de que maioria se trata? Não haverá amanhã outra, diferente da de hoje? Uma fé que nós mesmos podemos estabelecer não é fé” Fonte: RATZINGER, Joseph. Fé, Verdade…

Papa Bento XVI – Hermenêutica Positiva e Hermenêutica Bíblica

Hermenêutica Positiva e Hermenêutica Bíblica Papa Bento XVI “Uma coisa parece-me óbvia: em 200 anos de trabalho exegético, a interpretação histórico-crítica já deu o que de essencial tinha para dar. Se a exegese bíblica científica não que exaurir-se em hipóteses sempre novas, tornando-se teologicamente insignificante, deve realizar um passo metodologicamente novo e voltar a reconhecer-se como disciplina teológica, sem renunciar ao seu caráter histórico. Deve aprender que a hermenêutica positivista de que parte não é expressão da razão exclusivamente válida que…

Jürgen Habermas – Fenômeno Religioso

Fenômeno Religioso Jürgen Habermas “A filosofia precisa levar a sério esse fenômeno como um desafio cognitivo a ser analisado a partir do lado interior” Fonte:HABERMAS, Jürgen; RATZINGER, Joseph. Dialética da secularização: sobre razão e religião. Aparecida: Ideias e Letras, 2007, p. 44.

Jürgen Habermas – Religião

Religião Jürgen Habermas Religião, para Habermas, “é originalmente uma ‘visão do mundo’ ou uma ‘compreehensive doctrine’, inclusive no sentido de reivindicar a autoridade de estruturar a forma de vida como um todo” Fonte:HABERMAS, Jürgen; RATZINGER, Joseph. Dialética da secularização: sobre razão e religião. Aparecida: Ideias e Letras, 2007, p. 53.

Joseph Ratzinger – Fé e Democracia

Fé e Democracia Joseph Ratzinger “Não existe nenhuma razão para deixar que uma minoria permita que a sua fé lhe seja prescrita por uma maioria. A fé, e a sua práxis, ou nos vem do Senhor por meio da Igreja e seus ministérios sacramentais ou não existe. Na maioria dos casos, o afastamento da fé acontece por lhes parecer que, se pudesse ser fixada por qualquer instância, a fé equivaleria a uma espécie de programa de partido: quem estivesse com…

Jürgen Habermas – Fé e Razão

Fé e Razão Jürgen Habermas “A expectativa de uma não convergência continuada entre fé e conhecimento só pode merecer o atributo de ‘sensata’ se for admissível que as convicções religiosas ganhem também, na perspectiva do conhecimento secular-profano, um status epistêmico que não seja pura e simplesmente irracional” Fonte:HABERMAS, Jürgen; RATZINGER, Joseph. Dialética da secularização: sobre razão e religião. Aparecida: Ideias e Letras, 2007, p. 56.

Joseph Ratzinger – Deus, Amor e Cruz

Deus, Amor e Cruz Joseph Ratzinger “Deus é amor. Mas o amor pode também ser odiado, quando exige do homem que saia de si próprio para ir além de si mesmo. O amor não é um romântico sentimento de bem-estar. Redenção não é wellness, bem-estar, um mergulho na autocomplacência, mas uma libertação do autofechamento no próprio eu. Essa libertação tem como preço o sofrimento da Cruz”. Fonte: RATZINGER, Joseph. A infância de Jesus. São Paulo: Planeta, 2012, p. 74.